Projeto Atuação pela Vida: Escuta Psicológica Itinerante será realizada em mais duas escolas públicas de Macapá

O projeto “Atuação pela Vida” acontecerá, neste sábado (16), em mais duas escolas estaduais: Professor Lucimar Amoras Del Castillo, no bairro Santa Rita, e Maria Ivone de Menezes, no Cidade Nova I. A iniciativa é coordenada pela Promotoria de Defesa da Saúde do Ministério Público do Amapá (MP-AP), em parceria com o Ambulatório de Atenção à Crise Suicida (Ambacs), da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) e tem como objetivo o cuidado permanente com a saúde mental.

A Escuta Itinerante possibilita a identificação de casos e sintomas que possam levar à ideação suicida ou à automutilação, para que seja feito um pré-diagnóstico e, caso necessário, o devido encaminhamento à rede de apoio. Os atendimentos serão realizados por 20 psicólogos, voluntários do projeto, que ficam divididos nas duas unidades de ensino.

O projeto tem a campanha de conscientização que reforça a mensagem “Viver é sempre a melhor opção”. Cada etapa do projeto serve de aprendizagem e troca de experiências entre os integrantes da equipe, que fazem uma reunião de avaliação ao final dos atendimentos, visando a próxima ação.

Mais sobre o projeto
Você que se percebe triste, com pensamentos negativos, ou emocionalmente diferente e não está sabendo lidar com determinada situação em sua vida, vá dialogar com os sicólogos. Lembre-se: Viver é sempre a melhor opção!”. O atendimento será garantido por uma especialista voluntária e ocorrerá atendimento em libras.

Agenda: dia 16/11, a partir das 8h na Escola Lucimar Amoras Del Castilho, no Bairro Santa Rita, e na Escola Maria Ivone Menezes, bairro Cidade Nova I.

(Texto: Ana Girlene Oliveira e Vanessa Albino/Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá)

Rodas de terapia ajudam pacientes a lidar com emoções

Falar sempre na primeira pessoa, ficar em silêncio quando o outro fala, não julgar e não dar conselho. São essas regras simples que dão início aos encontros da Roda de Terapia Comunitária, que acontecem todas as segundas-feiras, às 19h30, no Santuário de Fátima. A prática integrativa faz parte das ações realizadas durante a campanha Setembro Amarelo, de valorização da vida.
É neste mês que ações em diferentes esferas sociais buscam promover a saúde mental e dar destaque a locais que oferecem ajuda a quem precisa. Nesse sentido, as rodas de terapia são um espaço de acolhimento e de partilha de sentimentos e experiências de vida. “Aqui ninguém sabe mais do que ninguém, e ninguém é melhor do que ninguém, somos apenas diferentes e sabemos coisas diferentes, e é justamente essas diferenças que podem promover a união”, explicou a psicóloga Regina Frota, que está à frente da roda há 10 anos.

União essa que a autônoma Maria de Fátima Leite, 68 anos, achou nos encontros. “Aqui é um lugar de paz e que me sinto muito bem. Existia uma Maria antes da roda de terapia e outra depois. Hoje, consigo lidar melhor com as minhas emoções, consigo falar o que me incomoda e, principalmente, aprendi a ouvir o outro e me solidarizar com isso. A primeira coisa que aprendi aqui foi a comemorar a minha vida, e graças a Deus tenho feito isso muito bem”. 

Além dessa, todas as segundas, quartas e sextas-feiras, a prefeitura promove roda voltada para os idosos acompanhados na UBS São Pedro, no Beirol. Nas sextas, também tem roda para idosos no CEU das Artes, no bairro Infraero; e para jovens na UBS Congós, a partir das 8h. “As rodas são uma forma de estimular a cura pela fala, em um espaço aberto e protegido, onde cada pessoa pode falar das dificuldades que enfrenta, de suas dores, fortalecendo assim as relações humanas. Uma ferramenta eficaz, de baixo custo, mas que faz diferença na vida de muita gente”, destacou a secretária de Saúde, Silvana Vedovelli.

Setembro Amarelo
É uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. A OMS estabelece diversas estratégias de prevenção, entre elas a redução do estigma e conscientização do público. O mês foi escolhido em razão do Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, celebrado todo ano em 10 de setembro. A data é organizada pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e tem a Organização Mundial da Saúde (OMS) como co-patrocinadora. O objetivo do dia é conscientizar as pessoas ao redor do mundo que o suicídio pode ser evitado.

(Teto e foto: Jamile Moreira/Semsa)

Aplausos para os policiais civis

A Polícia Civil do Amapá realizou nesta quinta-feira, 29, uma ação coletiva de doação de sangue, denominada “Protegendo e Compartilhando Vidas”. O ato foi feito em parceria com o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Amapá (Hemoap), com o objetivo de incentivar a doação entre os policiais, e fazer com que os mesmos estimulem amigos e familiares a participarem das ações.

“Temos que ter consciência de que precisamos ajudar, pois, qualquer pessoa pode precisar a qualquer momento, e, nós, enquanto instituição, temos que incentivar os servidores a participarem e contribuírem com essas ações que vão atender à comunidade em geral”, disse o corregedor da Polícia Civil, delegado Sávio Pinto.

Congresso Internacional de Medicina Natural

Uma programação voltada para o meio ambiente e a medicina natural. Assim será o I Congresso Internacional de Medicina Natural da Amazônia, que acontecerá nos dias 28, 29 e 30 de setembro no auditório do Sebrae.

Ana Pires, proprietária do Spa e restaurante vegano e vegetariano que leva o seu nome e uma das organizadoras do evento, explica que a programação é composta por palestras, workshops, mini cursos, mesa redonda, feiras de artesanato e produtos naturais, além de gastronomia vegana e vegetariana, “nossa ideia é reunir médicos, estudantes, professores, terapeutas e profissionais de saúde com o objetivo de compartilhar experiências e conhecimentos que afetam o cotidiano das pessoas”.

O evento, segundo Ana, é essencial para aprendizagem dos comportamentos e desequilíbrios na saúde física e mental, “vamos debater o que a medicina natural pode oferecer dentro das terapias complementares, a medicina convencional e a natural devem sempre estar em sinergia para ajudar as pessoas”, completou Ana Pires.

O evento juntará a medicina alopata e natural para esclarecer aos profissionais de saúde que, as duas, precisam caminhar de mãos dadas, “vamos levar informações para minimizar o sofrimento do nosso povo e crescer em equilíbrio e respeito ao meio ambiente, como lidar com as doenças físicas, comportamentais como a hipertensão, obesidade, depressão, tendência suicida e várias outras”, esclareceu.

Para Ana Pires o congresso é, acima de tudo, uma oportunidade de esclarecer os avanços da medicina natural, praticas integrativas e terapias complementares em saúde e, principalmente promover o intercâmbio cientifico entre estudantes, profissionais e pesquisadores e, “vamos estimular a produção e divulgação das pesquisas sobre os avanços que a medicina natural tem alcançado”.

Os realizadores do evento são a Clínica Oasis, um dos maiores spa naturista da América Latina; o Ana Pires Spa e Restaurante, que segue os conceitos da Clínica Oasis; Editora Vida Plena e a MDL Ambiental.

Conheça os palestrantes já confirmados

Soraya Oliva, do Chile, formada em saúde mental e psiquiatria e especialista em psiquiatria infanto-juvenil. Encarregada do programa de prevenção em depressão e suicídio do Chile e especialista em risco suicida.

Drº José Carlos Tavares, doutorado em fármaco e medicamentos pela Universidade de São Paulo, professor titular da Universidade Federal do Amapá, membro titular da Academia Nacional de Farmácia e membro do Conselho Deliberativo da Farmacopeia Brasileira.

Drº Washington Luiz de Oliveira Brandão, psicólogo, doutor em teoria e pesquisa do comportamento pela Universidade Federal do Pará, professor da Universidade Federal do Amapá, professor do IMMES, coordenador do Ambulatório de Atenção à Crise Suicida (AMBACS).

Drº Luis Roberto Takiyama, graduado em química tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas, professor da Faculdade de Macapá e pesquisador do IEPA.

Serviço
As inscrições para participar do I Congresso Internacional de Medicina Natural da Amazônia podem ser efetuadas no Ana Spa e Restaurante, localizado na Coriolano Jucá, 267, Centro. O valor da inscrição é R$ 300, estudante tem desconto de 50%. No valor da inscrição está incluído alimentação para os dias do evento e todo o material didático.

(Texto: Araciara Macedo)

Acadêmicos de medicina farão atendimento em aldeia indígena

Entre meses de agosto e setembro, os 52 acadêmicos do sexto ano do curso de medicina da Universidade Federal do Amapá (Unifap) irão participar de uma experiência bem diferente da rotina que levam na cidade. Neste período, eles estarão envolvidos com o internato rural, que terá suas atividades desenvolvidas no município de Porto Grande e na Aldeia do Manga, área indígena que fica a 18km do município de Oiapoque.

Pelo cronograma do internato, os alunos irão sair de Macapá no dia 17 de agosto com destino a Oiapoque, percorrendo cerca de 600 km pela BR 156. Entre os dias 19 a 23 eles irão prestar atendimento à comunidade indígena da Aldeia do Manga e de 26 a 12 de setembro, estarão no município de Porto Grande, onde também atenderão as comunidades dos municípios vizinhos como Ferreira Gomes e Pedra Branca do Amapari, sob a supervisão de professores do curso.

Os atendimentos vão abranger a área de atenção básica, o que envolve programas de hipertensão e diabetes, planejamento familiar, realização de pré-natal, diagnóstico e tratamento da hanseníase, tuberculose, dengue e malária, além de consultas e orientações antitabagistas, promoção do envelhecimento ativo, diagnosticar e tratar doenças diarreicas da infância e pneumonias comunitárias infantis e realizar procedimentos como curativos e suturas.

“Durante quatro semanas os alunos vão vivenciar o que é a realidade de uma população ribeirinha, indígena ou de uma comunidade distante da capital e isso é essencial para a formação desses futuros médicos”, explica o professor do curso Algerry Rêgo.

O médico Felipe Pena estava entre os acadêmicos que fizeram o internato no ano passado. Ele conta que a experiência coloca os alunos dentro da realidade do sistema de saúde, no qual os médicos vão atuar depois de formados, além de ser a uma oportunidade para pôr em prática o que aprenderam nos seis anos de curso.

“A convivência com uma cultura diferente, com o interior, com uma população que é pobre em informação e em recursos, nos fez tentar alcançar essa população da melhor forma possível no que tange o atendimento médico. Nós tivemos a experiência de como seria a nossa vida após formados e nós tivemos a clara certeza de que aquilo que nós vivemos no internato rural foi um preparatório para a vida profissional”, diz Felipe.

A professora Ennara Borges, que também participou do internato rural em 2018, diz que a disciplina incute um traço mais solidário na formação dos médicos.

(Ascom/Unifap)

Inscrições para a II Corrida No Rastro da Onça encerram nesta quarta

As inscrições para a II Corrida No Rastro da Onça encerram-se à meia-noite desta quarta-feira, 8. Organizado pelo Batalhão Ambiental da Polícia Militar, o evento integra as atividades em comemoração ao aniversário do batalhão. As vagas são limitadas e as inscrições devem ser feitas através do site www.centraldacorrida.com.br e custam R$ 50.

A II Corrida No Rastro da Onça acontece domingo, 12, com percurso de 7 km. A largada será às 6h30, com concentração a partir das 5h30 no Parque de Exposições da Fazendinha, na Rodovia JK, em Macapá.
Os competidores percorrerão alguns quilômetros de asfalto pela rodovia no sentido Santana. Em seguida, sairão do asfalto para entrar em ramais de terra batida.

Audiência Pública: Plano de enfrentamento e prevenção ao suicídio

A Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP) realizará nesta quinta-feira (9), às 14h no Centro de Convenções João Batista de Azevedo Picanço (Av. Fab, 86) , audiência pública para debater o Plano de Enfrentamento e Prevenção ao Suicídio. A iniciativa é do deputado estadual Dr. Furlan (PTB) e do Coletivo de Psicólogos do Amapá.

O evento tem o objetivo de elaborar estratégias emergenciais e contínuas que promovam prevenção em saúde mental, reduzindo os índices de tentativas e suicídios no Estado, de acordo com a Lei Nacional 13.819 de 26 de abril de 2019.

Em um primeiro momento, terá apresentações de palestras que contextualizam a proposta de criação do Plano de Enfrentamento e Prevenção ao Suicídio:

  1. Representante da Secretaria de Vigilância em Saúde, Michelle Maleamar, para apresentar os dados do alerta epidemiológico.
  2. Representante do Ambulatório de Atenção à Crise Suicida, Luana Nunes, para apresentar o Plano de Enfrentamento ao Suicídio e a Lei Nacional 13.819/2019.
  3. Promotor de Justiça do Ministério Público, André Luiz Dias Araújo, para palestrar sobre as judicializações de fortalecimento da saúde mental.
  4. Defensora Pública do Estado, Tathiane Soares, para falar a respeito das vistorias e carências de profissionais psicólogos nos centros e instituições de saúde mental.

O segundo momento será de discussões e contribuições dos convidados e população presente. E, por fim, o terceiro momento será para consolidar sugestões e propor encaminhamentos.

(Ascom/Deputado Furlan)

Dengue – Macapá tem redução de 87,5%

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) iniciou nesta segunda-feira, 6, o 3º ciclo do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) deste ano. O levantamento é feito pelos agentes de endemias do Município e acontecerá em todos os bairros da capital até 14 de maio, identificando onde há um número maior de focos de criadouros do mosquito.

O Município faz o alerta para a população para que faça uma inspeção nas dependências, observando copos, pneus, vasos, caixas d’água ou qualquer outro objeto que possa acumular água e propiciar a reprodução do mosquito. “É muito importante a participação de todos. Que os munícipes tirem pelo menos dez minutos, uma vez por semana, para verificar os objetos que acumulam água nas dependências da residência”, solicita o coordenador de Combate ao Aedes, Kilder Vidal.

De acordo com o último Boletim Epidemiológico, até 26 de abril, foram confirmados 41 casos de dengue, uma redução de 87,5%, comparado com o mesmo período do ano passado, que registrou 328. “É primordial a orientação e o apoio de toda a população. O agente de endemias visita a área mensalmente, mas as pessoas estão ali todo dia. Então, esse envolvimento no combate é essencial”, destaca Vidal.

O levantamento é considerado um instrumento fundamental na orientação das ações de controle das endemias causadas pelo Aedes e que serão adotadas pela prefeitura, possibilitando assim o planejamento das atividades de prevenção. Com a conclusão do ciclo, novas campanhas de combate e controle do mosquito serão desenvolvidas durante o ano.

(Semsa)

30% da população de Macapá sofre de hipertensão

Relatório da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), mostra que 30% da população de Macapá sofre de hipertensão.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) deu início nesta quarta-feira, 24, à programação alusiva ao Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. As atividades começaram pela UBS Carmo do Maruanum, onde foi oferecida orientação nutricional, palestras que abordaram a importância da prática de atividades físicas, aferição de pressão arterial, entre outros serviços. 

As atividades ocorrerão em mais duas unidades. Mas a coordenadora de Doenças Crônicas não Transmissíveis, Rielly Macedo, explica que em todas as UBS’s são ofertados em sua rotina serviços de tratamento e acompanhamento de portadores de hipertensão arterial. “A hipertensão é uma doença silenciosa. Por isso, a importância das consultas e exames de rotina e atenção a possíveis sintomas, como dores de cabeça, falta de ar, tontura, entre outros. Quando a pressão fica descontrolada, o coração é o órgão mais afetado. Portanto, não podemos brincar com os sintomas”.

Em Macapá, de acordo com o relatório da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), a hipertensão atinge 30% da população. Caso do agricultor Manoel Lima, que faz o controle da doença no posto de saúde do Maruanum, que atende cerca de 50 hipertensos. “Sentia um mal-estar constante. Em uma das consultas, o médico viu a pressão alterada e pediu exame, que apontou a hipertensão. De lá para cá, eu tomo os remédios e busco melhorar a alimentação”, comenta. 

A intensificação das atividades de rastreamento acontecerá até as primeiras semanas de maio, com aferição de pressão arterial, testes de glicemia, orientação nutricional e o incentivo à prática de atividades físicas, nas demais unidades de saúde da capital e distritos.

(Semsa)