Carnaval 2020

Lizete Jardim e Gilberto Alves – contrato assinado

Acabou a especulação. Ontem, quinta-feira, a presidente da Liga das Escolas de Samba, Lizete Jardim, e o representante da empresa Stoptodde, Gilberto Alves, assinaram o contrato de cessão dos direitos de execução e exploração comercial do desfile oficial das escolas de samba do Amapá 2020, que acontecerá nos dia 21 e 22 de fevereiro 2020.

Outras empresas estavam interessadas na comercialização, mas a melhor proposta feita à Liga foi mesmo da Stoptodde.
Houve trairagem, tentativa de puxar o tapete, mas prevaleceu o que é melhor para o carnaval.

Carnaval 2020 – Prefeitura lança edital nesta segunda

Gestores municipais e presidentes das escolas de samba reuniram sexta-feira, 8, para tratar do carnaval 2020.  Das dez escolas apenas Solidariedade não compareceu. No encontro, foi definido que nesta segunda-feira, 11, será lançado o edital que garantirá recursos financeiros para a realização do desfile das escolas tanto do grupo especial como do grupo de acesso. Para ter acesso aos recursos que serão disponibilizados pela gestão municipal, as agremiações deverão se credenciar por meio do edital. Terão que apresentar seus projetos e a prestações de conta.

Segundo o secretário de Gabinete, Sérgio Lemos, o Município soma esforços para o resgate da festividade no município. “O resgate do carnaval de Macapá é apoiado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre e pelo prefeito Clécio Luís, que se colocaram à disposição para ajudar as agremiações. Estamos dispostos a realizar o evento da melhor forma possível e devolver à sociedade essa festa cultural, que é carnaval”.

O último desfile de escolas de samba em Macapá foi em 2015. Por falta de apoio oficial desde 2016 não há desfile.

Reveja o último desfile das escolas de samba clicando aqui

Carnaval – IV Encontro de Casais de Mestre Sala e Porta Bandeira

O IV Encontro de Casais de Mestre Sala e Porta Bandeiras no Meio do Mundo será realizado nos dias 5, 6 e 7 de setembro e é composto de workshop sobre o quesito em questão que será ministrado pelos consagrados Selminha Sorriso e Claudinho (Beija-Flor) e Marcella Alves e Sidclei Santos (Salgueiro).

Os trabalhos serão realizados na quadra da Escola Estadual Azevedo Costa, no Bairro do Laguinho. A culminância se dará no dia 7  a noite com a entrega dos certificados para os participantes e a entrega do 1° Prêmio Maria Lina e Falconeri (primeiro casal se mestre sala e porta bandeira do carnaval amapaense e pertencentes à Boêmios do Laguinho). A parte artística será constituída se apresentação dos casais que participarão do workshop dos casais ministrantes, apresentação da bateria show AP e show do sambista Celsinho Mody, intérprete das escolas de samba Paraíso do Tuiuti (RJ) e Acadêmicos do Tatuapé (SP).
A coordenação do evento desde a sua primeira edição é da porta bandeira Alessandra Azevedo.

(Texto: Célio Alício)

Reveja o último desfile das escolas de samba do Amapá

Há 3 anos, por falta de apoio oficial, não há desfile das escolas de samba no Amapá.
Sem o desfile das escolas de samba o carnaval amapaense perdeu o brilho. A quadra momesca fica mais sem graça que tamuatá sem sal. Né não?

Para matar a saudade, reveja (clicando nos links) o último desfile

Maracatu da Favela

Piratas da Batucada

Boêmios do Laguinho

Cidade de Macapá

Unidos do Buritizal

Piratas Estilizados

Solidariedade

Império do Povo

Império da Zona Norte

Outros carnavais

Quer  ver fotos, notícias, bastidores e tudo que rolou nos últimos anos no carnaval do Amapá?
Simples. Tem tudo aqui no blog.
Clique em Categorias.
Aberta a lista de categorias basta clicar em carnaval (escolha o ano ou anos) e terá acesso a todo o arquivo.
Clica e mata a saudade vai.

Saudade das batalhas de confetes da Confraria Tucuju

Era ali no Largo dos Inocentes que todo mundo se encontrava e brincava com segurança nas batalhas de confetes da Confratia Tucuju.
Era  espetáculo de alegria, luzes, cor, marchinhas de carnaval, confetes e serpentinas.
E a organização era  nota 10.
Por falta de patrocínio as batalhas deixaram de ser realizadas nos últimos anos.

Culto ecumênico e samba nos 64 anos de Boêmios do Laguinho

A Universidade de Samba Boêmios do Laguinho festeja dia 2 de janeiro, a partir das 20h, os 64 anos de fundação da agremiação que terá como temática Show “Tributo a Malandragem”. O evento será realizado no Theatro do Samba, sede da agremiação no Laguinho.

Para o presidente da agremiação, Fernando Canto, a festa do dia 2 representa a consolidação das tradições da Nação Negra. São 64 anos de Carnaval e paixão pela cultura,  que tornou a Universidade de Samba Boêmios  do Laguinho a maior agremiação  carnavalesca do Estado do Amapá e a maior vencedora dos desfiles oficiais.

“Embora o Carnaval não venha tendo o apoio que merece  por parte dos órgãos oficiais, nunca deixaremos de fazer alguma coisa por ele, visto o mesmo estar entranhado no coração de cada membro da comunidade”, disse o presidente.

A programação inicia pela manhã as 8:30h com culto ecumênico e em seguida café da manhã.

A noite a partir das 20h a festa conta com os shows de Jorginho do Cavaco e a roda de samba dos Moreiras, além da apresentação da escolinha de passistas e de Mestre-sala e porta- bandeira, baianas, velha guarda, os intérpretes da Nação, bateria Pororoca e a comissão de frente. A entrada é gratuita.

(Texto e foto: ASSCOM/AUSBL)

Sábado tem samba, marabaixo e carnaval no Laguinho

(Foto: Arquivo – www.alcinea.com)
A Associação Universidade de Samba Boêmios do Laguinho (AUSBL) promove neste sábado,11, uma grande festa para apresentar o projeto de carnaval para o ano que vem.
O evento será as 20h, no Theatro do Samba, com direito à apresentações de pontos técnicos, da nova diretoria, da Bateria Pororoca, os intérpretes da nação além das atrações: Osmar Jr; Jorginho do Cavaco; Grupo Pilão; Val Milhomem; Beto Oscar e Marabaixo do Laguinho. A entrada é franca.
Na ocasião, o primeiro casal de Mestre-sala e Porta – Bandeira, Pablo Sena e Fefê do Laguinho, será apresentado oficialmente.
O enredo do carnaval 2018 será “Belezas Africanas, Dádivas que a Mãe África Mandou”.
( Adryany Magalhães)