Foi só um susto o “incêndio” no HU

De repente espalhou-se a notícia de incêndio no Hospital Universitário, em Macapá.
Corpo de Bombeiros foi acionado. Pessoas que tem parentes internados ali ficaram aflitas.
Mas, graças a Deus, foi apenas um susto.
O próprio secretário de saúde do Estado, Juan Mendes, foi para as redes sociais tranquilizar.
“Tivemos um pequeno princípio de incêndio no Hospital Universitário mas que foi imediatamente controlado. Uma cafeteira que super aqueceu no quarto de repouso dos profissionais, mas não atingiu nenhuma das enfermarias”, disse ele em vídeo nas redes sociais do governo.
Os atendimentos e tratamentos seguem normalmente, bem com está garantida a segurança de pacientes e profissionais, informou o Governo.
Pelo que o blog apurou a causa foi um inversor comprado pelos funcionários para poder usar aparelhos de 110 volts, já que todas as tomadas do HU são de 220volts.

Acabou o racionamento, mas em vários bairros a falta de energia elétrica é constante

Acabou o racionamento há vários dias. No entanto, em Macapá diversos bairros sofrem diariamente com a falta de energia elétrica.
O problema – que já é antigo – é a distribuidora: a falida Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA).
E sem o mínimo de respeito ao consumidor, a CEA não dá nenhuma justificativa.
As reclamações pipocam nas redes sociais, mas a Companhia, embora tenha perfil nas redes, nada responde.
Aliás, as redes sociais da CEA são tão ruins como a rede de distribuição.
Né não?

Pesquisador da Embrapa Amapá no ranking de cientistas mais influentes do mundo

Marcos Tavares é um dos melhores do mundo

Dezesseis pesquisadores de 12 unidades da Embrapa estão entre os mais influentes do mundo, de acordo com estudo realizado pela Universidade de Stanford (Estados Unidos) e publicado no Journal Plos Biology. O estudo utilizou as citações da base de dados Scopus para avaliar o impacto dos pesquisadores ao longo de suas carreiras (de 1996 até o final de 2019) e durante todo o ano passado. Com relação ao critério de cientistas mais citados em suas áreas do conhecimento em 2019, o único da região Norte que aparece no ranking é o pesquisador Marcos Tavares Dias, da Embrapa Amapá.  

Marcos Tavares recebeu a notícia com grande alegria e entende que significa a consequência da dedicação e do compromisso junto com várias equipes de outros pesquisadores, acadêmicos e pessoal de apoio com quem ele atua há anos. “Foi uma satisfação quando vi os resultados desta pesquisa publicada no Plos Biology , pois todo pesquisador objetiva ver os resultados de seus estudos impactando em benefícios para a sociedade e principalmente que esses resultados estejam disponibilizados de forma cada vez mais acessível. Parabenizo a todos que se destacaram no ranking e também os que contribuíram de alguma forma para estes resultados”, afirmou Tavares.

Tavares atua em pesquisas de sanidade e parasitologia de peixes amazônicos, direcionados aos problemas sanitários na produção e tratamento de doenças. Também desenvolve estudos em ecologia de populações de peixes nativos de importância para a pesca e produção. Esses temas são amplos, mas o pesquisador tem focado os problemas sanitários no cultivo de peixes do estado do Amapá e tratamento antiparasitários químicos, principalmente contra monogeneas, um parasito que acomete peixes cultivados, bem como o uso de óleos essenciais e óleos fixos (fitoterápicos) amazônicos e cultivados no Brasil. Ele tem trabalhado ainda com descrição de novas espécies de parasitos em peixes amazônicos junto como estudantes de Mestrado e Doutorado.

O pesquisador ressalta que a Ciência nacional tem sofrido problemas de descrédito e falta de financiamentos, prejudicando o avanço tecnológico. “Essas dificuldades para obter recursos financeiros para os projetos de pesquisas e a enorme burocracia desviam tempo e foco dos pesquisadores de seus objetivos principais, ou seja, para atender a demandas do setor produtivo”, pontuou Tavares.

Saiba mais sobre o estudo da Universidade de Stanford (EUA) nesta matéria: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/57523253/16-pesquisadores-da-embrapa-estao-entre-os-mais-influentes-do-mundo

(Dulcivânia Freitas/Embrapa-AP)

Acabou o racionamento, mas…

Por volta das quatro horas da madrugada entrou em operação o transformador que veio do Laranjal do Jari. Assim, depois de mais de 20 dias, acabou o racionamento de energia nos 13 dos 16 municípios amapaenses.
Mas essa não é uma solução definitivo. O risco de apagão permanece, pois tudo que foi feito é paliativo, foi apenas uma solução emergencial para tirar o Amapá do breu.
O racionamento acabou, mas estamos na mesma condição que estávamos até o incêndio que destruiu totalmente um transformador e parcialmente outro, ou seja, continuamos sem um transformador reserva, sem um plano B.
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, ao comentar que foi informado pelo MME e ONS que o sistema foi normalizado essa madrugada, ressaltou que “os técnicos explicam que o sistema não está livre de instabilidades, já que o problema energético é estrutural.”
Então não  podemos deixar que o governo federal (Ministério das Minas e Energia, Aneel e ONS) vire novamente as costas para o Amapá. Temos que exigir a solução definitiva, a compra de transformadores para substituir os danificados, a compra de transformadores reservas para que o do Jari seja devolvido (O Jari agora está sem reserva) e tantas outras providências.

Blecaute foi um “apagão de gestão”do governo federal, diz juiz

Ao decidir pelo afastamento das diretorias da Aneel e do ONS, o juiz federal João Bosco disse que o blecaute no Amapá é reflexo de um autêntico ‘apagão de gestão’ provocado por uma sucessão de governos federais que negligenciaram quanto ao planejamento adequado de políticas públicas de produção, transmissão e distribuição de energia elétrica.

Ele disse também  que o sistema foi entregue a própria sorte e em mãos de grupos políticos e econômicos que se unem para fins de enriquecimento ilícito, tratando o povo como ‘rebanho bovino’ e não como sujeitos de direitos, conforme preconiza a legislação brasileira. E enfatizou  que houve “completa omissão” ou, no mínimo, negligência dos órgãos reguladores no sistema de energia do Amapá, atingido por dois apagões nas últimas semanas.

A decisão do juiz já foi encaminhada ao TCU e à Polícia Federal que apuram as causas e responsabilidades pelo apagão.

A ANEEL disse que ainda não foi formalmente notificada sobre a decisão da Justiça Federal  mas que assim que for notificada, vai interpor o recurso cabível para reverter a decisão.

Juiz Federal decide pelo afastamento dos diretores da ANEEL e ONS até que sejam apuradas as causas do apagão no Amapá

Hoje (19), o juiz federal  João Bosco, face a Ação Popular protocolada pelo senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), decidiu pelo afastamento da diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e também do Operador Nacional do Sistema (ONS) por 30 dias ou até que sejam concluídas as investigações sobre o apagão no Amapá.

O objetivo do afastamento é proporcionar ao Tribunal de Contas da União (TCU) e à Polícia Federal (PF) maior isenção e eficácia na apuração dos fatos que levaram ao blecaute no estado.

Em síntese, relatórios do Governo Federal indicam que os órgãos que fiscalizam o setor elétrico sabiam da condição dos equipamentos e dos riscos de um apagão no Estado do Amapá, tanto que documentos do Ministério de Minas e Energia, do ONS e da ANEEL indicam que a subestação Macapá
operava no limite da capacidade há cerca de dois anos.

“Essa medida é fundamental para garantir que seja feita justiça à situação de caos que o povo do Amapá tem vivido”, explicou o senador Randolfe Rodrigues.

APAGÃO
A interrupção no fornecimento de energia elétrica no Amapá já se estende por mais de 15 dias (oscilando entre blecautes, racionamentos e rodízios de energia), sendo que os efeitos danosos deste “apagão”, já considerado o maior e mais prolongado na história do país, têm atingindo drasticamente a população amapaense, sobretudo as classes mais carentes, diante de um pavoroso cenário de crise retratado pelo comprometimento na prestação de outros serviços essenciais como o fornecimento de água potável, serviços de comunicação (internet e telefonia), serviços de saúde, segurança pública, dentre outros. Para piorar, tudo potencializado pelo avanço do contágio por coronavírus na capital do estado e em municípios contíguos, onde se concentram a maior parte da população.

(Ascom do senador Randolfe)

Novo parque gerador fica pronto hoje em Macapá

Instalação de postes elétricos está sendo concluída para receber os geradores térmicos. Davi acompanha de perto os trabalhos

Hoje, 15 de novembro. É domingo e feriado. Mas não é dia de descanso para técnicos da CEA e da Eletronorte,
que estão instalando os postes para receber os geradores de energia em Macapá.

Conforme anunciado, a Eletronorte comprou, de forma emergencial, 45MW (25MW para a subestação de Santana e outros 20MW para a de Santa Rita), após autorização do governo federal. Esta contratação extraordinária é o que falta para o restabelecimento de 100% da energia.

A medida também é parte do plano de ações do Gabinete de Crise para que não ocorram novos blecautes.

As obras ficam prontas ainda hoje.
Também as três balsas com as novas usinas contratadas pela Eletronorte começam a chegar neste domingo (15) a Macapá.

“Estamos mais perto da solução”, afirmou o presidente do Senado Davi Alcolumbre.

(Texto e foto: Assessoria de Imprensa de Davi Alcolumbre)

Só amanhã… talvez

O transformador que vem do Laranjal do Jari para Macapá ainda não saiu de lá. Uma das dificuldades foi encontrar uma carreta que suportasse o tamanho e peso para transportá-lo da subestação para a balsa.

Os técnicos estão trabalhando para fazer o transporte. A previsão é que saia de lá amanhã, de balsa, e chegue em Macapá na terça-feira.

E aí até montar, colocar óleo, fazer os testes… leva alguns dias.

Eletronorte inicia montagem de parque de geração térmica para produção de 45 MW em Macapá

Equipes da Eletronorte trabalham incansavelmente para pôr fim ao racionamento de energia na capital. Em reunião ontem (13), o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (Democratas-AP) e membros da diretoria da empresa trataram sobre os detalhes da instalação do parque elétrico que vai gerar a energia que falta para restabelecer o fornecimento de 100% em todo o Amapá.

A construção do complexo gerador teve início já na noite de ontem (13), com os trabalhos se estendendo pela madrugada, initerruptamente.

Como noticiado anteriormente, a Eletronorte comprou, de forma emergencial, 45MW (25MW para a subestação de Santana e outros 20MW para a de Santa Rita), após autorização do governo federal. Esta contratação extraordinária corresponde a quantidade necessária para que se atinja a capacidade de 260MW para produção energética final em Macapá.

O gerador de energia térmica se destina especificamente a melhorias no sistema de distribuição de energia. O parque também é parte do plano de ações do Gabinete de Crise para que não ocorram novos blecautes.

A previsão é de que o novo parque gerador em Macapá fique pronto até a próxima quarta-feira (18).

As três balsas com as novas usinas contratadas pela Eletronorte saíram de Manaus e estão a caminho de Macapá.

(Texto e foto: Assessoria de Imprensa  de Davi Alcolumbre)