Nosso jeito de falar

O amapaense tem um jeitinho especial de falar, algumas palavras e expressões podem não ser entendidas por quem nunca andou por essas bandas.
Em abril de 2008 postei no meu antigo blog  um mini-dicionário de palavras, expressões e gírias amapaenses, que republico hoje aqui.
Afudega – afoba, apressa.
Ex:Nem te afudega que o show vai começar com atraso.
Amassa – aperta, tecla
Ex: Amassa nesse botão pra ligar o som.
Arreda aí – Afasta; dá licença
Ex: Arreda aí que que quero passar; Arreda esse sofá .
Bazuca – goma de mascar, chiclete
Ex: Me dá o troco em bazuca
Bora lá – Vamos lá.
Ex: Bora lá no shopping
Carapanã – mosquito
Ex: É nos meses de maio e junho que os carapanãs da dengue fazem a festa em Macapá.
Cabuçu – caipira, matuto
Ex: Aquele cara é muito cabuçu.
Bombom – bala
Ex: Agora até nos ônibus nos passam o troco com bombons
Cruzeta – cabide
Ex: Maria, coloca essa camisa na cruzeta
Embrulhar – cobrir com lençol.
Ex: Embrulha essa criança que está fazendo frio.
Engilhado – enrugado
Ex: Credo! Esse papel tá todo engilhado
Eras! – Eu, hein!
Escangalhar – quebrar, ficar com defeito.
Ex: O meu carro escangalhou.
Filho de pipira – pessoa que vive pedindo.
Ex: Esse menino pede mais que filho de pipira.
Gala seca – idiota, imbecil, otário
Gito, gitinho – pequeno
Ex: Esse sanduíche tá muito gitinho
Lá embaixo – no centro comercial
Ex: Sábado eu vou lá embaixo fazer compras.
Mato – interior.
Ex: Vamos passar o feriadão no mato.
Menta – qualquer balinha que provoca ardor ou frescor, tipo halls
Merendar – lanchar
Ex: Eu merendei um pastel com garapa (garapa é suco de cana)
Osga – lagartixa
Pão careca – pão francês
Papagaio – pipa. Empinar papagaio: soltar pipa.
Ex: Agora só dá pra empinar papagaio na praça. Na rua tá perigoso
Rapidola – rápido, sem demora.
Ex: Eu leio esse livro rapidola.
Torar – cortar ou quebrar.
Ex: Tora esse pão no meio pra nós

Égua, já leu e aprendeu tudo? Calma, eu não estou te xingando. “Égua” é uma das palavras mais usadas no Pará e no Amapá.
Serve para exprimir uma variedade de sentimentos, como explica o professor e jornalista Ivan Carlo: “Égua – essa é, depois de deveras, a única palavra brasileira que pode ser usada em qualquer situação. Você pode usar égua para expressar dor, tristeza, alegria, admiração, espanto e até mesmo enfado. Se, por exemplo, passar pela sua frente uma morena jeitosa, você pode exclamar deliciado: “Égua!”. E não se preocupe que ela não vai achar que você está chamando-a de eqüina. Se, por outro lado, descer um disco voador no seu quintal, não pense duas vezes. Grite: “Égua!”.
Achou tudo isso pai d’égua (legal, bacana)? Então qualquer dia tem mais.

Exposição, poesia e batuque no Museu nesta quinta-feira

Desde ontem – e vai até sexta-feira – o  Museu Sacaca está realizando uma extensa programação cultural alusiva aos 261 anos de Macapá, comemorado no dia 4 de fevereiro.

O evento ocorrerá dentro do Museu com entrada franca e conta com diversas atividades, todas com temáticas referentes à cidade de Macapá.

Confira a programação desta quinta-feira  (7/2)
Hora: 9h as 17h
Local: Auditório, Casa de Vidro, Casa de Leitura e Praça de Alimentação no Museu Sacaca
Eventos:
– Exposição Galeria Arteamazon e Artesanato
– Exposição Fotográfica Macapá Antiga;
– Mural de Poesias
– Recital de Poesia
– Árvore da Poesia

Hora: 9h
Local: Praça das Etnias – Museu Sacaca
Evento:
– Apresentação do Grupo de Batuque Raízes do Bolão

Obra de arte

Óleo sobre tela de R.Peixe
Casarões e a casa da pianista Walkiria Lima e seu filho poeta Isnard Lima na avenida Mário Cruz.Esta obra faz parte do acervo do sociólogo e escritor Fernando Canto

249 anos – Homenagem do senador Randolfe a Mazagão Velho

Mazagão Velho comemora hoje 249 anos e a palavra é gratidão.
Um povo guerreiro que forjou nossa história. Como historiador, me sinto na obrigação de relembrar que em 1770, a vila de Nova Mazagão foi fundada por Dom José I, o rei de Portugal. Os primeiros habitantes da vila eram imigrantes portugueses, vindos da cidade africana de Mazagão.
Hoje é conhecida por Mazagão Velho e fica a aproximadamente 70 quilômetros de Macapá, conhecida pelas festas tradicionais e religiosas. A maior delas, a Festa de São Tiago, que vocês já devem saber e se não conhecem fiquem atentos que esse ano a deve ser bonita de novo, no mês de julho.
No nosso mandato destinamos cerca de R$2,5 milhões emendas para desenvolvimento do município.
Parabéns, Mazagão!
Senador Randolfe Rodrigues

Confira a programação do Dia do Quadrinho

No próximo sábado, 26, os amantes de quadrinhos estarão reunidos na Biblioteca Elcy Lacerda numa vasta programação em comemoração ao Dia do Quadrinho.

Confira o que vai rolar por lá:
14h – Abertura (auditório)
Exposição dos originais de Joe Bennett (sala de processamento técnico)
15h – Contação de história no auditório.
RPG (saguão)
Swordplay (área verde)
16h – Bate-papo com Messias e Israel Guedes sobre quadrinhos no Amapá e publicação independente.
17h – Palestra com o Gian Danton sobre história do quadrinho nacional.
Escape Game (sala de informática)
18h – Quiz sobre Quadrinhos Nacionais no auditório.
A partir de 18h30 – Exibições de filmes relacionados aos quadrinhos nacionais.
15h30 até 17h – Oficina de desenho (sala de informática)

Evandro Milhomem vai assumir a Secretaria de Cultura

Ex-deputado federal Evandro Milhomem foi convidado e aceitou o cargo de secretário de Estado da Cultura, mas a posse deve ocorrer só em fevereiro, depois do aniversário de Macapá.
A escolha – que foi pessoal do governador Waldez Góes – foi aplaudida por artistas de vários segmentos culturais.  O músico Fineias Nelluty, por exemplo, considerou acertada a escolha  por se tratar de uma pessoa que além de ter boa relação política em Brasilia para pleitear recursos para a pasta conhece cada artista, cada manifestação cultural de nosso estado”
O
artista plástico Wagner Ribeiro, acredita que Milhomem saberá conduzir com responsabilidade a Secretaria de Cultura.”
Até um ex-secretário da Cultura, Luiz Pingarilho, aprovou a escolha. “Milhomem é o nome certo pra essa pasta. Acho que o governador Waldez acertou em cheio. A cultura será resgatada em nosso Estado“, disse ele.
Atualmente a Secretaria de Cultura é comandada por Dilson Borges, irmão do ex-senador Gilvam Borges (MDB). O grupo dos Borges rompeu com Waldez Góes durante a campanha eleitoral e assim foi perdendo os espaços que tinha no governo.

E por falar em cultura…

Dentre as vinculadas à Secretaria de Estado da Cultura, a Biblioteca Pública Elcy Lacerda foi a que mais se destacou nos últimos anos.
Com uma administração dinâmica e inovadora, a Biblioteca promove encontro com escritores, lançamentos de livros, exposições de artes plásticas, exposições fotográficas, cursos de xadrez, apresentação de grupos de dança, contação de histórias e palestras sobre os mais variados temas.
A Biblioteca virou um ponto de encontro – não apenas de leitores e pesquisadores, mas de artistas, produtores culturais e amantes das artes. Diariamente centenas de pessoas vão aquele local já chamado de “Templo da Cultura”.
É um ambiente muito agradável, com funcionários simpáticos, educados e prestativos. E a sala do gerente nunca está de portas fechadas. José Pastana, o gerente, faz questão de manter aberta a porta de seu gabinete e sempre tem um cafezinho por lá.

Tomara que o Milhomem ao assumir a Secretaria de Cultura não invente de mudar a gerência, mas sim dar mais estrutura para a Biblioteca. Tomara. Tomara.

Barco da Leitura – Iniciativa da prefeitura de Macapá que merece aplausos

A Prefeitura de Macapá realizará a primeira viagem do Barco da Leitura, que promoverá o fomento da leitura e cultura em comunidades ribeirinhas do município. A primeira visita será à comunidade de Carapanatuba, nesta quarta-feira, 19, com partida às 23h desta terça-feira, 18, da rampa do Santa Inês. A viagem irá levar uma programação lúdica, com contação de histórias, pintura de rosto, oficina de bexigas, cinema e muitos livros para os alunos da rede municipal e toda a comunidade da região.

Menina de 7 anos lê 25 livros em um ano

Fernandinha tem apenas 7 anos e feito gente grande tem um imenso amor pela leitura.
Ela cursa o 1° ano do fundamental e aprendeu a ler este ano. E  – pasmem! – leu nada menos que 25 livros no decorrer do ano. Isso lhe valeu o diploma de Leitor Destaque conferido pela escola.
“Desde o início do ano  era uma briga quando eu esquecia de colocar a carteira da biblioteca na mochila dela no dia da turma dela pegar livro na sala de leitura. E ela sempre ficava triste se por alguma razão não conseguisse pegar”, conta a mãe, psicóloga Adriane Cavalcante.

Fernandinha com os pais Elielson e Adriane

O incentivo à literatura vem desde que Fernandinha era bebê. Os pais, Adriane e Elielson, liam pra ela antes de dormir. “É um hábito que temos até hoje. Depois que ela cresceu ela começou fazer de conta que lia repetindo as histórias que eu lia pra ela”, diz Adriane.
E hoje lê de verdade – e muito –  e conta. Seus livrinhos preferidos são os de histórias de princesas aventureiras, como A pequena sereia, Barbie e a super princesa.
Fernandinha é neta do saudoso poeta e jornalista Alcy Araújo.
Melhor presente pra ela? Um livro, claro.