Relendo

Estou relendo “Retalhos e Linhas“, da poeta, cronista, contista e professora Deusa Ilário lançado em março de 2012.
Com prefácio do professor, músico e poeta Orivaldo Souza e capa de Ana Maria Barbosa e Márcio Wendel, o livro tem 284 páginas impregnadas de lirismo, ternura e amor.
Sou um pouco de flor, sou um pouco de pedra, sou relva e sou selva”, define-se a poeta.  Sobre Deusa, a professora Maria  José Costa da Silva – que assina a orelha do livro – diz: “Essa doce mulher é a própria poesia no corpo, na alma.” É verdade. Deusa é pura poesia, é maré cheia de versos, é chuva de lirismo.

Quem lê Retalhos e Linhas faz uma viagem em uma canoa. cujo remador tem habilidade, sensibilidade, carinho e desejo de sempre manter o remo no lugar certo, de modo que as águas que navegamos, enquanto leitores, estão sempre tranquilas. ternas como se tivessem, e estão cuidando de todas as vidas embarcada nesta canoa”, ressalta Orivaldo no prefácio.

 

Livro que recomendo

A poesia amapaense carrega uma singularidade: seus artífices têm mais que lápis e papel para escrevê-la, eles escrevem-na com os raios do Sol equatorial e com a chuva de prata que a Lua provoca no barro seco dos lagos e no leito do Rio Amazonas, que portentoso mata a sede e banha os poetas. E assim, eles, os poetas, marcam seus poemas com ações políticas, desconforto com o preestabelecido, sem perder a ternura, a sensibilidade e o arrojo da pororoca. Leão Moyses Zagury, um coração amapaense radicado no Rio de Janeiro, é um desses poetas que, ao perceber a força transformadora de um poema e vagando nas nuvens que se unem ao rio-mar, fez uso dos instrumentos que lhe ocupavam as mãos para exprimir a força de sua alma sonhadora com um mundo justo, alegre e agregador. O poeta busca novidade para um despertar contra a impunidade que “faz vítimas” e “derrama lágrimas inocentes”. É aí que se pode ver seu descontentamento com a política dos homens que se esquece dos menos aquinhoados. E lembra que os empréstimos ao homem concedidos hão de ser saldados, pois que somos “criaturas em crescimento espiritual”. Ao receber o convite de Leão para escrever o texto da contracapa de seu livro, senti um orgulho desmesurado varrer-me o coração, mas, ao mesmo tempo, senti o peso da responsabilidade. De qualquer sorte, o importante é a poesia de Leão, que posso afirmar ter em sua verve a compaixão dos espíritos iluminados e dignos da atenção de seus semelhantes. O livro de Leão vai além de um conjunto de poesias – é a dor, a alegria, a homenagem e a alma descritas em rimas construídas com sensibilidade e amor.
Ernâni Motta de Oliveira – Jornalista e amapaense

O livro foi lançado em 2015 e pode ser adquirido na Livraria Asabeça aqui

Ruínas da Consciência – o novo livro de Rodrigo Domit

No próximo sábado, 22/09, a partir das 16h, será realizado o lançamento do livro de poemas Ruínas da Consciência (Editora Patuá), no Patuscada – Livraria, bar & café, na Rua Luiz Murat, 40, Vila Madalena, São Paulo, SP.
Se você mora em outra cidade, estado ou país, pode adquirir o livro pelo site da editora: http://bit.ly/ruinasdaconsciencia

Fátuo
Rodrigo Domit

Cada amor
um barco à deriva

guiando-se
pelo brilho
de estrelas

que ninguém sabe

se ainda existem

Cabaré dos Bandidos

Escritor paraense Salomão Larêdo relança importante romance de crítica social: Cabaré dos Bandidos.
Publicado originalmente em 1989 como “Guamares: Cabaré dos Bandidos”, será relançado no dia 13 de setembro, na livraria Fox, em Belém, agora com o título invertido “Cabaré dos Bandidos: Guamares”

O Guamá é um bairro conhecido em Belém, no Pará, por apresentar problemas universais das periferias brasileiras: habitação precária, falta de saneamento básico, pouca infraestrutura de saúde, educação e transporte. Nesse microcosmo o escritor paraense Salomão Larêdo imergiu para escrever “Guamares: Cabaré dos Bandidos”, lançado originalmente em 1989, como uma crítica social. Agora, quase 30 anos depois, o título será relançado pela editora Empíreo, no dia 13 de setembro, às 17h, na livraria Fox, na capital paraense. A entrada é gratuita. Continue lendo

Promotora de Justiça Ivana Cei lança hoje seu livro sobre execução de TAC para melhorar a qualidade de vida

Livro relata experiência de execução de TAC para melhorar a qualidade de vida a partir do gerenciamento de resíduos sólidos

A obra “O município de Macapá e o Gerenciamento de Resíduos Sólidos – Termo de Ajustamento de Conduta” é resultado de uma pesquisa científica feita para a dissertação de Mestrado em Direito Ambiental e Políticas Públicas, da promotora de justiça Ivana Lucia Franco Cei, baseada na experiência do TAC do Resíduo Sólido. O livro será lançado nesta quarta-feira, 7, e também disponibilizado no mercado para quem tem interesse em se aprofundar no assunto que levou à transformação do antigo lixão à céu aberto em aterro sanitário, na comunidade de Ilha Redonda, Continue lendo

Livros recomendados para começar bem o ano

No Facebook pedi aos meus amigos (poetas, professores, jornalistas, artistas) que amam ler   que dentre os livros que leram em 2017 indicassem os melhores ou que mais gostaram para serem lidos neste comecinho do ano novo.

Veja (e leia) os livros recomendados por eles:

Crime e castigo – Dostoiéviski , ainda estou lendo , mas é intrigantemente interessante.(Charles Quaresma Quaresma)

O Velho e o Mar de Ernest Hemingway (Luiz Eduardo Cantuária)

 

Terra Sonâmbula, do escritor moçambicano, Mia Couto (Carlos Alberto Lobato)

Biografia da atriz Jane Fonda. Instigante, profundo. Ela conta com riquezas de detalhes sua vida desde a infancia e como se tornou atriz. Mulher forte e cheia de ideais. Me surpreendeu! (Alice Valena Chagas)

Creio que li uns 25 livros ano passado, mas recomendo estes três: “Breve História de Quase Tudo, de Bill Bryson; “Neve de Primavera”, de Yukio Mishima e “Naufrágios”, de Akira Yoshimura – sendo estes dois últimos da fascinante literatura japonesa. (Paulo Tarso Barros)

O poder do hábito. Uma análise interessante é científica sobre o porquê nos propomos a fazer coisas de forma diferente e nunca mudamos de fato. (Rafael Guedes)

A Amante do Oficial. Excelente. (Bernadeth Farias)

Amor Eterno. Meditação da Mulher, de Carolyn Rathbun Sutton. Mama Guga – Contos da Amazônia Fernando Canto (Solange Sussuarana)

 

“Floresta do meu exílio” João Alberto Capiberibe (Luiz Pingarilho)
Maktub” de Paulo Coelho e “O vendedor de sonhos de Augusto Cury e Canto das migrações de Ronilson Medeiros. (Ronilson Medeiros)
A Série André Luís Psicografia do Chico Xavier. Começando pelo Nosso Lar! (Luiz Antonio Ferreia Maranhão)

O Homem que Amava os Cachorros (Amoras Amoras)

 

A Espiã  e Mulheres de Cabul (Celisa Melo)

 

 “Psica” do paraense Edyr Augusto (Josiane Fer)

 

100 anos de solidão (Paulo Zab)
 
Recomendo não um livro especialmente, mas o conto “O Passarinho”, de Paulo Tarso Barros. É maravilhoso! . Está no livro didático que escrevi e se transformou no meu conto favorito!! (Mary Cruz)

Quando a Justiça Não Quer Ver, de Armindo Souza. (Publicação Amapaense) (Rute Xavier)

 

Fora os de poesias do Amapá…alguns na internet…Um deles chamou a atenção por sua questão filosófica: Qual o valor de algo considerado por muito como algo inútil…o livro chama-se “Utilidade do inútil Um manifesto: De autoria de Nuccio Ordine. 2016 (FLavio Vidigal Guimarães Vidigal Guimarães)

 

Cartas de um Diabo à seu aprendiz/ C.S. Lewis (Dekko Matos)

 

Do início ao fim do ano, MEMÓRIAS DE ADRIANO (Mario Jucá)
SAPIENS-Uma breve historia da humanidade de Yuvay Noah Harari (Inake Malheiros)
E você, querido leitor do blog, que livros recomendaria? Qual destes você já leu?

Já leu?

Qual destes livros você já leu ou gostaria de ler? Diz aí na caixinha de comentários.
Diz também quantos livros você leu este ano, qual  está lendo agora e qual você gostaria muito de ler ou reler e não encontrou. Pode ser que alguém lendo seu comentário resolva de te dar de presente de fim de ano.

Mama Guga

Sociólogo e escritor dos mais respeitados, Fernando Canto lança domingo na Praça Floriano Peixoto seu mais recente livro de contos: Mama Guga. O lançamento faz parte da programação Arte na Praça, da Prefeitura de Macapá, em comemoração ao Dia da Cultura.
O livro  foi lançado em maio em  Belém (PA) na XXI Feira Panamazônica do Livro e em agosto em Oiapoque (PA)

Jango e eu – Memórias de um exílio sem volta

A convite do senador Randolfe Rodrigues, João Vicente Goulart, filho do ex-presidente João Goulart, lança nesta sexta-feira, 27, em Macapá o livro “Jango e eu – Memórias de um exílio sem volta” e participa de uma roda de conversas com leitores. O evento será na Livraria Leitura (shopping Amapá Garden) e começa às 19h.

Editado pela Ed.Civilização Brasileira, em “Jango e eu” João Vicente conta como era o dia a dia do pai nos doze anos de exílio, desde que foi deposto da Presidência, em 1964, até sua morte, em dezembro de 1976. E narra com detalhes os encontros de Jango com políticos e  personalidades da cultura. Nas 350 páginas, João Vicente aborda também assuntos particulares, como a crise no casamento de Jango e dona Maria Thereza.

O livro concorre ao cobiçado prêmio Jabuti de Ouro.
Num bate-papo super animado eu, senador Randolfe e João Vicente certo dia por aí
Não irei ao lançamento, pois data e horário coincidem com minha posse na Academia Amapaense de Letras. Mas desejo todo sucesso.