#Orgulho de ser Amapá

“Tu sabes que onde eu for, Amapá,
irá o amor,
amor que tua paisagem de sonho acenderá
no mais profundo e lírico sial
de que sou feito e contrafeito.
Meu olho oral
vê e fala do teu ar
do teu céu
do teu mar
das tuas florestas.”

(Trecho do poema Amapacanto, de Álvaro da Cunha – 1923-1995)

Poema da noite

Súplica
Renato Gusmão
olha pra mim
me dê mais um beijo
por favor
não há nada mais triste
que um poeta
morrer de amor.
(Do livro Encharcado -Ed. Paka-Tatu – 2018)

Tempo perdido

Havia um tempo de cadeiras na calçada.
Era um tempo em que havia mais estrelas. Tempo em que as crianças brincavam sob a clarabóia da lua. E o cachorro da casa era um grande personagem. E também o relógio de parede! Ele não media o tempo simplesmente: ele meditava o tempo.
(Mario Quintana)

Entardecer

Entardecer

Te  prometo, Poeta,
que no próximo entardecer
vou pintar um arco-íris
para deixar tua tardezinha
menos triste.

Hás de sentir que o entardecer
pode ser tão belo
quanto o alvorecer
que ilumina teu rosto
e abre sorrisos no teu olhar.

Presta atenção, Poeta,
o entardecer
é o momento solene
no qual Deus apaga o sol
para acender a lua e as estrelas
Principalmente aquela estrela
que tanto te encanta
quando estás
tecendo sonhos
e versos na madrugada.
(Alcinéa)

Explicação

Explicação

Vivo do ato de escrever
sobre tragédias
e espetáculos
sobre o candidato vitorioso
e o derrotado
sobre o deputado corrupto
e o governante que finge ser honesto
sobre a exportação da mandioca
e a importação da farinha
sobre a fome e a riqueza
sobre o real e o dólar.

Perdoa-me, Anjo.
Não sobrou tempo
para escrever
um poema de amor.

(Alcinéa Cavalcante)

Musical

Musical

Depois do show
quero descansar a cabeça
no teu ombro
no teu braço
no teu peito
e sonhar
para que a canção
não fique apenas na brevidade
desta noite
mas se eternize em nós.

(Alcinéa)

Vem, amado

Vem, amado

Vem, amado meu,
enquanto existem borboletas amarelas
e um beija-flor
beija a flor
que Deus plantou no meu jardim.

Vem, amado meu,
enquanto o vento brinca com as nuvens
criando códigos
que só nós dois sabemos decifrar.

Vem, amado meu,
enquanto há risos de crianças
e a tarde está pintada de ternura.

Não demores, amado meu,
Pois o meu amor é breve
como esta louca vontade
de sair bailando contigo pela vida.

(Alcinéa Cavalcante)

Chá da tarde com J.G. De Araújo Jorge

LIBERDADE
J.G. De Araújo Jorge

(20/05/1914 — 27/01/1987)

A liberdade é o meu clarim de guerra
e eu sou, no meu viver amplo e sem véus,
como os caminhos soltos pela terra,
como os pássaros livres pelos céus.

Ela é o sol dos caminhos ! Ela é o ar
que os enche os pulmões, é o movimento,
traz num corpo irrequieto como o mar
uma alma errante e boêmia como o vento.

Minha crença, meu Deus, minha bandeira,
razão mesma de ser do meu destino,
há de ser a palavra derradeira
que há de aflorar-me aos lábios como um hino.

Liberdade: Alavanca de montanhas!
Aureolada de louros ou de espinhos
há de cingir-me a fronte nas campanhas,
há de ferir-me os pés pelos caminhos.

Sinto-a viva em meu sangue palpitando
seja utopia ou seja ideal, – que importa?
Quero viver por esse ideal lutando,
quero morrer se essa utopia é morta !