Nota de pesar

NOTA DE PESAR

Foi com profunda tristeza e em choque que recebi a notícia do falecimento tão precoce e repentino do ex vice-prefeito de Macapá e secretário Municipal de Finanças, Allan Sales, na noite deste domingo, 5 de abril, vítima de acidente doméstico.

Allan nos deixou aos 60 anos, era natural do Rio de Janeiro, mas um apaixonado pela nossa cidade. Foi vice prefeito de Macapá no nosso primeiro mandato de 2013 a 2016 e contribuiu para que a nossa capital fosse reconstruída.

Enfrentamos juntos os piores momentos na gestão pública municipal quando assumimos a prefeitura de Macapá, mas trabalhamos firmes e ganhamos a credibilidade da população macapaense para vencermos as fases mais difíceis. Sua lealdade e austeridade foram fundamentais para prosseguirmos e encontrarmos o caminho certo para nossa cidade.

Muito obrigado Allan, por sua enorme contribuição, um homem de um coração gigante, proporcional ao seu porte, sorriso largo, jeito afável e uma cabeça sempre cheia de sonhos, ideias e ideais.

Allan deixa como legado uma belíssima trajetória, marcada pelo respeito ao próximo, amor e dedicação à família e amigos e relevantes serviços prestados ao nosso município. Deixa duas filhas, familiares e muitos admiradores.

Neste momento de profunda dor, onde as palavras me faltam,  peço a Deus que, com toda a sua infinita misericórdia, dê conforto e força às suas filhas, a pequena Marina e Assizely, e à toda família que já sentem o vazio deixado por esse grande homem, pai amoroso e amigo leal.

Clécio Luís
Prefeito de Macapá

Polícia indicia motora de aplicativo que fugiu com as compras dos passageiros

A Polícia Civil do Estado do Amapá, por meio da 6ª Delegacia de Polícia da capital, indiciou nesta quarta-feira (1) um homem de 29 anos de idade pelo crime de apropriação indébita majorada pelo emprego ou profissão.

Conforme apurado nas investigações, no dia 22 de Março de 2020, um casal solicitou por meio de um aplicativo de transporte de passageiros um veículo para que o conduzisse de um supermercado  no Bairro Açaí, para uma residência  no Bairro Renascer II, em Macapá.

O motorista do aplicativo compareceu ao local e auxiliou o casal a colocar no porta malas do carro as compras  –  cerca de R$ 300,00 (trezentos reais) em mantimentos.

Ao chegar no destino, após os passageiros desembarcarem  o motorista acelerou o veículo e  se mandou com as compras do casal, que estavam no porta malas.

Segundo o delegado de Polícia Leandro Vieira Leite, o  veículo era alugado e estava sublocado a outras duas pessoas. “Através das investigações, logramos êxito em identificar o suspeito, que agora irá responder na Justiça pelo crime”, disse o delegado.

A pena para o crime de apropriação indébita é de reclusão de um a quatro anos, e multa, podendo ser majorada em 1/3 pelo exercício do emprego ou profissão.

(Com informações da Polícia Civil)

Dia da Mentira

Você já deve ter ouvido – e também contado – muitas mentiras.
Agora conta pra nós qual foi a mentira mais cabeluda ou a mais engraçada ou a mais bobinha que já ouviu ou contou.

É isso mesmo

“Nós temos muitos direitos constitucionais. Direito de ir e vir. Direito de se reunir. Mas o direito à vida e o direito à saúde, se sobrepõem”.
(Desembargador João Guilherme Lages, presidente do Tribunal de Justiça do Amapá)

Hospitais, clínicas e laboratórios devem informar ao Município sobre atendimento de casos suspeitos do novo Coronavírus

Como parte do pacote de medidas preventivas de combate à proliferação do Coronavírus, o prefeito de Macapá, Clécio Luís, deu continuidade às ações que vêm sendo adotadas pela prefeitura. Ontem, 29, foi assinado o Decreto nº 1.750/2020, que dispõe sobre a obrigatoriedade de hospitais (públicos e particulares), médicos e laboratórios particulares notificar o Município quanto ao atendimento de pacientes cujo quadro seja compatível ao novo Coronavírus, seja suspeito ou confirmado.

As instituições de saúde devem notificar, compulsoriamente, os suspeitos de infecção pelo Covid-19. Isso é importante para que o Município faça o acompanhamento desses casos. “A necessidade é para que não sejamos surpreendidos com casos que estejam aumentando sem que a equipe tenha conhecimento, para que medidas de prevenção da proliferação do novo Coronavírus sejam tomadas”, comenta o subsecretário de Vigilância em Saúde de Macapá, Eldren Lage.

O decreto estabelece ainda que as notificações devem conter os dados completos, bem como a cópia do exame do paciente. As informações do atendimento precisam ser passadas ao Departamento de Vigilância Epidemiológica municipal em no máximo 4 horas após a primeira consulta/avaliação do indivíduo.

Todos os decretos municipais de prevenção e combate ao Coronavírus podem ser acessados pelo endereço eletrônico

http://macapa.ap.gov.br/coronavirus/decretos/.

(Secretaria de Comunicação de Macapá)

Juízes do trabalho dizem que as propostas de redução salarial afrontam os princípios constitucionais

A Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho do Pará e Amapá, lançou nota, hoje, 28.03, em apoio aos projetos de lei que instituem renda emergencial básica e que taxam grandes fortunas.

Na nota, a Associação  se manifesta contra a redução de salários dos trabalhadores e também dos proventos de servidores públicos.

Leia:

Papa Francisco: Abraçar o Senhor para abraçar a esperança

Com o cenário inédito da Praça São Pedro vazia com o Papa Francisco diante da Basílica Vaticana, o Pontífice afirmou que é “diante do sofrimento que se mede o verdadeiro desenvolvimento dos povos”. Francisco falou ainda da ilusão de pensar “que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente”.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

Abraçar o Senhor para abraçar a esperança: esta é a mensagem do Papa Francisco aos fiéis de todo o mundo que, neste momento, se encontram em meio à tempestade causada pela pandemia do coronavírus.

Diante de uma Praça São Pedro completamente vazia, mas em sintonia com milhões de pessoas através dos meios de comunicação, o trecho escolhido para a oração dos féis foi a tempestade acalmada por Jesus, extraído do Evangelho de Marcos.

E foi esta passagem bíblica que inspirou a homilia do Santo Padre, que começa com o “entardecer…”.

“Há semanas, parece que a tarde caiu. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo de um silêncio ensurdecedor e de um vazio desolador… Nos vimos amedrontados e perdidos.”

Estamos todos no mesmo barco
Estes mesmos sentimentos, porém, acrescentou o Papa, nos fizeram entender que estamos todos no mesmo barco, “chamados a remar juntos”.

Neste mesmo barco, seja com os discípulos, seja conosco agora, está Jesus. Em meio à tempestade, Ele dorme – o único relato no Evangelho de Jesus que dorme – notou Francisco. Ao ser despertado, questiona: «Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» (4, 40).

A ilusão de pensar que continuaríamos saudáveis num mundo doente

Com a tempestade, afirmou o Papa, cai o nosso “ego” sempre preocupado com a própria imagem e vem à tona a abençoada pertença comum que não podemos ignorar: a pertença como irmãos.

“Na nossa avidez de lucro, deixamo-nos absorver pelas coisas e transtornar pela pressa. Não nos detivemos perante os teus apelos, não despertamos face a guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo. Avançamos, destemidos, pensando que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente. Agora, sentindo-nos em mar agitado, imploramos-Te: «Acorda, Senhor!»”

O Senhor então nos dirige um apelo, um apelo à fé. Nos chama a viver este tempo de provação como um tempo de decisão: o tempo de escolher o que conta e o que passa, de separar aquilo que é necessário daquilo que não é. “O tempo de reajustar a rota da vida rumo ao Senhor e aos outros.”

A heroicidade dos anônimos

Francisco cita o exemplo de pessoas que doaram a sua vida e estão escrevendo hoje os momentos decisivos da nossa história. Não são pessoas famosas, mas são “médicos, enfermeiros, funcionários de supermercados, pessoal da limpeza, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas e muitos – mas muitos – outros que compreenderam que ninguém se salva sozinho”.

“É diante do sofrimento que se mede o verdadeiro desenvolvimento dos nossos povos”, afirmou o Papa, que recordou que a oração e o serviço silencioso são as nossas “armas vencedoras”.

A tempestade nos mostra que não somos autossuficientes, que sozinhos afundamos. Por isso, devemos convidar Jesus a embarcar em nossas vidas. Com Ele a bordo, não naufragamos, porque esta é a força de Deus: transformar em bem tudo o que nos acontece, inclusive as coisas negativas. Com Deus, a vida jamais morre.

Temos uma esperança

Em meio à tempestade, o Senhor nos interpela e pede que nos despertemos. “Temos uma âncora: na sua cruz fomos salvos. Temos um leme: na sua cruz, fomos resgatados. Temos uma esperança: na sua cruz, fomos curados e abraçados, para que nada e ninguém nos separe do seu amor redentor.”

Abraçar a sua cruz, explicou o Papa, significa encontrar a coragem de abraçar todas as contrariedades da hora atual, abandonando por um momento a nossa ânsia de onipotência e posse, para dar espaço à criatividade que só o Espírito é capaz de suscitar. “Abraçar o Senhor, para abraçar a esperança.” Aqui está a força da fé e que liberta do medo. Francisco então concluiu:

“Deste lugar que atesta a fé rochosa de Pedro, gostaria nesta tarde de confiar a todos ao Senhor, pela intercessão de Nossa Senhora, saúde do seu povo, estrela do mar em tempestade. Desta colunata que abraça Roma e o mundo, desça sobre vocês, como um abraço consolador, a bênção de Deus. Senhor, não nos deixes à mercê da tempestade.”

Ao final da homilia, o Pontífice adorou o Santíssimo e concedeu a bênção Urbi et Orbi, com anexa a Indulgência Plenária.

(Fonte: Vatican News)

Nota em defesa da vida

Nota pública em Defesa da Vida
As entidades que subscrevem esta nota reuniram-se hoje (27/03), de modo virtual, para alertar a população que fique em casa respeitando as recomendações da ciência, dos profissionais de saúde e da experiência internacional.

Estratégias de isolamento social, fundamentais para conter o crescimento acelerado do número de pessoas afetadas pelo coronavírus, visam à organização dos serviços de saúde para lidar com esta situação, que, apesar de grave, pode ser bem enfrentada por um sistema de saúde organizado e bem dimensionado.

A campanha de desinformação desenvolvida pelo Presidente da República, conclamando a população a ir para a rua, é uma grave ameaça à saúde de todos os brasileiros. A hora é de enfrentamento desta pandemia com lucidez, responsabilidade e solidariedade. Não deixemos que nos roubem a esperança.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB
Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB
José Carlos Dias, presidente da Comissão Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns
Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências – ABC
Paulo Jeronimo de Sousa, Associação Brasileira de Imprensa – ABI
Ildeu de Castro Moreira, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC

27 de março de 2020.