Hoje – 45 anos da Revolução dos Cravos

A Revolução Dos Cravos foi o movimento que derrubou o regime salazarista em Portugal, e ocorreu no ano de 1974, de forma a estabelecer liberdades democráticas, com o intuito de promover transformações sociais no país.
A senha para o início do movimento foi dada à meia-noite através de uma emissora de rádio, a senha era uma música proibida pela censura, “Grândula Vila Morena”, de Zeca Afonso. Os militares fizeram com que Marcelo Caetano fosse deposto. Ele acabou fugindo para o Brasil. A presidência de Portugal foi assumida pelo general António de Spínola. A população saiu às ruas para comemorar o fim da ditadura de 48 anos, e distribuiu cravos, a flor nacional, aos soldados rebeldes em forma de agradecimento, dando origem ao nome “Revolução dos Cravos”.

Lucas Barreto aponta alto risco de barragem de rejeitos abandonada no Amapá

O senador Lucas Barreto (PSD-AP) denunciou ontem (23) o abandono da barragem de rejeitos Mário Cruz, que fica no município de Pedra Branca do Amapari, no Amapá. Segundo ele, a barragem encontra-se abandonada pelo grupo Anglo American/Zamin Ferrous desde 2014. O parlamentar cobrou respostas da Agência Nacional de Mineração (ANM) e do Ministério Público Estadual.

— Há cinco anos essa barragem não tem nenhuma manutenção. Há cinco anos essa barragem não tem um vigia sequer. E, ironicamente, depois de a mídia nacional e a local chamarem a atenção para a gravidade do fato, a Agência Nacional de Mineração tomou a absurda e cômica decisão de interditar o uso da barragem Mário Cruz— disse o parlamentar.

Ele explicou que a barragem é de alto risco ambiental, que uma vez rompida, põe em risco as comunidades do Rio Amapari e as cidades de Porto Grande e Ferreira Gomes. Ele ressaltou que, além das comunidades, a barragem de rejeitos de minério coloca em risco também as três hidrelétricas que estão no Rio Araguari, que ficam a 115 km da barragem de rejeitos da Anglo American/Zamin Ferrous: Cachoeira Caldeirão, Paredão e Usina de Ferreira Gomes.
(Fonte: Agência Senado)

Operação PC27 prende 67 foragidos no Amapá

A Polícia Civil do Amapá (PC/AP) prendeu 67 pessoas na “Operação PC27”, que ocorreu em todo o Brasil nesta quarta-feira, 24, e teve como alvo foragidos da Justiça que cometeram diversos crimes considerados graves, como latrocínio, homicídio, roubo, tráfico de drogas e extorsões. O balanço das ações, que começaram às 5h, foi divulgado no fim da tarde. A maioria das prisões ocorreu em Macapá, Santana e Porto Grande.

No Amapá, 120 policiais civis, com apoio de 30 viaturas, atuaram na operação em 14 municípios, para cumprir 80 mandados de prisão. Somente Itaubal e Cutias ficaram de fora. 23 pessoas foram presas em flagrante, 15 preventivamente, 3 temporariamente, além de 26 com sentença condenatória transitada em julgado. Os agentes apreenderam três armas de fogo e munições.

“Todas essas ações são para tolhir os avanços da criminalidade e já temos frutos, pois observamos que o número de ocorrências e prisões em flagrantes, de modo geral, já diminuíram, ou seja, polícia na rua é sinal de maior segurança para a sociedade. E a Polícia Civil do Amapá continuará participando de todas as operações nacionais”, ressaltou o delegado-geral da PC/AP, Uberlândio Gomes.

A operação foi batizada de PC 27 por envolver as polícias civis das 27 unidades da Federação e foi coordenada pelo Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil (CONCPC). O objetivo é promover e integrar o Sistema Único Segurança Pública, coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

No Amapá, desde o início do ano, mais de 700 pessoas já foram presas em operações da Polícia Civil.
(Secom)

Para ler na Sexta-Feira Santa – Conto Abril Século XX

Conto Abril – Século XX
Alcy Araújo (1924-1989)

É abril. Esta, a grande e universal verdade. Abril – Século XX, explico. Relembrando judas, o que traiu, e Pilatos, o que lavou as mãos, e Pedro, o que negou. Abril trazendo até nós a lembrança de que numa sexta-feira do mundo crucificaram o Homem Bom. O que acreditava na remissão dos homens. O que andou sobre a poeira escaldante dos caminhos e sobre a leveza das espumas, conduzindo de público o gesto de bondade. O que não traiu. O que não foi indiferente. O que não negou. Eu sou a Verdade, disse. Capaz de todos os sofrimentos e de amar sobre todas as coisas. Sabia que amar é um modo de sofrer.
Numa sexta-feira do Mundo, o Homem Bom subiu a colina fora da cidade. Com o Homem, o Cirineu, as mulheres, os centuriões, a turba. Do alto da cruz elevou-se ao seu reino. César era de outro mundo. Ficaram a turba, os centuriões, as mulheres, o cirineu.

Vinte séculos depois de trinta e três anos de exemplos, envergonhado e triste, diante do templo, da imagem, círios lacrimais, o poeta não tem coragem de pronunciar o seu santo nome.

Bastaria isso. Estariam salvas as almas migratórias, desencontradas, exodoidais que habitam as latitudes do poeta.

Sabeis. Muitos séculos viveu o poeta. Do Gênesis a abril do corrente século. Mais precisamente. Do caos ao hoje. Por isso os sentimentos. A traumatização da palavra sagrada, disse, há pouco. Melhor direi inibição. Melhor ainda. Descoberta de velhos sentimentos, na contemplação das almas do poeta.

Contarei a descoberta. O poeta contemplava nesta hora do século os olhos de suas almas multiplicadas, fixos nos céus, por onde passam anjos, estrelas, música de rádio, imagens de TV. E o poeta – cheio de experiências bem vividas – Caos, Paraíso, Dilúvio, Sodoma, Babilônia, Cartago, Roma, Wall Street, etc. etc. – se comoveu.

Suas almas, almas de poeta, todas ali, sem faltar nenhuma, na muda contemplação do azul, do infinito, dos horizontes do Pai. Emotivo e feliz, o poeta chorou. O poeta chora como os anjos.

Seus olhos, então, alçaram vôo, enquanto a mão emocional acariciava os cabelos cor de lago da alma recém-nascida.

Era chegado o momento. Tudo consumado. Ao longe, imóvel, pairava o disco voador.

Perdoai, Senhor, eles não sabem o que fazem. É abril – Século XX.

(Extraído do livro Autogeografia, de Alcy Araújo, lançado em 1965)

“Uma cruz para Jesus” hoje no anfiteatro da Fortaleza de São José

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) selecionou 15 grupos teatrais, através de edital, para apresentações com narrativas em homenagem à Semana Santa. São 21 encenações que começaram ontem e vão até o dia 21 em escolas, praças, igrejas e monumentos culturais dos municípios de Macapá e Calçoene.
Uma das peças de maior sucesso há muitos anos em Macapá é  “Uma Cruz para Jesus”. Ela será encenada nesta quinta-feira, às 20h, no Anfiteatro da Fortaleza de São José.

Confira a Programação
Quinta-feira (18/4)
20h – Uma Cruz para Jesus – Cia de Teatro de Arena (Anfiteatro da Fortaleza de São José- bairro Centro – Macapá)

Sexta-feira (19/4)
19h – A Ressurreição de Cristo – Grupo Calçoarte (Centro da Festividade Nossa Senhora da Conceição – município de Calçoene)
19h – O Cordeiro Deus – Quimera Cia de Teatro (Estação de Água da Caesinha – bairro Perpétuo Socorro – Macapá)
19h30 – O Auto da Paixão – Cia de Teatro Cristão Arts Sacra (Praça Chico Noé – bairro Laguinho – Macapá)
20h – Dolorosa Paixão – Grupo de Elenco Independente (Escola de Música Walkíria Lima – bairro Centro – Macapá)

Sábado (20/4)
19h30 – Cristo por Elas – Grupo Movimento Cultural Desclassificável (Barracão da Tia Gertrude – bairro Santa Rita – Macapá)

Domingo (21/4)
9h – Musical de Páscoa Aleluia – Cia Viva de Teatro (Rua Evaldo Veras nº 59 – bairro Jardim Marco Zero – Macapá)
17h30 – Projeto Via Sacra na Ponte – Grupo Hemisfério (Encantos dos Alagados – bairro do Muca – Macapá)
17h30 – Estrela Guia – Cia de Arte Tucujú (Baixada do Ceará – bairro Pacoval – Macapá)
19h – Terra Santa – Estrela Guia (Centro de Mobilização Social – bairro Nova Esperança – Macapá)
19h – A Saga de Cristo – Grupo Teatral Marco Zero (Centro Paroquial da Igreja do Perpetuo Socorro – Macapá)
20h – Nazareno o Filho de Deus – Grupo Piracuí (Barracão da Tia Gertrude – bairro Santa Rita – Macapá)

Veja os pontos de venda do projeto Peixe Popular

A Agência de Pesca do Amapá (Pescap) divulgou os locais e espécies que serão vendidos no período de 16 a 19 de abril, em Macapá, pelo Projeto Peixe Popular. Para esta edição, o projeto terá duas novidades: a comercialização de filé de peixes do mar e camarão.

Além de Macapá, haverá pontos de venda nos municípios de Santana (5), Porto Grande (1), Itaubal do Piririm (1) e Vitória do Jari (1). Este ano, a previsão é disponibilizar 150 toneladas de pescado.

A venda de filé de pescado do mar será no ponto de comercialização do bairro Buritizal, na zona sul de Macapá, e a população poderá comprar filé de diversas espécies com preços de R$ 15 a R$ 20. Já o camarão fresco, vendido no mesmo local, será comercializado ao valor de R$ 22 o quilo. E a dourada está entre as espécies que serão vendidas ao valor que varia de R$ 7 a R$ 15, o quilo.

O peixe vivo será vendido nos dias 17 e 18 de abril, no ponto de comercialização do bairro Pacoval, na zona norte, ao valor de R$ 11 o quilo.

Confira os locais de comercialização em Macapá:

Zona Sul
Rua: Claudomiro de Moraes, em frente à Feira do Produtor. Bairro Buritizal. Espécies: gurijuba; pescada amarela; uritinga; sarda; bagre; corvina; pescadinha; pescada gó; serra; mapará; pescada branca; curimatã; cará-açú; bandeirado; pirapitinga; tambaqui e congós;

Rua: Claudomiro de Moraes, em frente à Feira Maluca. Bairro Buritizal. Espécies: tambaqui; piramutaba; pirapitinga; mapará; curimatã; dourada; tamuatá e piranambu.

Arena do Muca, em frente à Escola Estadual Lauro Chaves. Bairro Muca. Espécies: gurijuba; pescada amarela; sarda; uritinga; bagre; corvina; pescadinha e serra.

Rua: Setentrional, em frente à Unidade de Policiamento Comunitário (UPC) do Araxá. Espécies: camurim; piramutaba; uritinga; bagre; tamuatá; traíra; jeju; pirapitinga e pescada gó.

Zona Leste
Avenida José dos Santos Furtado, ao lado da Colônia de Pescadores Z1. Bairro Perpétuo Socorro. Espécies: pirapitinga; curimatã; tambaqui; pescadinha; aracu; mapará; dourada; piramutaba; camurim; bagre e sarda.

Zona Oeste
Rodovia Duca Serra, próximo ao Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen). Bairro Marabaixo. Espécies: corvina; uritinga; pescada amarela; cará-açú; bandeirado; pirapitinga; bagre; curuca e serra.

Zona Norte
Em frente à Feira do Produtor. Bairro Pacoval. Espécies: pirapitinga; pescadinha; mapará; aracu; apaiari; tamuatá; piramutaba; matrichã; pescada branca e curimatã.

Em frente a Subprefeitura da Zona Norte. Bairro Infraero II. Espécies: pirapitinga; curimatã; tambaqui; pescadinha; aracu; mapará; dourada; piramutaba; camurim; bagre e sarda.

Avenida Alexandre Ferreira da Silva, atrás do Ciosp do Novo Horizonte. Bairro Novo Horizonte. Espécies: tambaqui; piramutaba; pirapitinga; mapará; curimatã; dourada; tamuatá e piranambu

Feira do Peixe Vivo começa nesta terça

Como forma de manter a tradição quanto ao consumo de peixe durante a Semana Santa, a Prefeitura de Macapá promoverá a Feira do Peixe Vivo, a partir desta terça-feira, 16, e se estenderá até quinta, 18. 

Serão comercializadas nove toneladas de pescado nesta edição do projeto. Tambaqui e Pirapitinga serão vendidos a R$ 10,00 o quilo. Serão três pontos diferentes em cada dia. Além disso, terá a presença de agricultores, que farão a Feira da Agricultura Familiar, a partir das 7h30.

Confira o calendário:
16/04 (terça-feira)
– Conjunto Macapaba – espaço reservado para feira (bloco-30);
– Brasil Novo – terminal de ônibus;
– Jardim Felicidade – em frente à UBS Marcelo Cândia.

 17/04 (quarta-feira)
– Residencial Jardim Açucena – galpão dos empreendedores;
– Congós – Av. Claudomiro de Moraes com a 7ª Av. dos Congós;
– Zerão – segunda arena do bairro.

18/04 (quinta-feira)
– Laguinho – Praça Chico Noé;
– Cabralzinho – praça do bairro;
– Marabaixo III – arena esportiva do bairro.

Sesi e Senai abrem vagas para instrutores e estagiários

O Serviço Social da Indústria (SESI) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) estão com processos seletivos abertos para contratação de instrutores e estagiários para as Unidades de Macapá, Santana e Vale do Jari. As inscrições para ambos podem ser feitas até quinta-feira, 18 de abril, com o envio do currículo constando a vaga e o nome completo, para o e-mail: rh.curriculum@sesisenaiap.org.br.

As vagas para o processo seletivo do SENAI são para instrutores de Libras e Mecânica. Para consultar o edital, acesse o site: www.ap.senai.br e busque o Comunicado do Processo Seletivo nº 002/2019, na área Editais.

Para o processo seletivo de estagiários para o SESI e para o SENAI há vagas destinadas para estudantes de Administração, Contabilidade, Engenharia de Produção, Educação Física, Tecnologia da Informação, Segurança do Trabalho e Pedagogia. O edital com as informações está publicado nos sites: www.ap.senai.br e www.ap.sesi.org.br – Comunicado do Processo Seletivo nº 001/2019, na área Editais.

Os estagiários de Segurança do Trabalho – nível técnico – receberão uma bolsa auxílio correspondente a 60% do salário mínimo vigente, os estagiários de nível superior receberão remuneração de 70% do salário mínimo vigente.

Gente imunda

Assim não tem combate. Povo não se educa mesmo. Joga lixo em qualquer lugar, depois reclama e até chora quando a cidade alaga por causa da lixarada que entope os bueiros.
Mas enquanto parte da população não se educar, os alagamentos vão ocorrer sempre que cair uma chuva mais forte.
Ontem mesmo a Prefeitura retirou mais de 170 toneladas de lixo nos bairros Santa Rita e Buritis. É lixo doméstico descartado de forma irregular,  restos de eletrodomésticos, carcaças de máquina de lavar, liquidificador, televisão de tubo,  sofá e colchões.
“A prefeitura vem e limpa, mas os moradores têm que colaborar. Espero que agora as pessoas tenham mais consciência e não joguem mais lixo na rua, porque os prejudicados somos nós”, diz massoterapeuta Elza Araújo, que mora no Santa Rita há mais de 20 anos.