Prefeito Clécio apresenta projeto do novo “Gigante da Favela”

Hoje, durante a festa de 69 anos do estádio municipal Glicério Marques, o prefeito Clécio Luís apresentou aos jogadores, ex-jogadores, cartolas e torcedores, o projeto de reforma do velho estádio. O projeto contempla uma parede de escalada, uma pista de skate, um campo de futebol society, uma quadra de poliesportiva, piscina, sala de dança, lanchonete e academia. Todos os espaços serão adaptados para pessoas com deficiência.
O custo das obras – que devem  começar em  setembro deste ano – será de R$ 12 milhões, sendo R$ 10 milhões de emenda parlamentar do senador Davi Alcolumbre e R$ 2 milhões de emenda do ex-deputado federal Evandro Milhomem.

“Como todos os anos, eu vim aqui comemorar o aniversário do Estádio Glicério Marques. Lembro que quando assumi a primeira reforma que foi feita na minha gestão foi a do estádio, que estava interditado. Hoje, a novidade é que estamos com o projeto pronto do novo estádio”, disse o prefeito.

O ex-jogador Baraquinha, administrador do estádio, e o prefeito Clécio

Glicerão – 69 anos de história

Eles fazem parte da história do Glicerão

Mais antigo que o Maracanã, o estádio municipal Glicério de Souza Marques, em Macapá, foi inaugurado em 15 de janeiro de 1950, com um jogo entre as seleções do Amapá e Pará. Foi inaugurado com o nome Estádio Municipal de Macapá. Mais tarde mudou para Glicério Marques em homenagem ao primeiro presidente da Federação.

Comecei a frequentar o estádio – que era chamado de Gigante da Favela e de Glicerão – no início dos anos 70, quando trabalhava como repórter esportiva do Jornal do Povo.

Eles fazem parte da história

Na época não havia iluminação, portanto nada de jogos à noite. O campeonato era disputado no domingo à tarde, com a preliminar (chamada de esfria-sol) começando às 14 horas e a principal às 16h.
Geralmente a preliminar era feita pelos times menores, como o União e 13 de Setembro. O 13, coitado, certa vez não tinha dinheiro nem para comprar as chuteiras e os “craques” tiveram que jogar de chulipa – que não tem atrito – aí era um “cai-cai” que não acabava mais.

Em 1975 quando Manuel Antônio Dias era presidente da FAD (hoje Federação Amapaense de Futebol) o “Gigante da Favela” passou por uma grande reforma, talvez a mais importante da sua história, visto que recebeu iluminação e um gramado que era um primor.

Eles fazem parte da história
A inauguração em 15 de janeiro de 1950

Ah! as torres de refletores deixavam o povão boquiaberto, pois nunca se tinha visto isto por aqui.
Era uma beleza!
Para a reinauguração a FAD mandou buscar a Seleção Brasileira de Amadores que veio com todos os seus craques, entre eles o Éder, ponta-esquerda do Atlético Mineiro e mais tarde da Seleção Brasileira.

 

Amapaense é selecionada pela Confederação Brasileira de Atletismo

O esforço e a dedicação da estudante amapaense Natiara Lorrana dos Santos Amaral, 12 nos, que participa da etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude, em Natal (RN), foi recompensado com uma grata surpresa nesta segunda-feira, 19.

Aluna da Escola Estadual José Bonifácio, localizado na área Quilombola do Curiaú, zona norte de Macapá, ela competia na pista de atletismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), quando, após participar de sua primeira prova na competição, chamou a atenção do professor doutor Fernando Oliveira, da Universidade Federal de Lavras (MG), olheiro da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAT). Ele é especialista em seleção e detecção de talentos.

Antes de Natiara entrar na segunda prova, o professor comunicou que ela estava selecionada e convidada a fazer parte de um projeto da Confederação, que surgiu após as Olimpíadas do Rio, em 2016. O projeto visa treinar profissionalmente atletas com potencial para compor a seleção brasileira.

Fernando Oliveira fez grandes elogios quando percebeu o porte físico da atleta, pela pouca idade que tem, e falou do objetivo de escolha dos atletas, principalmente dos lugares distantes do Centro brasileiro.

“Após o período olímpico e a reestruturação da CBAT, foi identificada a necessidade de alteração dos métodos de detecção dos atletas para o atletismo. Os Jogos Escolares da Juventude (JEJ) apresentam, anualmente, jovens que não têm oportunidade de desenvolvimento no esporte, apesar de talentosos”, comentou o olheiro.

Oliveira enfatizou que CBAT projeta visitar as localidades mais distantes dos centros de treinamento, a exemplo das comunidades quilombolas, que são pouco exploradas pelo esporte. “O exemplo da Natiara é típico”, afirmou.

Natiara Santos se classificou para a Etapa Nacional dos Jogos Escolares, quando participou da Etapa Estadual, em Macapá, realizado pelo Governo do Estado do Amapá, sob a organização da Secretaria de Estado do Desporto e Lazer (Sedel), em agosto, desse ano, nas provas de 75 e 250 metros, categoria de 12 a 14 anos, conquistando título de campeã nas duas provas.

(Secom/GEA)

Oportunidade para os garotos que sonham em jogar no Vasco

Garotos de 10 a 13 anos passam por seletiva no Estádio Olímpico Zerão

Uma parceria entre a Secretaria de Estado do Desporto e Lazer (Sedel) e a coordenação das categorias de base do Clube de Regatas Vasco da Gama está movimentando a garotada de 10 a 13 anos, amante do futebol no Amapá. A seletiva consiste em dar oportunidades aos garotos iniciantes do esporte, observando talentos e possibilitando a chance de treino e ingresso no clube carioca.

O primeiro encontro entre as escolinhas de futebol, Sedel e equipe de instrutores das categorias de base do Vasco aconteceu na segunda-feira, 24, Continue lendo

Natação: três gerações de ouro

Pai, filho e neto colecionam medalhas desde 1953

Anselmo sendo cumprimentado pelo então governador Janary Nunes

Professor de educação física aposentado, Anselmo Guedes, 77 anos, aprendeu a nadar com 3 anos de idade na Ilha Maracujá (Afuá) onde morava em 1945. Brincadeira de criança para ele era nadar nos rios e igarapés do interior.
Em 1949 a família mudou-se para Macapá e em 1952   o menino Anselmo logo descobriu a Piscina Territorial. Foi lá e humildemente pediu ao professor Expedito Cunha Ferro, o 91, que o deixasse nadar ali. Noventa e Um tinha olho clínico e apostou no menino que no ano seguinte já foi escalado para disputar uma competição nacional no Rio Grande do Sul. Voltou com a medalha de segundo lugar. Aos 14 anos, em 1956, Anselmo Guedes conquista, na piscina do Pacaembu (SP),o título de  bicampeão brasileiro de natação (50m costa e 50m livre). Festa no Amapá!
E a paixão pela natação aumentava  a cada dia. Veio o sonho de ser técnico, então foi fazer a faculdade de educação física no Pará e tornou-se um dos técnicos mais queridos e conceituados da região norte.
Anselmo Guedes com o filho Anselmo Junior: campeões de natação e flamenguistas

E como filho de peixe peixinho é, brincadeira de sua prole tinha que ser dentro d’água, tanto que a filha mais velha, Monique, sagrou-se campeã do Copão da Amazônia de Natação nos anos 1980.
Anselmo Junior, 40 anos, tem um grande baú cheinho de medalhas. Como o pai, aprendeu a nadar aos 3 anos de idade. “O papai dava aula na piscina olímpica e eu ia pra lá olhar, quando ele se descuidava eu pulava na água, queria brincar. Fiz o papai perder um monte de relógios pulando na água para me salvar”, conta Junior, que aos 10 anos de idade começou a participar de competições. Com 12 anos ganhou a primeira medalha de ouro disputando o campeonato estadual. Hoje já perdeu a conta de quantas medalhas ganhou, embora tenha ficado alguns anos parado, época em que se dedicou aos estudos (ele é formado em Administração e pós-graduado em Gestão). De volta às raias, já na categoria master, Junior participa de campeonatos por todo o Brasil e nunca retorna sem medalhas na mochila. Em 2015, por exemplo, no Norte-Nordeste, trouxe cinco medalhas: 3 de ouro, uma de prata e uma de bronze; no Torneio da Integração mais cinco de ouro e assim vai. Até difícil relacionar todos os torneios e campeonatos dos quais participa e traz medalhas (ia faltar espaço para listar tudo aqui. O mais recente que participou foi mês passado: o XXV Norte-Nordeste, em Fortaleza. De lá trouxe quatro medalhas de ouro (duas individuais e duas revezamento) e o título de bicampeão nos 50m peito, categoria 40+
O filho Tomás, que tem 11 anos de idade, estava lá assistindo a vitória do pai.

Anselmo Junior e o filho Tomás em Fortaleza (CE)

Como o pai e como o avô, Tomás aprendeu a nadar aos 3 anos de idade; competiu pela primeira vez em 2016, num torneio em Mazagão, conquistando suas primeiras medalhas. Já tem na mochilinha ouro, prata e bronze.

Anselmo pai curte a aposentadoria entre Belém e Macapá. Já não nada, mas caminha todas as manhãs. Gosta de conversar com os amigos, relembrar a juventude e falar coisas de Macapá “que conheço como a palma da minha mão”.
Anselmo Junior continua viajando disputando competições (já está entre os oito melhores nadadores brasileiros e continua treinando para chegar entre os primeiros), trabalha, faz academia duas vezes por semana, nada todos os dias, joga vídeo-game com o filho e assiste muitos filmes.

Tomás, menino inteligente e meigo, faz o quinto ano no Colégio Bartoloméa, se diverte jogando vídeo-game e leva a sério os treinos de natação na Piscina Olímpica, tendo como técnicos Marcos Bandeira e  Silvio Guilhermino, que foi pupilo de Anselmo pai. Na foto, ele exibe algumas das suas medalhas, inclusive a sua primeira de ouro.

Unifap leva 68 atletas para os jogos universitários

Seis times da Universidade Federal do Amapá (Unifap) participam dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs 2018) – Conferência Norte, etapa regional  que ocorrerá de 2 a 7 de julho em Belém (PA). A delegação da Unifap é composta por 68 atletas, seis técnicos e auxiliares e um dirigente e competirá nas modalidades  basquetebol masculino, futsal feminino, handebol (masculino e feminino) e voleibol (masculino e feminino).

Os JUBS 2018 – Conferência Norte terá a participação de atletas das instituições de ensino superior (IES) dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Waldez Góes anuncia R$ 2 milhões para o esporte

Em reunião ontem com 30 federações esportivas, no Palácio do Setentrião, o governador Waldez Góes anunciou recursos no valor de R$ 2 milhões no orçamento da Secretaria do Desporto e Lazer (Sedel). Além disso prometeu disponibilizar 10 salas no estádio Zerão para as federações sem-teto.

O deputado Roberto Góes – que participou da reunião – disse que  alocará recursos de emenda parlamentar para a reforma dos ginásios Avertino Ramos e Paulo Conrado.

Os presidentes das federações saíram da reunião mais felizes que festeiros de marabaixo.