Fechado há 20 anos – Prefeitura reabre o Bioparque da Amazônia dia 25

Atuar como espaço inovador de pesquisa, de turismo sustentável e promoção da cidadania. Essa é uma das metas que nortearam a reforma do Parque Zoobotânico Municipal, conhecido agora como Bioparque da Amazônia. Considerado o maior parque em área urbana da Região Norte, após vinte anos fechado, o espaço será reaberto pela Prefeitura de Macapá no dia 25 de outubro e, a partir do dia 26, o público poderá fazer visitas.

Criado em 1973 por Raimundo dos Santos Souza, o “Sacaca”, o parque era inicialmente um espaço para resgatar animais silvestres acidentados durante a construção da estrada que liga Macapá ao porto de Santana. Conhecido na época como Parque Florestal da Cidade, foi das matas do complexo que saíram as mudas e sementes que contribuíram com a arborização do que hoje são as dependências do Instituto Emílio Goeldi, de Belém (PA), e fazem parte também do acervo do Jardim Botânico, do Rio de Janeiro, o mais completo herbário do mundo sobre a Amazônia.

Segundo o prefeito de Macapá, Clécio Luís, o Bioparque da Amazônia abrirá após 20 vinte anos fechado. Ele ressalta que a gestão municipal foi construindo condições necessárias para poder reabrir o parque, e significará um momento histórico para o macapaense. “O espaço ficou fechado por duas décadas, e, com grande alegria, iremos devolvê-lo com uma nova identidade à nossa população.  O Bioparque marcará um grande passo para Macapá, rumo a um momento histórico, cercado de grande simbolismo e memórias afetivas de toda uma geração que deseja ansiosamente apresentar o mais novo Bioparque da Amazônia para a geração atual de amapaenses. Uma obra mais que especial para a nossa gestão”, ressalta.

O Parque Zoobotânico Municipal adota o conceito de Bioparque, integrando ecossistemas, animais e pessoas em busca de desenvolvimento sustentável e inovação em pesquisa científica. Para o guarda-parque Nerivan da Silva, que desde 2006 conhece as dependências e há dois anos atua diretamente no Zoobotânico, a reabertura é um acréscimo para a população em diversos aspectos. “A pessoa não vai vir somente ver o parque, aqui dentro tem uma experiência completa em contato com a natureza por meio de trilhas, animais e plantas. É um ambiente completo”.

O Bioparque  se posiciona como um espaço de promoção da sustentabilidade ambiental, desenvolvimento social e turístico, estabelecendo vínculos com os moradores do entorno, gerando alternativas econômicas sustentáveis como artesanato, guardas-parque e atividades culturais, criando relações harmoniosas entre moradores e floresta.

O complexo agora possui diversas trilhas de diferentes níveis de dificuldade, amplo espaço para piqueniques, orquidário, redário, espaços de interação, meliponário, trilha aquática, tirolesa e o ecótono, que é uma área de transição entre três ecossistemas: a mata de terra firma, o cerrado e a ressaca.

Moisés Dutra, que conheceu o Zoobotânico anteriormente, fala com alegria sobre a espera pelo novo espaço. “É uma conquista para a nossa população. Sempre senti uma tristeza em ver esse espaço fechado, e agora, em breve, poderei voltar aqui com a minha família e conhecer o novo parque”, pontua.

Além da estrutura voltada para atender as visitas orientadas e integradas à conservação ambiental, há calçadas sinalizadas, espaços recreativos acessíveis para usuários com dificuldades de locomoção e crianças. O novo Bioparque será também um espaço para desenvolvimento da ciência, por meio de parcerias com universidades e fundações de pesquisas do Amapá e outros estados.

A reabertura do Bioparque faz parte do projeto Macapá Rumo aos 300 anos, que, por intermédio de um planejamento estratégico, visa desenvolver Macapá em diferentes aspectos, com investimentos em inovação, tecnologia e sustentabilidade.

(Texto: Jhenni Quaresma – Fotos: Max Renê)

Feira Maluca será reinaugurada nesta segunda

A Prefeitura de Macapá entregará nesta segunda-feira, 30, às 8h30 a nova Feira Maluca ( Av. Claudomiro de Moraes, Novo Buritizal)
Totalmente reconstruído, o novo espaço contempla 91 boxes. No local, serão comercializados diversos produtos hortifrutigranjeiros, pescados, aves, carnes bovina e suína, produtos extrativistas.

A obra foi revitalizada com recursos oriundos de emenda parlamentar do senador Randolfe Rodrigues, orçada em R$ 1.353.000,00, por meio do Ministério da Defesa, provenientes do Projeto Calha Norte, além de investimentos de recursos da Prefeitura de Macapá, no valor de R$ 812.381,48.

O novo ambiente funcionará todos os dias, das 7h às 21h

Agora é jardim

A cidade está ficando cada dia mais bonita. Onde existiam lixeiras viciadas agora existem jardins. Um projeto muito bacana da Prefeitura de Macapá, que vem sendo realizado em vários bairros.  Agora é torcer para os vândalos não destruam.

O projeto da Prefeitura de Macapá denominado “Agora é Jardim”, localizado na Caesinha, na Rua Hugo Alves Pinto, bairro Perpétuo Socorro, recebeu serviços de conservação e limpeza. No espaço, foram feitos replantio de plantas ornamentais, capina manual, pintura do muro e roçagem mecanizada. Pneus foram reaproveitados e transformados em jogos educativos, e atividades recreativas com uma pequena quadra de amarelinha.A população pode informar casos de derramamento irregular de água servida, formação de lixeiras viciadas, entulho em ruas, canais e avenidas, podagem e eliminação de forma errada de árvores, atraso nos serviços de coleta domiciliar por meio do Disk Denúncia da Semur (99970-1078). O contato também recebe imagens e vídeos via WhatsApp.

A Lua no Meio do Mundo

Belíssimo registro da Lua nesta noite de domingo feito pelo Manoel Raimundo Fonseca.
Amante da fotografia e das coisas mais belas, Manoel Raimundo foi no comecinho da noite para o Marco Zero para ver, do meio do mundo, a Lua nascer e fotografar para o deleite de seus milhares de seguidores nas redes sociais.

Hoje Macapá completa 163 anos de elevação de vila à categoria de cidade.

Os 163 Anos da Cidade de Macapá
Texto de Fernando Canto

Hoje Macapá completou 163 anos de elevação de vila à categoria de cidade. Decretada pela Assembléia Legislativa Provincial e sancionada pelo presidente da Província do Grão-Pará, Henrique de Beaurepaire Rohan, a Lei nº 281 de 6 de setembro de 1856 foi selada e publicada no mesmo dia e registrada no livro 3.º de Leis e Resoluções Provinciais no dia 9 de setembro. Esses dados se encontram na “Collecção das Leis da Província do Gram-Pará”, Tomo XVIII, Parte 1ª.
Mesmo passando despercebida pelo povo e até pelos estudiosos, a data é importante para a História de Macapá porque é uma espécie de segunda certidão de nascimento (a primeira foi o decreto que elevou a localidade à vila, em 04.02.1758) de um lugar muito marcado pelas doenças e pelo esquecimento das autoridades. A cópia da Lei n.º 281 foi conseguida em Belém por amizade, visto que o volume citado na qual ela se encontra já é uma cópia doada pela Biblioteca Nacional ao Arquivo Público do Pará. Outra cópia envidraçada decora a parede do gabinete do prefeito, com registro de sua autenticidade em cartório.
Infelizmente muitos dos documentos e fotografias que poderiam ajudar a compor partes da nossa história foram extraviados no tempo ou simplesmente furtados por pessoas inescrupulosos ou por especuladores de valores de documentos históricos, segundo se comenta no mundo acadêmico. É possível que a criação de um Arquivo Público que pudesse reunir e catalogar essas fontes primárias viria facilitar a pesquisa dos interessados na área. Assim talvez os setores responsáveis pela cultura realizassem projetos voltados para a recuperação da nossa memória, por meio de ações de intercâmbio com outros estados e países que possuam documentos importantes para nós.
Sabe-se que até mesmo documentos recentes, da época em que Macapá foi decretada capital do Território Federal do Amapá, são difíceis de conseguir. A não ser com grande esforço pessoal, dedicação e tino profissional, como faz o professor Fernando Rodrigues e outros acadêmicos ao publicar trabalhos de relevância para a História local.
Lembro que desde o ano de 2001 eu alertava o poder público e quem de direito a montar comissão para os festejos de 250 anos de fundação da antiga vila de Macapá para 2008, visando promover nossa cidade no mundo inteiro. Infelizmente só se preocuparam em investir no resultado político que a Escola Beija Flor de Nilópolis traria do carnaval do Rio de Janeiro. E olha que foi muita dinheiro gasto.
Agora com a data de aniversário de Macapá se aproximando, necessário se faz realizar contatos com as autoridades das ilhas da Madeira e Açores (territórios portugueses), dada a necessidade de lembrar que foram os açorianos os primeiros colonos enviados para cá em 1751. Eles que nos povoaram e trouxeram, entre outras coisas, suas festas religiosas como a do Divino Espírito Santo que depois se incorporaria ao Marabaixo dos negros escravos. Bato também na antiga tecla que será preciso criar monumentos, concursos artísticos, históricos e literários para despertar mais no seio da juventude o amor e o poder de crítica em relação à cidade. Quem sabe não surgirão sinfonias que podem enriquecer a música brasileira um pouco mais, ou obra literária de grande valor. E paralelo a isso venham se discutir grandes problemas urbanos como o trânsito, os transportes coletivos, a aplicação do código de posturas, impostos, migração e outros temas que representem possibilidades de melhoramento da vida social.

Aproveitando o verão Prefeitura vai asfaltar 40km de ruas

A Prefeitura de Macapá iniciou a pavimentação de mais de 40 quilômetros de ruas de Macapá. Um investimento – com recursos próprios do Município –  na ordem de R$ 4 milhões, com recursos próprios do Município.

O prefeito Clécio Luís acompanhou e percorreu na manhã desta sexta-feira, 30, obras de pavimentação com aplicação de TST (Tratamento Superficial Triplo) e drenagem superficial, por meio de valetas na Rua Luiz Azarias, localizada no bairro Zerão. Ele aproveitou para conversar com alguns moradores daquele bairro, que se mostraram satisfeitos com as ações realizadas pela administração municipal.
Para Clécio, este é um momento para que os munícipes possam participar das melhorias da cidade, já que o inverno foi rigoroso, o que prejudicou os serviços da prefeitura também na questão de infraestrutura e mobilidade urbana. “Estamos aqui para mostrar nossas ações, pois realmente foi um inverno muito rigoroso e que atrapalhou bastante nossos trabalhos. Temos um verão curto para trabalhar, mas já iniciamos a atividade em vários pontos da cidade e pavimentaremos mais de 40 quilômetros”, disse.

Os trabalhos iniciaram dia 27 de agosto, pela Rua Inspetor Antônio Amorim, e estão concentrados na Rua Luiz Azarias.