Dicas de vinho

Alto do Cerro
Um leve, refrescante e frutado blend das uvas Fernão Pires e Arinto, castas típicas de Portugal. Um vinho produzido com uvas cuidadosamente selecionadas de diferentes terroirs portugueses para a produção de um vinho redondo, equilibrado e muito agradável. Um exemplar aromático e com expressivo frescor, ótimo para acompanhar momentos de descontração!

Gustativo
Um vinho jovem, leve, frutado, acidez alta que lhe confere muito frescor, agradável final.

Harmonização
Aposte em pratos mais leves, carnes brancas e queijos moles.
Dicas: tiras de peixe frito, macarrão com molho branco, salpicão de frango.
(Renato Salviano)

Em Macapá você encontra este vinho  na Boutique do Vinho

Festival Sabores de Santana começa dia 25

A Prefeitura de Santana em parceria com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e o Governo do Amapá, se unem e prepararam um evento para apresentar a melhor gastronomia do Brasil para a sociedade amapaense e visitantes.

O festival gastronômico Sabores de Santana está chegando à sua segunda edição e com o tema “A melhor gastronomia do Brasil é de Santana” o festival apresenta 15 receitas inéditas com ingredientes que remetem a cidade-porto do Amapá e fazem alusão também ao trabalho talentoso da Chef Flora, empreendedora e moradora do município, que ganhou o disputado Prêmio Nacional Dólmã – categoria nacional, considerado o Oscar da gastronomia brasileira.

O festival busca criar e fortalecer a identidade gastronômica de Santana, promovendo todo o setor local. O evento está previsto para o período de 25 a 27 de novembro, na Praça do Fórum, das 17h às 23h, no bairro Vila Amazonas e reúne 15 empresas do setor gastronômico, entre restaurantes, pizzarias, docerias e outros, que servirão ao público, menus criados especialmente para o evento, ao preço de R$ 20,00 a degustação. Além dos sabores da terra, haverá também o melhor da música, no Palco Puraquê, haverá a Feira de Artesanato e também as Aulas Shows de Culinária, com os melhores profissionais.

Os organizadores acreditam que haverá aproximadamente 20 mil pessoas nos 03 dias de festival e um movimento pra economia local de mais de R$500 mil reais

As inscrições para as empresas de gastronomia se encerram amanhã, quarta-feira 16/11, pelo link https://forms.gle/kWDMUhYjG5XdkSHt8 .Dúvidas podem ser dirimidas no (96) 98135-7900

(Comunicação Prefeitura de Santana e Abrasel)

7ª Edição do prêmio “Melhores da Gastronomia Alcilene Cavalcante” e final Nacional do prêmio Dólmã, o Oscar da gastronomia, acontecem esta noite em Macapá

Nesta sexta-feira ( 12) de agosto, profissionais e empresas destacados da gastronomia amapaense e brasileira serão reconhecidos
com o Prêmio Melhores da Gastronomia – Alcilene Cavalcante e Prêmio Nacional Dólmã, fechando a Semana Nacional da Gastronomia. O evento acontecerá na casa “Nuance Eventos”, às 19h, com jantar regional e show de Val Milhomem e banda Negro de Nós.

Pelo sétimo ano consecutivo, o “Prêmio Melhores da Gastronomia – Alcilene Cavalcante”, que tem esse nome em homenagem à dedicada jornalista, que há anos busca apoiar e informar das inovações, das boas práticas e da valorização da gastronomia local , ocorre no Amapá. Concurso organizado pelo mestre e turismólogo, Sandro Belo, executivo da Abrasel, junto com o grupo de “críticos gastronômicos ” em um “trabalho” que ocorre ao longo de 12 meses, analisando sabores, aromas, misturas, inovação, atendimento, estrutura, segurança e o resgate gastronômico do meio do mundo e da Amazônia.

O prêmio vai para  17 categorias, cujos melhores foram votados pela crítica, que são:

Melhor restaurante
Melhor cafeteria
Melhor doceria
Melhor lanchonete
Melhor hamburgueria
Melhor sorveteira
Melhor culinária amapaense
Melhor açaí
Melhor comida a quilo
Melhor gastronomia internacional
Melhor pizzaria
Melhor gastronomia saudável
Melhor gastronomia oriental
Melhor delivery
Melhor bar
Melhor panificadora/padaria
Melhor buffet de eventos

Prêmio Nacional Dólmã
São 81 chefs de cozinha de todos os estados brasileiros, finalistas nas categorias estaduais e 27 homenageados. Além de
15 chefs de cozinha finalistas nas categorias regionais e 5 homenageados.

Amapá vai sediar três eventos gastronômicos nacionais

De 10 a 12 de agosto, o Amapá vai sediar três programações gastronômicas nacionais: o Festival Enchefs Brasil, o Fórum Brasileiro de Gastronomia e o Prêmio Nacional Dólmã, considerado o Oscar da gastronomia nacional.

A realização é do Instituto Multidisciplinar de Recife e da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). O Governo do Estado patrocina a programação com investimento de R$500 mil e apoio com infraestrutura, logística, atrações musicais, além da realização de Feira de Artesanato.

Enchefs Brasil
O Festival Enchefs Brasil acontecerá nos dias 10 e 11, das 17h às 23h, em uma estrutura montada ao lado do Teatro das Bacabeiras. Na ocasião, 10 expositores comercializarão pratos locais ao preço de R$20 a porção.
Haverá show de artistas locais, Concurso Brasileiro de Coquetelaria com representantes de todo país, Cozinha Show com apresentações a quatro mãos com os vencedores dos concursos estaduais de todas as unidades da federação e feira de artesanato com 40 artesãos.

Fórum Gastronômico Brasileiro
Também no dia 10 de agosto, às 9h, no auditório do Senac Amapá, acontecerá o Fórum Gastronômico Brasileiro. O evento tem caráter técnico/científico e abordará as principais implicações relacionadas à atividade gastronômica e alimentação fora do lar no país.
A programação contará com profissionais de grande expressão no cenário da governança, academia e mercado, que debaterão com público local e de todo país temas importantes no universo em questão e como desdobramento a elaboração da “Carta da Gastronomia do Meio do Mundo”, que será apresentada ao Parlamento brasileiro.

Prêmio Nacional Dólmã
No dia 12 de agosto acontecerá a 7ª edição do Prêmio Melhores da Gastronomia. A premiação reconhece 17 empresas que se destacaram em seus segmentos no ano de 2022. O local ainda não foi definido.

Você já tomou vinho de podridão nobre?

Você já tomou vinho de podridão nobre?
Renato Salviano

O mundo dos vinhos é mais completo e vasto do que se imagina. Sempre digo para quem está iniciando: vinhos vão muito além de cabernet sauvignon e pinot noir: essa é apenas a porta de entrada para muita coisa a se conhecer.

Hoje vamos falar sobre um estilo de vinho que geralmente, ao ouvir pela primeira vez, as pessoas torcem o nariz: os vinhos feitos a partir de podridão nobre! Mas Renato, podridão? Bom, é isso mesmo!

Existem vários tipos de vinhos doces: os de colheita tardia, os icewine, os vinhos do Porto e também os vinhos de podridão nobre.

Esses vinhos de podridão nobre são considerados muito elegantes e sofisticados. Neste estilo de vinho, as uvas são atacadas por um tipo de fungo, que cobre a casca da uva, chamado Botrytis cenérea, ou podridão nobre. A Botrytis perfura a casca da uva, fazendo com que a água evapore e fique ali grande concentração de açúcares, aromas, sabores e acidez. E justamente por ter acidez elevada, podem ser guardados por décadas!

Não é toda uva e região que pode produzir este estilo de vinho. A casca deve ser fina e o fruto tem de ser plantado em lugares únicos, com muita neblina pela manhã e sol ameno a tarde. Nessas regiões, o fungo cobre os grãos de uva, provocando uma série de reações que modificam os parâmetros de acidez e dulçor dos frutos.

As regiões mais famosas são: Tokaj, na Hungria, onde são utilizadas cepas autóctones como a Furmint e a Harsvelelü; Sauternes, Barsac, Cadillac e Monbazillac, na França, utiliza-se as castas Semillon, Sauvignon Blanc e Muscadelle; e para os grandes vinhos alemães, como os de Rheingau e do Mosel, a variedade não pode ser outra além da célebre Riesling.

Óbvio que tanta especificidade torna tais produtos com um valor agregado bem elevado. Uma garrafa de 375ml de Sauternes, por exemplo, custa em média 300 a 400 reais em nosso mercado. Mas há quem diga que vale cada centavo cobrado, pois é um verdadeiro néctar dos deuses (o que eu confirmo, diga-se de passagem rs).

É isso! Quer saber mais sobre estilos de vinhos? Você pode entrar em contato comigo pelo Twitter @RenatoSalviano ou pelos instagrams @RenatoSalviano e @boutiquevinhoecia. Vai ser muito legal tirar tuas dúvidas e conhecer suas experiências. Até a próxima!

Renato Salviano – Vinícolas para quem quer fugir do trivial no sul do Brasil

Vinícolas para quem quer fugir do trivial no sul do Brasil
Por Renato Salviano

O sul do Brasil é hoje uma das maiores rotas turísticas do país. A região atrai milhares de turistas por ano, em busca do clima mais ameno, da arquitetura europeia, da culinária e também… do vinho!

É quase impossível você visitar a serra gaúcha e não conhecer uma vinícola. A região é a maior produtora do país para vinhos e suco de uva, mercado que cresce a cada ano.

Nessas viagens, muitos pacotes turísticos são vendidos com visitas às vinícolas já conhecidas pelo público, como Miolo, Aurora e Casa Valduga. Mas se eu posso te dar uma dica, é: fuja desses “roteiros turistão”.

Nada contra as vinícolas mencionadas, bem longe disso! É que tais vinícolas já se tornaram tão turísticas que os roteiros já saem no automático, e você pode perder a oportunidade de ter uma experiência mais incrível em vinícolas menores.

Vinícolas de grande porte têm suas visitações e degustações guiadas por guias turísticos e profissionais treinados, que já tem aquele roteiro pronto para todo mundo. Em vinícolas de pequeno e médio porte você pode ter a chance de ter essa experiência guiada pelo enólogo ou patriarca da vinícola, por exemplo. É bem mais interessante ouvir a história de quem fez parte dela do que de quem apenas estudou para falar sobre, não acha?

Então decidi te apresentar 5 vinícolas para você visitar no sul do Brasil e sair daquele trivial das vinícolas mais turísticas. Bora lá?

1- VINÍCOLA LARENTIS
Degustar um vinho elaborado sob os cuidados de uma tradicional família do setor vitivinícola em cada etapa: é essa a experiência que o visitante terá ao visitar a Vinhos Larentis. Localizada no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, conta com uma linda vista e infraestrutura.

A vinícola apresenta diversas atrações, como degustações guiadas e piqueniques em meio às videiras. Bônus: os membros da família Larentis sempre estão por lá acompanhando as visitas. André Larentis, enólogo, sempre muito solícito e seu avô, vez ou outra passa dirigindo um tratorzinho e cumprimentando os visitantes.

2- VINÍCOLA PECULIARE
Mais uma vinícola familiar, esta comandada por Ronaldo e seus parentes. Conta com vinhos únicos e bem saborosos. A família mora na própria vinícola, onde também há um excelente restaurante e uma pequena pousada com lindas vistas para os vinhedos da propriedade.

As degustações são guiadas pelo próprio Ronaldo, que explica e serve seus vinhos. E seu pai, um senhor muito simpático, está sempre por lá realizando a poda das videiras e proseando com os visitantes, contando a história da vinícola e da família.

3- LÍDIO CARRARO
É quase impossível visitar a Lidio Carraro e não encontrar por lá dona Isabel, matriarca da família. Aliás, é quase sempre ela quem abre a porta do casarão onde antes a família morava, mas que hoje serve de apoio para a vinícola.

Seus filhos Juliano, Giovani e Patrícia quase sempre estão por lá também, e bater um papo e tomar vinho com eles é inevitável. Os vinhos são maravilhosos e a vinícola conta com diversos tipos de degustação.

4- DOM CÂNDIDO
Também no coração do Vale dos Vinhedos, a Dom Candido é mais uma vinícola onde a família proprietária faz parte do dia a dia. Dona Lourdes sempre está presente, fazendo seu tricô e pronta para jogar uns dedos de conversa fora. Seus filhos também estão presentes, muitas vezes guiando as degustações ou apresentando a vinícola aos visitantes.

A vinícola tem uma estrutura linda, e assistir ao por do sol de lá é um espetáculo. Os vinhos são únicos e expressam bem o terroir da região. Dica extra: eles tem um restaurante excelente, com comida saborosa e claro, com todos os vinhos da vinícola à disposição.

5- FAMÍLIA BEBBER
Esta, localizada em Flores da Cunha, é uma delícia de se visitar. Aliás, as visitações e degustações quase sempre são guiadas pelo Felipe Bebber, enólogo e comandante da casa. Os vinhos são espetaculares, por falar nisso!

A vinícola foi toda recém-reformada e hoje em dia conta com um lindo winebar, onde assistir ao por do sol com uma taça de vinho na mão e uma tábua de queijos e antepastos é uma ótima opção.

É isso! Separei apenas 5 vinícolas menores e mais familiares onde você pode ter uma experiência ainda mais completa no mundo dos vinhos!
Quer fazer enoturismo no sul do Brasil? Me chama! Eu te ajudo a montar um roteiro incrível. Você pode entrar em contato comigo pelo Twitter @RenatoSalviano ou pelos Instagrams @RenatoSalviano e @BoutiqueVinhoeCia.
Vai ser muito legal tirar suas dúvidas e conhecer suas experiências. Até semana que vem!

Renato Salviano – Os países que mais consomem vinho no mundo

Os países que mais consomem vinho no mundo
Renato Salviano

O consumo de vinho no Brasil vem crescendo a cada ano. A pandemia, sem dúvidas, ajudou muito a aumentar esse consumo. Trancadas em casa, as pessoas passaram a se permitir experimentar a bebida e a degustá-las em dias comuns, não somente em datas festivas, como muitos associam os vinhos e espumantes.

Mas, o que muitos não sabem, é que o Brasil passa BEM longe de ser um dos maiores consumidores mundiais da “bebida dos deuses”.

A Organização Internacional da Vinha e do Vinho divulgou recentemente dados oficiais sobre o consumo de vinho no mundo no ano de 2021. Neles, os Estados Unidos figuram como maior consumidor e Portugal como o maior consumidor per capta (por pessoa).

Em números absolutos, a “terra do tio Sam” lidera a lista de maior consumidor. Foram 3,3 bilhões de litros, o equivalente a 4,4 bilhões de garrafas (de 750ml) consumidas no ano passado!

A lista é composta ainda França, com consumo de 2,52 bilhões de litros; Itália, com 2,42 bilhões de litros, Alemanha, com 1,98 bilhão de litros, Reino Unido, 1,34 bilhões de litros; Espanha, 1,05 bilhão de litros; China, 1,05 bilhão de litros; Rússia, 1,05 bilhão de litros; Argentina, 840 milhões de litros e Austrália: 590 milhões de litros.

Agora quando levamos em consideração o consumo PER CAPTA, ou seja, quando se divide a quantidade de litros bebidos pelo número de habitantes do país, a lista muda totalmente!

Portugal continua sendo o país com o maior consumo per capta. Foram 51,9 litros de vinho por pessoa consumidos em 2021!! O pódio fica completo com França e seus 46,9 litros per capta, seguida por Itália e 49 litros consumidos por pessoa em 2021. Em décimo, aparece a Belgica, com consumo por habitante de 26 litros/ano.

Mas Renato, e o Brasil nessa história? Apesar de ver seu consumo subindo, nosso país ainda representa uma pequena gota nessa grande garrafa cheia que é o mundo dos vinhos!

Em relação a números absolutos, ocupamos a 13ª posição na lista, com consumo de 410 milhões de litros em 2021. Já levando em consideração o consumo médio por pessoa, o brasileiro bebeu no ano passado somente 1,9 litro. É como se cada habitante tivesse tomado o equivalente a menos de 3 garrafas de vinho por ano!

Maaaas, tenho certeza que nosso consumo interno só tende a crescer. Brasil é um país relativamente novo na produção de vinhos, e somente nas ultimas 3 décadas passamos a ter uma produção de maior qualidade e com tecnologia empregada. Talvez por esse motivo que sua população tem se permitido conhecer e beber mais somente agora. Espero poder voltar aqui daqui a uns anos e apresentar dados bem mais animados.

E você: bebe em média quantas garrafas por ano? Confesso que eu tomo umas 4… POR SEMANA! Hahaha

Você pode entrar em contato comigo pelo Twitter @RenatoSalviano ou pelos Instagrams @RenatoSalviano e @BoutiqueVinhoeCia. Vai ser muito legal tirar suas dúvidas e conhecer suas experiências. Até semana que vem!

5 dicas rápidas sobre harmonização de vinho e comida

5 dicas rápidas sobre harmonização de vinho e comida
Renato Salviano

Oi pessoal, tudo bem? Desde que comecei a trabalhar com vinhos percebi que uma das maiores dúvidas que as pessoas tem é sobre harmonização de comida e vinho. E a dúvida é super válida, tendo em vista que uma harmonização desastrosa pode destruir uma refeição por completo!

Maaaaas, transformar uma simples refeição em uma experiência enogastronômica é super possível se você levar em conta algumas regras básicas de harmonização.

Hoje separei 5 dicas rápidas e práticas para você colocar em prática e não correr o risco de errar na hora de harmonizar.

1-Jamais misture vinho e comida na boca: Ponha a comida, mastigue, engula totalmente e só depois tome seu vinho. A ideia da harmonização não é criar um terceiro gosto juntando comida e vinho na boca, mas sim que cada um se destaque em seu devido momento, não se sobrepondo nem sumindo frente ao outro; você deve sentir em plenitude a comida e depois em plenitude o vinho!

2-A harmonização ideal para queijos são os vinhos brancos: lembre-se da relação de peso: vinhos e comida tem que ter pesos iguais. Neste caso, embora gordurosos, a maioria dos queijos não são tão pesados para bater de frente com tintos. Salvo alguns tipos, que comportam harmonização com o vinho tinto (queijos de cura, por exemplo), procure sempre harmonizar com o vinho branco. MAS, se estivermos falando de uma tábua de queijos, charcutarias e antepastos, a situação pode ser diferente e o vinho tinto passa a ser bem vindo!

3-Cuidado com a relação entre sal, álcool e taninos: evite usar vinhos muito alcoólicos e tânicos com comidas mais salgadas. Álcool e tanino potencializam o efeito do sal na comida, deixando-a com a sensação de mais salgada; o sal, por sua vez, potencializa o efeito do álcool e do tanino, deixando o vinho com sensação mais alcoólica e tânica;

4-Cuidado com vinho e pimenta: assim como o sal, a pimenta vai potencializar álcool e tanino e vice versa. Para comidas apimentadas, dê preferência por vinhos menos alcoólicos e tânicos, com maior acidez e mais frutados;

5-É possível harmonizar bacalhau com vinho tinto: dica para a Páscoa, hein?! Dê preferência por um tinto mais leve, frutado, pouco alcoólico e pouco tânico, afinal o bacalhau é uma proteína branca que foi dessalgada, então devemos levar em consideração a relação sal-álcool-tanino das dicas anteriores bem como a questão de peso entre comida e vinho. Aposte em um Pinot noir: baixo corpo, ótima acidez (para ajudar na untuosidade do prato) poucos taninos e geralmente não muito alcoólico ou até mesmo em um Merlot, desde que seja jovem e sem passagem por madeira.

Gostou das dicas? Conta pra mim qual sua harmonização de comida&vinho favorita!

Você pode entrar em contato comigo pelo Twitter @RenatoSalviano ou pelos Instagrams @RenatoSalviano e @BoutiqueVinhoeCia. Vai ser muito legal tirar suas dúvidas e conhecer suas experiências. Até semana que vem!

8 mentiras que te contaram sobre o mundo dos vinhos – Renato Salviano

8 mentiras que te contaram sobre o mundo dos vinhos
Renato Salviano

Hoje é 1º de abril, o famoso DIA DA MENTIRA, e como em todo lugar, no mundo dos vinhos também temos umas “fake news” conhecidas e que precisam ser desmentidas não só hoje, mas todos os dias.

Separei, dentre diversas mentiras, 8 que são muito comuns e que todo bebedor de vinho, iniciante ou não, já ouviu – e até acreditou. Vamos lá?

1- VINHO PODE SER FEITO DE QUALQUER FRUTA: como TUDO em nosso país, também temos legislação para tratar sobre o vinho! De acordo com a Lei nº 7.678/1988, em seu Art. 3º: Vinho é a bebida obtida pela fermentação alcoólica do mosto simples de uva sã, fresca e madura. Hoje no mercado há vários produtos que utilizam o nome vinho mas que são feitos de fermentados de outras frutas. Embora sejam interessantes e tenham qualidade, todavia, vinho de verdade é somente aquele feito a partir de uvas!

2- VINHO COM VEDAÇÃO DE ROSCA NÃO PRESTA: puro preconceito! Atravessamos uma crise ambiental sem precedentes, e é preciso levar em consideração que a rolha de cortiça é feita de árvores. Portanto, cada vez mais veremos a utilização de vedação por screw cap, ou rosca. Isso não significa que o produto seja de menor qualidade, muito pelo contrário.

3- VINHO BRASILEIRO É MAIS CARO: o Brasil sofre com uma carga tributária monstruosa, porém assim como em qualquer outro país produtor de vinho, temos aqueles baratos (de entrada) e mais caros (ícones das vinícolas). Tenho certeza que em uma degustação às cegas, muitos vinhos nacionais vão dar baile em argentinos e chilenos que a maioria dos bebedores endeusam, e o preço pode ser beeem mais em conta!

4- QUANTO MAIS VELHO, MELHOR: balela! A grande maioria dos vinhos é feita para ser consumida em até 5 anos, o que chamamos de vinhos jovens ou para consumo imediato. Posso te garantir que menos de 10% dos vinhos elaborados no mundo suportam guarda de mais de 10 anos. Portanto, a grande maioria é feita para ser consumida rápida, e não vai melhorar ou ganhar com a idade, pelo contrário!

5- QUANTO MAIOR O % ALCOÓLICO, MELHOR: a qualidade de um vinho é medida por diversos fatores, não só álcool: leva-se em consideração complexidade, intensidade, tipicidade, equilíbrio entre os componentes e persistência. Como você pode ver, a qualidade vai muito além do alto teor alcoólico. Basta observar que muitos dos melhores e mais caros vinhos do mundo não possuem muito grande graduação de álcool.

6- VINHO ROSÉ É PARA MULHER: já passou da hora de achar que vinho rosé é vinho para mulheres. Primeiro que vinho de mulher é aquele que ela quiser; segundo, que vinhos rosés podem ser complexos e muito bem elaborados, agradando a todos os gêneros. Chega de achar que um tipo de vinho é específico para um determinado público.

7- OS MELHORES VINHOS ESTÃO NAS MAIORES E MAIS PESADAS GARRAFAS: posso falar? Na maioria das vezes isso é uma jogada de marketing para que você pense exatamente isso é pague a mais pelo produto. É inegável que garrafas mais pesadas são mais caras e, portanto deixam o produto final com um custo maior. Porém, isso não significa que o vinho terá muita qualidade. No mercado, tem muito vinho de 150 reais bem melhor que alguns de garrafa pesada vendidos a 500 reais. Fique atento!

8- VINHO NÃO É BEBIDA PARA O DIA A DIA: essa é uma das maiores mentiras. Muito além de uma bebida para ocasiões especiais, vinho pode ser bebido a qualquer momento: uma tarde ensolarada, um dia chuvoso, no meio da semana com uma pizza despretensiosa. Basta você saber escolher o vinho certo! E nisso, eu posso e quero te ajudar!

E você? Já caiu em alguma dessas mentiras? Conhece outras? Me conta!!

Você pode entrar em contato comigo pelo Twitter @RenatoSalviano ou pelos Instagrams @RenatoSalviano e @BoutiqueVinhoeCia. Vai ser muito legal tirar suas dúvidas e conhecer suas experiências. Até semana que vem!