Operação Ouro Perdido – PF cumpre 20 mandados de prisão

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (18/6), a Operação Ouro Perdido, visando desarticular organização criminosa instalada no Oiapoque/AP, que pratica a exploração e comercialização de ouro extraído
ilegalmente de garimpos clandestinos localizados em território nacional e estrangeiro.A ação conta com apoio da Receita Federal, do Ministério Público Federal, da Força Aérea Brasileira e do Exército Brasileiro.
128 policiais federais dão cumprimento a 20 mandados de prisão temporária e 36 mandados de busca e apreensão, a pedido da Polícia Federal, no Oiapoque/AP, Macapá/AP, Itaituba/PA, Goiânia/GO, São Paulo/SP, Guarulhos/SP, Jundiaí/SP e Limeira/SP. Ademais, foi determinado pela Justiça Federal o bloqueio de aproximadamente R$ 146 milhões e a suspensão e proibição das atividades comerciais e financeiras dos investigados.
Estão sendo cumpridos, simultaneamente, e de maneira coordenada com a Polícia Federal, uma série de medidas investigativas e fiscalizatórias pelas autoridades francesas, na Guiana Francesa, para combater a exploração e comércio ilegal de ouro clandestino.
A Operação é resultado de Cooperação Policial e Jurídica Internacional.
Durante as investigações houve troca de informações entre as autoridades brasileiras e francesas (Gendarmerie e Ministério Público Francês) acerca da possível prática de crimes em território francês. A Cooperação Policial Internacional foi realizada com auxílio dos Oficialatos de Ligação da Polícia Federal na Guiana Francesa e do Centro de Cooperação Policial existente na cidade de Saint-Georges-de- l’Oyapock.

A Polícia Federal apurou que diversos estabelecimentos comerciais no Oiapoque/AP seriam destinos de ouro extraído clandestinamente da região fronteiriça entre Brasil, Guiana Francesa e Suriname, bem com que os referidos estabelecimentos vendiam o ouro extraído ilicitamente para pessoas físicas e jurídicas, incluindo uma instituição financeira, localizadas em diversas regiões do Brasil.
Os investigados poderão responder, na medida de suas participações, pela prática dos crimes de associação e organização criminosa, crimes financeiros, lavagem de capitais, receptação, usurpação de matéria prima da união e crimes tributários.

Fraude: Gráfica “vendia”material hidráulico para a Caesa

Tem comércio que vende da agulha ao avião, mas gráfica vender material hidráulico  é novidade.
No Amapá – onde tudo acontece – uma gráfica vendeu  material hidráulico para a Companhia de Água e Esgoto. É o que mostram os documentos apreendidos sexta-feira, 14, durante a Operação Água Fria, deflagrada pelo Ministério Público Estadual com o objetivo de coletar provas para a investigação de denúncias da prática de fraude em dispensa de licitação para a aquisição de materiais hidráulicos, peculato, falsidade ideológica e formação de organização criminosa, ocorridas em 2018.
Se a gráfica entregou ou não o material (vai ver que eram tubos de papel) o MP ainda está investigando. Mas de duas coisas já tem certeza: houve superfaturamento e fraude na licitação. “Já conseguimos demonstrar superfaturamento de preço e aquisição de material em empresas que não têm relação com os produtos adquiridos”, disse o promotor de Justiça Afonso Guimarães. Ele ainda não sabe o montante de dinheiro que foi desviado, pois  a investigação ainda está em fase embrionária.
Os documentos, computadores e celulares foram apreendidos na Caesa, em três empresas que supostamente participavam do esquema e nas residências do diretor-presidente e do chefe da comissão de licitação.

Preso hoje o ex-presidente da Comissão de Licitação da Assembleia Legislativa

O ex-presidente da Comissão Permanente de Licitação da Assembleia Legislativa do Amapá, Janiery Torres Everton, foi preso nesta segunda-feira pela Polícia Civil do Amapá, no bairro Renascer.
Condenado a sete anos de prisão pela prática do crime de peculato, desvio e dispensa ilegal de licitação, Janiery estava foragido há dois anos.

Segundo a Polícia desde a expedição do mandado de prisão há dois anos, Janiery  passou a não ter paradeiro certo e deixou a barba crescer visando dificultar a sua captura. Os policiais civis, que estavam monitorando a casa onde mora a sua genitora, o avistaram e o prenderam em uma residência que ele havia alugado, próxima à casa dela.

Potencial de óleos vegetais no combate a fungos é tema de seminário na Embrapa

Com o objetivo de verificar o potencial antifúngico dos óleos de copaíba, andiroba e cumaru sobre duas espécies de fungos (A. nomius e A. Fumigatus) presentes na castanha-da-Amazônia, e avaliar o grau de toxidade aguda em zebrafish, a pesquisadora Jurema do Socorro Azevedo Dias, da Embrapa Amapá, dedicou-se a observações e pesquisas de campo para elaborar a tese de doutorado intitulada “Potencial anti-fúngico dos óleos fixos de Copaifera sp., Carapa guianensis Aubl. e Dipteryx odorata (Aubl.) Willd. sobre Aspergillus nominus Kurtzman, Horn & Hesseltine e Aspergillus fumigatus Fresenius isoladas de Bertholletia excelsa Humb. & Bompland e avaliação da toxidade aguda em Danio rerio“. Nesta terça-feira, 18/6, a partir das 9 horas, a pesquisadora vai apresentar um seminário sobre o tema, no auditório Marabaixo da Embrapa Amapá, em Macapá. O acesso é livre a todos os interessados no assunto.

O doutorado em Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal foi realizado pela Universidade Federal do Amapá (Unifap), com orientação do professor doutor José Carlos Tavares Carvalho (Bionorte-Unifap, que compôs a banca examinadora junto com os professores doutores Brenda Lorena Sanchéz-Ortíz (Unam-México); Marcos Tavares Dias (Bionorte-Unifap); Ricardo Adaime da Silva (Bionorte-Unifap); e Adilson Lopes Lima (Embrapa).

Para realizar esse estudo, as sementes de castanha-da-Amazônia foram coletadas na Reserva Extrativista do Rio Cajari, Amapá (Laranjal do Jari/AP) e os experimentos realizados em laboratório. O material de copaíba foi coletado em uma área do assentamento Nova Canaã e da andiroba na Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, diretamente do tronco. Quanto óleo do cumaru, foi coletado em trechos da rodovia Juscelino Kubitschek (perímetro Macapá-Fazendinha), utilizando prensa hidráulica a frio. O material está registrado junto ao Herbário do Instituto Estadual de Pesquisa e Tecnologia do Estado do Amapá (IEPA). A obtenção do óleo de andiroba, ressalta o texto da tese, foi realizada por meio do processo artesanal.

Como parte da conclusão da pesquisa, Jurema Dias enfatiza que tanto o óleo quanto a nanoemulsão do óleo de copaíba são potenciais inibidores do crescimento micelial dos fungos Aspergillus nomius e A. fumigatus.  Embora o óleo da copaíba adicionado de Tween 20, tenha apresenta maior efeito inibitório sobre o crescimento micelial destas espécies fúngicas, provavelmente pelo fato das concentrações utilizadas nas emulsões preparadas com o óleo, tenham sido muito menores do que as concentrações utilizadas no preparo das nanoemulsões com o mesmo óleo.

(Texto: Dulcivânia Freitas)

Senai abre 510 vagas para cursos gratuitos

Macapá/Santana/Vale do Jari – O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do Amapá está com inscrições abertas para cursos gratuitos de qualificação profissional e aperfeiçoamento. As opções atendem à necessidade de capacitação rápida para profissionais que já estão no mercado de trabalho ou que buscam uma nova inserção. São 329 vagas ofertadas para a comunidade de Macapá, 175 em Santana e 60 para a unidade do Vale do Jari.

As inscrições devem ser realizadas até quarta-feira, 19 de junho, no horário das 8h às 12h e das 14h às 18h, presencialmente, nas escolas do SENAI em cada município. O candidato deverá se matricular em apenas uma única escola e para um único curso. Para isso, no ato da inscrição, o candidato deverá apresentar os documentos que constam no edital do processo seletivo, comprovar que recebe qualquer auxílio ou benefício do Governo Federal ou Estadual, ou que comprovar renda familiar inferior a um salário mínimo por pessoa.

Os cursos disponíveis para as escolas de Macapá são: Manutenção de Sistemas de Cargas e Partidas, Manutenção de Sistemas de Sinalização e Iluminação (Automotivo), Inversores de Frequência e Soft-starter, Execução de Serviços Técnicos Comerciais, Manutenção de Redes de Distribuição de Energia Elétrica, Comunicação Empresarial, Gestão de Pessoas, Word Avançado, Instalador Hidráulico, Operador de Computador (Banda), Modelagem, Tecnologias em Edificações e Tecnologias Elétricas.

Na unidade de Santana há vagas para os cursos Comunicação Empresarial, Gestão de Pessoas, Word Avançado, Operador de Computador, Assistente de RH e Fundamentos de Saúde e Segurança no Trabalho. Já na unidade Vale do Jari será possível se matricular nos cursos Montador e Manutenção de Computadores e Tecnologias Elétricas.

(Ascom)

Assalto com reféns

Assalto agora à noite, com reféns.
Os bandidos fizeram um assalto no bairro Marabaixo e com a chegada da Polícia fugiram levando um refém.
Na Avenida Padre Júlio Maria Lombard, no bairro Santa Rita (Zona Sul de Macapá) fugindo da polícia efetuaram disparos contra a viatura policial. Um tiro atingiu uma policial que estava na viatura. Ela está sendo atendida no Hospital de Emergências.
Evitem passar pela Padre Júlio agora, pois está tumultuado por lá.
As marcas de balas na viatura

Sobre a “Operação Água Fria”

Nesta segunda-feira (17), às 9h, o coordenador do Grupo de Atuação Especial para Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Amapá (MP-AP), promotor de Justiça Afonso Guimarães, dará  esclarecimentos sobre a Operação Água Fria, deflagrada na última sexta-feira (14) quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa), residências e três empresas, em Macapá.
Os documentos apreendidos vão subsidiar as investigações sobre superfaturamento de preços e direcionamento de licitação na Caesa.
O MP não divulgou nomes dos investigados.

MP lançou hoje o Dicionário Socioambiental do Amapá

O Ministério Público lançou na manhã de hoje, Dia Mundial do Meio Ambiente, o Dicionário Socioambiental do Amapá, organizado pelo  engenheiro florestal Alcione Cavalcante.
Com mais de 350 verbetes e expressões usadas no tratamento das questões ambientais, a publicação simplifica a linguagem técnica mais utilizadas no Amapá, com base na legislação ambiental do estado e municípios, com o objetivo de facilitar a compreensão de terminologias por parte de profissionais e acadêmicos.
Eis o link para acessar essa importante obra —>
https://www.mpap.mp.br/images/Dicionario_Socioambiental_Interativ.pdf

Dicionário Socioambiental do Amapá

Nesta quarta-feira, 5, Dia Mundial do Meio Ambiente, o Ministério Público  lança, em formato e-book, o  Dicionário Socioambiental do Amapá, organizado pelo engenheiro florestal Alcione Cavalcante.
Com mais de 350 verbetes e expressões usadas no tratamento das questões ambientais, a publicação simplifica a linguagem técnica mais utilizadas no Amapá, com base na legislação ambiental do estado e municípios, com o objetivo de facilitar a compreensão de terminologias por parte de profissionais e acadêmicos.