Começa amanhã o Amapá Jazz Festival

O Amapá Jazz Festival chega na 11º edição e privilegia o público com shows regionais, nacional e internacional, durante dois dias, 26 e 26 de outubro, no Complexo Marlindo Serrano. Os grupos Amazon Music e Vocal Ecore e Marrecos Land, Trio Canícula Blues, Orquestra Bahamas, Pierre-Marrie Levailant, Quarteto Inventio, Paulo Flores, Brenda Melo, Joãozinho Gomes, Val Milhomem, Enrico Di Miceli, Esdras de Souza e Arismar do Espírito são atrações confirmadas. Além dos shows, a programação prevê workshops com profissionais da música, aberto para o público. O músico homenageado nesta edição é o maestro Oscar Santos.

Atrações
No primeiro dia de Festival, 25, o público irá assistir as apresentações das atrações amapaenses Amazon Music e Finéias Nelluty, Vocal Ecore, Marreco Lande e Canícula Blues; e ainda o paulista Paulo Flores, o francês Pierre-Marrie Levailant, e o Quarteto Inventio, com músicos do Amapá e França.  Pierre- Marrie atualmente mora na Guiana Francesa, onde está nas salas de aula e promove eventos de arte. O Quartet Inventio é formado pelos músicos Nelson Dutra, Paulinho Queiroga, Erwan Escloupier e Pierre- Marrie. Paulo Flores é um paulista autodidata, bacharel em música, e se espalha por diversos braços artísticos como compositor, flautista, pesquisador, cronista, poeta e ilustrador.

Sábado, 26, do Amapá, sobem no palco a Orquestra Bahamas, a cantora Brenda Melo, com especial Tom Jobim, e os artistas Joãozinho Gomes e Val Milhomem, com o show Constelação de Parentes, e Enrico Di Miceli. Para representar outros estados, o convite foi para o saxofonista Esdras de Souza, do Pará, músico com formação jazzística popular e com longa carreira pelo Brasil e exterior. E ainda o capixaba Arismar do Espírito Santo, descendente de uma família de artistas que está na terceira geração, e já esteve no palco com Hermeto Pascoal, César Camargo Mariano e Sebastião Tapajós.

Workshop
O Festival desde o início dá abertura para a troca de experiências e conhecimento, e  Arismar do Espírito Santo irá realizar um ensaio aberto com alunos e professores do CEP Walkíria Lima e interessados. Paulo Flores, que tem uma extensa experiência como musicista, irá ministrar workshop para interessados. As duas iniciativas serão no CEP Walkíria Lima, na quinta-feira, 24.

(Texto: Mariléia Maciel)

Metáfora – Gilberto Gil

Metáfora
Gilberto Gil

Uma lata existe para conter algo
Mas quando o poeta diz: “Lata”
Pode estar querendo dizer o incontível

Uma meta existe para ser um alvo
Mas quando o poeta diz: “Meta”
Pode estar querendo dizer o inatingível

Por isso, não se meta a exigir do poeta
Que determine o conteúdo em sua lata
Na lata do poeta tudonada cabe
Pois ao poeta cabe fazer
Com que na lata venha caber
O incabível

Deixe a meta do poeta, não discuta
Deixe a sua meta fora da disputa
Meta dentro e fora, lata absoluta
Deixe-a simplesmente metáfora.

Enrico di Miceli – Turnê Todo Música

O cantor e compositor amapaense Enrico di Miceli inicia na próxima quinta-feira, 10, a turnê de lançamento do seu álbum “Todo Música”.
O primeiro show será em Belém, no já famoso projeto “Maniçoba Musical”  no Sesc Ver-O-Peso às 19h.
Depois de curtir  o Círio em Belém, Enrico fará show para os franceses na Guiana Francesa, onde já tem uma legião de fãs.
Em novembro será em Macapá e dezembro em São Paulo.
O álbum “Todo Música”  já está disponível em todas as plataformas digitais. E é um primor, pois, como bem frisou o crítico e escritor Ruy Godinho,
Enrico Di Miceli é um compositor intuitivo, livre das amarras da teoria, rebelde, que vai e vem solto,em diversos gêneros. Compõe belas melodias que desfilam suas belezas nas já reconhecidas harmonias sofisticadas, que é um diferencial do compositor.”

Zeca Baleiro ressaltou: “Neste belo Todo Música, Enrico Di Miceli põe sua pitada de tempero ao grande banquete musical amazônico. Viva o rico mundo de Enrico”

Viva!!!

Adamor do Bandolim faz show em Macapá

Mais de seis décadas de música, talento natural, e disposição sincera pra tocar, diferenciam Adamor do Bandolim no cenário artístico do Norte do Brasil, onde fez seu nome, tocou com grandes músicos do estilo choro, gravou discos, e agora se prepara para um show inédito em Macapá. “E o Choro Continua” terá a participação de três ícones da música amapaense, mestre Nonato Leal, Lolito do Bandolim e Manoel Sobral, que estarão com Adamor do Bandolim no espaço cultural do Norte das Águas, sexta,feira (4) a partir de 22h. O grupo Vou Vivendo e a formação que acompanha Adamor no espetáculo.

Adamor é um dos chamados chorões, que resistem ao regionalismo puro nortista  e novas tendências, e seguem no estilo musical mais brasileiro, o chorinho, que se espalhou pelo Brasil a partir do Rio de Janeiro, e se enraizou na Amazônia, terra que canta a natureza ao som de tambores, mas que tem público certo e apaixonado por choro e samba .  O chorinho ganhou seu espaço no norte graças a artistas autodidatas como Adamor, Edir Proença, Catiá, Noé, Amilar Brenha, Lolito do Bandolim, entre outros chorões.

Nascido em Anajás, região Marajoara, ele se encantou pelo choro ao participar de programa de calouro na Rádio Difusora de Macapá, nos anos 50. Voltou para Anajás  mas sempre atravessava o rio para ir até Belém, onde foi reconhecido por outros talentosos músicos. Fez parte do grupo Gente do Choro, e de outras formações musicais. Gravou vinis e CDs, participou de projetos musicais, festivais, está imortalizado em livros sobre chorinho e teses acadêmicas, viajou pelo Brasil tocando seu bandolim e foi enredo de escola de samba.

Atualmente, Adamor ainda participa do projeto Choro do Pará, onde troca experiências com jovens músicos, e recebe convites para se apresentar com artistas de várias gerações em espaços privilegiados, como o tradicional Bar do Gilson e Teatros. Adamor Ribeiro, seu nome de batismo, volta ao Amapá onde tem grandes amigos e parceiros musicais. O show que ele prepara para esta sexta-feira terá composições de sua autoria e do catálogo musical brasileiro de choros,  e produzidos por artistas do Amapá.

(Texto: Mariléia Maciel)