SISU 2019: Unifap faz chamada pública para preencher vagas remanescentes

A Universidade Federal do Amapá (Unifap) inicia na próxima segunda-feira, 18, a primeira chamada pública presencial para habilitação e matrícula dos candidatos da lista de espera do Sistema de Seleção Unificada (Sisu 2019) nos cursos de graduação que ainda possuem vagas não preenchidas. Os candidatos selecionados deverão comparecer ao Ginásio de Esportes da Instituição, situado no campus Marco Zero do Equador, em Macapá (AP), no período de 18 a 20 de fevereiro de 2019, no horário e dias estabelecidos para cada graduação descritos no Quadro de Vagas, disponível no link http://www.unifap.br/public/index/view/id/10799.

Governador diz que Sebben foi indicado por 15 instituições

O Governo do Estado do Amapá (GEA) se manifesta oficialmente por meio de nota sobre a recomendação do MPF/AP para afastar do cargo o atual secretário de Estado do Desenvolvimento Rural (SDR). E esclarece que a indicação de Daniel Sebben atendeu pleito de entidades proeminentes e representativas do setor produtivo local, consignada em carta por 15 instituições e encaminhada ao governador Waldez Góes.

O GEA esclarece que, apesar de não concordar com o julgamento e condenação prévia de qualquer cidadão, seguirá a recomendação do Ministério Público Federal e substituirá o atual titular da Secretaria de Desenvolvimento Rural, com o compromisso de contribuir para que todos os questionamentos ora apresentados sejam dirimidos.

MPF recomenda que governador Waldez exonere o secretário de desenvolvimento rural

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao governador do Amapá Waldez Góes (PDT) que exonere Vanderlei Daniel Sebben Filho do cargo de secretário de desenvolvimento rural. A instituição considera que a nomeação de um empresário do ramo da soja para a pasta denota conflito de interesses. Na recomendação, emitida nesta quinta-feira (14), o MPF fixa prazo de 10 dias úteis para resposta.

A nomeação do ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja) para a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) foi publicada no Diário Oficial do Estado do Amapá, em 25 de janeiro de 2019. Cabe à SDR a formulação e coordenação da política estadual de desenvolvimento agrícola, pecuária, aquícola pesqueira, florestal, extrativismo, da agroindústria e do abastecimento, defesa e inspeção animal e vegetal do Estado do Amapá. Para o MPF, há possibilidade de Vanderlei Daniel Sebben Filho, no exercício do cargo de secretário de desenvolvimento rural, influenciar em atos de gestão que possam lhe beneficiar diretamente.

O MPF adverte que o descumprimento da recomendação poderá resultar na adoção de medidas judiciais. A recomendação é assinada pelos procuradores da República integrantes da Ação Coordenada de Combate à Macrocriminalidade Ambiental no Amapá.

(Assessoria de Comunicação Social/Ministério Público Federal no Amapá)

O Imap não cansa de fazer traquinagens

O Imap não cansa de fazer traquinagens e ser notícia negativa.
Clique nos links para ler, reler ou relembrar algumas das muitas traquinagens

MPF/AP recomenda exoneração do presidente do Imap

 

 

Operação Traquinagem

 

Cachoeira Caldeirão: MPF/AP questiona concessão de licença de operação pelo Imap

 

PF cumpre 5 mandados de busca em Macapá, Porto Grande e Pedra Branca

 

MPF denuncia 31 pessoas e mostra detalhes do investimento ilegal

 

MPF pede a prisão do presidente substituto do IMAP

 

PF prende ex-diretor do Instituto de Meio Ambiente do Amapá

 

As operações Pantalassa e Quantum Debeatur

 

Polícia Federal prende ex-presidente do Imap e faz busca no Ibama, Aprosoja e residências

A Operação Shoyu, deflagrada pela Polícia Federal nesta quinta-feira (14), mira organização criminosa, instalada no Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial do Amapá (Imap), acusada de beneficiar produtores de soja. Um dos ex-presidentes do órgão (Bertoldo Dewes) – que, assim como os demais alvos, terá a identidade preservada – foi preso preventivamente. As medidas de busca e apreensão, autorizadas pela Justiça, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), foram cumpridas nas casas dos envolvidos e nas sedes do Imap e da Associação de Produtores de Soja (Aprosoja), em Macapá, e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Brasília.

A investigação, conduzida pelo MPF e pela PF, apurou que o ex-presidente do Imap (Bertoldo Dewes), preso preventivamente, chefia a organização criminosa e é um dos responsáveis por arquitetar os delitos. Partiram dele determinações para que servidores do órgão simulassem autuações a produtores de soja por ausência de Autorização de Supressão Vegetal. O intuito era tornar sem efeito autos de infração anteriormente emitidos pelo Ibama pela mesma irregularidade. Nos autos de infração simulados, o Imap reduziu as multas aplicadas pelo Ibama – que variavam de R$ 200 mil a R$ 1 milhão, além do embargo das áreas – para o valor único de R$ 60 mil. Estima-se que os danos aos cofres públicos alcancem R$ 7 milhões.

Para tratar de assuntos de interesse dos produtores de soja, como o desembargo das áreas, ele mobilizou comitiva de agentes públicos do Governo do Amapá para ir à sede do Ibama, em Brasília. A reunião, realizada em junho de 2017, contou com a participação de dois representantes do agronegócio. A atuação em favor dos produtores de soja seria supostamente recompensada por financiamento, no valor de meio milhão de reais, de uma possível candidatura do ex-gestor a cargo eletivo.

A prisão preventiva do ex-presidente visa a evitar que ele interfira na investigação e continue exercendo influência no Imap. Além dele e de um servidor do órgão ambiental, que foi afastado do cargo, são alvos da operação outras quatro pessoas. Entre elas, a sócia do ex-gestor, que é também empresário. As outras três, ligadas à Aprosoja, são investigadas por tentar se beneficiar da lavratura simulada dos autos de infração. Dessas últimas, uma passou a ocupar, recentemente, cargo na Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado do Amapá.

Até o momento, há indícios da prática dos crimes de organização criminosa, advocacia administrativa, corrupção ativa e passiva e falsidade ideológica. O material colhido na operação será incluído nas investigações e pode revelar tanto o cometimento de outros crimes como a participação de mais pessoas nos delitos.

Enfrentamento à Macrocriminalidade Ambiental – A Operação Shoyu está inserida na Ação Coordenada para o Enfrentamento à Macrocriminalidade Ambiental no Amapá. A iniciativa dos membros do MPF que atuam na matéria ambiental no estado tem por finalidade tornar mais efetiva a investigação de casos relacionados. Há cerca de dois meses, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, assinou portaria designando os procuradores da República para atuar de forma conjunta, inicialmente, em sete inquéritos.

(Fonte: MPF)

Operação Shoyu – Fraudes da turma da soja chega a R$ 10 milhões

PF combate fraude milionária na aplicação de multas ambientais no Amapá

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (14/2) a Operação Shoyu* para desarticular organização criminosa que desconstituía e reaplicava multas emitidas por órgãos ambientais em benefício de empresários produtores de soja, no Amapá.
Na ação, resultante de trabalho em conjunto com o Ministério Público Federal, policiais federais dão cumprimento a 1 mandado de prisão preventiva, 1 mandado de afastamento da função pública e 18 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Macapá/AP, Brasília/DF e Maringá/PR.
Segundo as investigações, ficou constatado que empresários e agentes públicos, por meio de um esquema fraudulento, substituíam multas aplicadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA/AP), de valores, em alguns casos, na casa dos milhões, por multas aplicadas pelo Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Amapá (IMAP), em valores muito inferiores, de maneira indiscriminada e sem de qualquer fiscalização.

O dano causado aos cofres públicos da União pela fraude é no valor aproximado de R$10 milhões.
Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de corrupção ativa e passiva, advocacia administrativa, falsidade ideológica, formação de organização criminosa, sem prejuízo de outros apurados no âmbito da investigação criminal.

*O nome da operação teve origem na palavra SOJA em japonês.

Operação Porto Seguro II prende 17 pessoas

A Polícia Civil do Amapá prendeu 17 pessoas acusadas de crimes de violência doméstica, tráfico de drogas, porte de arma branca e embriaguez ao volante. As prisões foram feitas pela Delegacia de Porto Grande, durante a Operação Porto Seguro II realizada nos dias 8, 9 e 10 de fevereiro no município, distante 102 km da capital Macapá.

Das 17 prisões, duas foram através de cumprimento de mandado de prisão temporária e, as outras 15 foram em flagrante. No trabalho ostensivo, 12 veículos foram fiscalizados e 242 pessoas revistadas. Foram realizadas vistorias em 12 bares e eventos do município de Porto Grande sendo que, 30 menores de idade, foram retirados desses locais e entregue aos pais.

Dentre as prisões, destacam-se dois indivíduos de extrema periculosidade que, juntos, já respondem pela prática dos crimes de homicídio triplamente qualificado, tráfico de drogas, furto, roubo com o emprego de arma de fogo, latrocínio, posse ilegal de arma de fogo e receptação.

De acordo com o delegado Bruno Braz, que comandou as diligências, esse é um desdobramento da Operação Porto Seguro I, deflagrada em dezembro de 2018, com apoio da Polícia Militar e Conselho Tutelar. Na ocasião, também houve prisões por tráfico de drogas, porte de arma branca, dano ao patrimônio público, violação de condicional e receptação. Braz assumiu a titularidade da Delegacia de Porto Grande, assim que foi empossado no concurso público da Polícia Civil para o cargo de delegado, realizado pelo Governo do Amapá.

A Operação Porto Seguro II mobilizou 17 policiais civis e três viaturas e contou com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e, do Comissariado do Juizado da Infância e Juventude de Porto Grande.

(Fonte: Secom)

Inscrições para projetos sociais dos bombeiros começam segunda-feira

O Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBM/AP) inicia na segunda-feira, 11, o período de inscrição para os projetos sociais Bombeiro Cidadão (300 vagas), Bombeiro Mirim Músico  (150 vagas) e Nadadores do Amanhã ( 210 vagas). As inscrições poderão ser feitas no Comando-Geral da corporação, localizado na Rua Hamilton Silva, em frente ao Hospital de Emergências, em Macapá, das 8h às 12h e das 15h às 18h.

O período se encerra no dia 15 de fevereiro. A aula inaugural para todos os projetos está prevista para o dia 25 de fevereiro, em uma solenidade no Teatro das Bacabeiras, em Macapá.

Sai nesta sexta o listão do vestibular da UEAP

A Universidade do Estado do Amapá (Ueap) confirmou para as 16h desta sexta-feira, 8, a divulgação do resultado do Processo Seletivo 2019. A divulgação será feita pela Divisão de Processo Seletivo da Ueap.

Serão anunciados os 600 nomes, divididos em 15 habilitações nos 11 cursos: Engenharias (Ambiental, Florestal, Química, Produção e Pesca), Licenciaturas (Filosofia; Pedagogia; Letras – Francês, Inglês, Espanhol ou Português; Ciências Naturais e Química) e na área de Tecnologia em Design (turnos da tarde ou da noite).

A universidade utilizou como critério único de avaliação, as notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).