As floristas de Manoel Costa

Óleo sobre tela da série “As floristas” do o pintor e escultor amapaense nacional e internacionalmente Manoel Costa  – que há muitos anos mora no Rio de Janeiro.
“Muitos me perguntam em que me inspirei, para criá-las. Minhas floristas, são uma homenagem as mulheres trabalhadoras da lavoura, do campo e da vida. De tanto pintá-las, em seu trabalho exaustivo, resolvi dar uma leveza e descanso”,  diz ele.  E completa: “Por trás de tanta beleza, existe o sacrifício de uma vida, pela dignidade e sobrevivência. Não me importo que usem como referência, me sinto lisonjeado. Para mim, é como se mais e mais mulheres, estivessem se libertando para uma vida nova, cheia de beleza e amor”.

Banda da Guarda Municipal faz apresentação nesta sexta no Mercado

A Banda de Música da Guarda Civil Municipal de Macapá fará uma apresentação especial nesta sexta-feira, 24, no Mercado Central. A programação iniciará às 17h com a banda completa, que tem em sua formação instrumentos de metal, palhetas, percussão e elétricos como baixo guitarra e violão.

A banda começou suas atividades em 1999, na gestão do prefeito Anibal Barcellos, criada para tocar hinos, marchas e canções nos eventos solene, religiosos, cívicos e escolar.

(Cássia Lima)

Obras de Ralfe Braga no Mercado Central

Quem visitou o novo Mercado Central desde sua reabertura pôde perceber que, além de ampliado, revitalizado e moderno, o espaço conta com obras que retratam símbolos da cultura amapaense, como o Marabaixo e Batuque. São painéis em tons vibrantes que estão expostos na área interna do mercado, reaberto na última semana pela Prefeitura de Macapá.

Tanto os painéis, escultura e identidade visual foram assinados pelo  artista plástico e publicitário  Ralfe Braga, amapaense reconhecido internacionalmente. Suas artes são cheias de energia e tonalidades exuberantes. Segundo ele, as obras dentro e fora do mercado são inspirações que refletem exatamente as questões históricas e estéticas do local, que trazem as cores vivas da Amazônia e cultura do Amapá. Ele tem obras espalhadas por todo Brasil. Depois de Brasília, os seus maiores painéis são os de Macapá no mercado, que tem grande referência histórica e cultural.

O Marabaixo foi reconhecido Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por ser uma forma de expressão que reúne referências culturais vivenciadas e atualizadas pelos amapaenses, fundamental para a construção e afirmação da identidade cultural negra brasileira. Assim foi retratado dentro do mercado.

Segundo Ralfe Braga, a criação começou com um convite. “Recebi o convite e já comecei a pensar sobre e como um amapaense genuíno iria retratar nossa cultura. Depois de muita pesquisa, recebi em meu ateliê, em Brasília, a Laura do Marabaixo, que me deu informações preciosas. A partir de então resgatei todas minhas raízes que podem ser observadas nos painéis. Vale ressaltar o empenho da gestão, do prefeito Clécio, em valorizar a nossa arte local. Ter obras  no mercado é um dos meus principais cases que irá compor meu portfólio”, explicou emocionado.

Curiosidades
A escultura que está bem em frente ao mercado tem as cores da bandeira do município de Macapá e também foi criada por Ralfe. Como o artista frisa, a primeira coisa que se busca na concepção de uma obra artística são símbolos, marcas, objetos que tenham uma simbologia para o projeto. “Eu, visitando certa vez aqui e estudando a concepção do projeto, olhei para cima e percebi que havia uma roseta na fachada, e essa roseta me chamou atenção desde criança. Quem criou ela usou esse símbolo que se usava muito na arquitetura da época, pois sua criação foi em 1953. É uma marca registrada da própria arquitetura, nada mais justo, óbvio e mais natural do que usar essa roseta como marca e símbolo do mercado, que está representado na escultura”, explicou o artista.

O novo Mercado Central foi revitalizado com recursos de emenda parlamentar do senador Randolfe Rodrigues, no valor de R$ 2,5 milhões, e mais R$ 1,2 milhão de contrapartida do Município de Macapá.

(Texto: Lilian Monteiro – Fotos: Rafael Oliveira)

Espetáculo Novo Amapá será apresentado dia 25 no Teatro das Bacabeiras

Para marcar os 39 anos da Tragédia do Novo Amapá. A CIA Super Nova  traz um novo olhar sobre o maior naufrágio fluvial da história brasileira, o espetáculo acontecerá sábado, 25, no Teatro das Bacabeiras, a partir das 20h.

A peça é apresentada desde 2012 pela CIA SUPERNOVA que traz uma visão artística  e poética.

A montagem é baseada no texto “Triste Janeiro” do jovem ator e dramaturgo Joca Monteiro,  que através de poemas homenageia  os envolvidos naquele acontecimento.

Além da poesia, a peça tem influência da dança e do teatro físico. Ela conta ainda com inserção de vídeos e é construída por meio de diversos processos de experimentações artísticas coletivas.

Na peça o público terá contato com os sonhos e encantos da infância onde o “puc puc puc” do barquinho de miriti dá ao homem o prazer da libertação e as águas tornam-se a porta para descobertas.

*Acidente*
O acidente ocorreu no dia 6 de janeiro de 1981 no Rio Cajarí (proximidades da fronteira entre o Estado do Amapá e Pará) quando a embarcação  naufragou deixando mais de 600 vítimas.

*Ficha Técnica*
Direção e Produção: Marina Beckman
Texto: Joca Monteiro
Direção de Arte e iluminação: Paulo Rocha
Sonoplastia: Otto Ramos

Elenco:
Jhimmy Feiches
Hayam Chandra
Pedro Inajosa
Fernanda Amaral
Maria Rosa
Luz Magalhães
Márcia Fonseca

Serviço
Espetáculo “Novo Amapá”
Data: 25 de janeiro (sábado)
Local: Teatro das Bacabeiras
Hora: 20h
Ingressos: 10,00(inteira) / 5,00 (meia)
Classificação: Livre

(Texto e foto: Assessoria de comunicação)

Os timbres e temperos de Enrico, Patrícia Bastos e Joãozinho

De bem com a vida e curtindo a natureza os renomados compositores e cantores Enrico de Miceli, Patrícia Bastos e Joãozinho Gomes curtiram a chegada do Ano Novo na beira do rio e aproveitaram para selar mais uma parceria. Trata-se do CD  “Timbres e Temperos”.
“Isso nos possibilita  fazermos uma clara e verdadeira homenagem – com a bênção luminosa das duas – as amadas Lulhi e Lucina, cantoras e compositoras muito importante na vida de cada um de nós, assim como na bela e rica história da música popular brasileira,  por isso o título Timbres e Temperos,  do mesmo modo que nos possibilita a consolidarmos a nossa esmerada e amorosa parceria“, explicou Joãozinho Gomes.

(Foto: Nayana Magalhães)

Obra de arte

Obra: Olhar Magnífico, Olhar da Dança..
Artista: Abmael Art
Esta obra faz parte da exposição 1° Amaparte, dos artistas Ivan Amanajás e Abmael Art, aberta sexta-feira e que vai até o dia 22 na Biblioteca Pública Elcy Lacerda.

Mostra de dança Chronos, a máquina

A 27ª Mostra de Dança do Serviço Social da Indústria (SESI) do Amapá proporcionará ao público uma viagem no tempo, mostrando grandes acontecimentos que contribuíram para a evolução da sociedade. Com o tema “Chronos, a máquina”, o evento contará com 14 apresentações de dança e três musicais, no dia 5 de dezembro, às 19h30, no Teatro das Bacabeiras. Os ingressos (R$ 15) já estão à venda no setor de atendimento do Sesi.

A Mostra tem o objetivo de estimular a prática da dança como expressão artística, contribuindo para o crescimento cultural do estado, além de melhorar a qualidade de vida por meio da adoção de um estilo saudável. Este ano, o espetáculo contará com a participação da Banda de Percussão do SESI, apresentações nas modalidades de dança contemporânea, jazz e danças urbanas, além de participações de outras escolas convidadas.

Sexta-feira tem diversão, arte, cultura e gastronomia no Luau na Samaúma

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AP) e a Prefeitura Municipal de Macapá (PMM), promove a primeira edição da terceira temporada do Luau na Samaúma. O encontro multicultural está marcado para sexta-feira (11), a partir das 17h, na Praça Samaúma, em frente à Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco. A iniciativa aquece a economia local e estimula a ocupação, pela comunidade, dos ambientes públicos com lazer, cultura e segurança.

O espaço será tomado por poesia, gastronomia, exposições de arte, intervenções artísticas, literatura e contará com uma vasta programação, além de apresentações musicais.

 

O público também poderá usar o estacionamento da sede campestre da Maçonaria, em frente à Praça Samaúma, e o entorno do local para estacionar seus automóveis. Porém, a organização aconselha que as pessoas procurem de deslocar de taxi, transporte por aplicativo ou carona (em que o motorista não vá beber), pois curtir com segurança é sempre a melhor opção.

Programação:

– Contação de História com o Proler (SEMED) e Arte Educadores da Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá e Município de Macapá;
– Discotecagem – Selecta Branks
– Banda da Guarda Civil Municipal de Macapá (GCMM)
– Cortejo Produções Artísticas
– Companhia de Dança Aguinaldo Santos – Corpo & Movimento
– Bebeto Nandes
– Sabrina Zahara
– Osmar Júnior
– Afro Brasil

Arte local

Haverá ainda comercialização de artesanato, com a Feira Afro e “Projeto Mulheres que Fazem”, do Instituto Municipal de Política e Promoção de Igualdade Racial (Improir) e Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres; Tenda Literária com exposição e comercialização de livros e declamações poéticas por integrantes da Associação Literária do Estado do Amapá (Alieap).

As exposições de arte serão assinadas pelas galerias Samaúma e Trokal; além de vendas de comidas típicas e foodtrucks; exposição e comercialização de discos de vinil do Lado B; exposição de objetos antigos; distribuição de mudas de plantas pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam); simulador de impacto da CTMAC; Feira de produtos do campo (Sebrae) e oficinas de minichefs (Sebrae).

SERVIÇO:

Luau na Samaúma
Data: 11 de outubro de 2019
Hora: a partir das 17h
Local: Praça da Samaúma, em frente à Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, na Rua do Araxá

(Elton Tavares e Vanessa Albino/Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá)