Memorial Amapá – Nota Oficial

Desde 1782 a Fortaleza de São José de Macapá está erguida na frente da cidade, resistindo ao tempo.

Nos últimos meses, sem atividade cultural, e agora, se nada for feito, o monumento tombado pelo IPHAN, eleito a Sétima Maravilha do Brasil pela Revista Caras corre o risco de se tornar palco para a Semana da Cultura Country. A propaganda efusiva anuncia para o período de 29 de julho a 6 de agosto uma mega festa denominada “Bailão do Forte” com rainhas da Expofeira, desfile de moda country, e muita, mas muita música de DJ, pra fazer as tumbas e pedras rolarem.

É uma falta de respeito que ofende os amapaenses e sua história!

Este manifesto não se trata de bairrismo contra a cultura de qualquer região ou continente, e sim pedindo respeito com as leis nacionais, que proíbem eventos desta natureza dentro do Patrimônio Histórico Nacional e ao seu redor. É preciso que a lei seja aplicada, assim como durante a quadra junina, quando os festejos e fogos não são permitidos no entorno, e quando são proibidos shows regionais com apelo comercial e de público, som alto e risco de depredação.

Trata-se de um manifesto em defesa da valorização de nossa cultura e tradições, uma vez que faz tempo que não há qualquer incentivo para programação regional no Museu da Fortaleza de São José de Macapá, que poderia abrigar exposição sobre a história deste nosso monumento tombado como patrimônio nacional, ou para contar a saga da edificação da cidade de Macapá que surgiu no entorno da imponente fortificação.

É pela indignação com esse tipo de atitude desrespeitosa e que desvaloriza nossa história e costumes, que atentam contra sua preservação, que o Instituto Memorial Amapá existe.

Rogamos às autoridades do Amapá que não permitam que este acinte ao nosso monumento, a nossa história e a nossa cultura se concretize.

Walter Jr do Carmo
Presidente do Memorial Amapá

memorial

MPE denuncia pré-candidato por pesquisa eleitoral irregular

O Ministério Público Eleitoral, (MPE-AP), por meio da promotora Eleitoral de Oiapoque, Thaysa Assum de Moraes, entrou com uma representação por pesquisa eleitoral irregular na internet contra o presidente regional no Amapá do Partido Trabalhista do Brasil (PT do B), Adail Dias, e o pré-candidato à prefeitura do Município, pelo mesmo partido, Enoque Galvão. Continue lendo

Maracá e Cunani são apostas para moda amapaense

Durante os meses de julho, agosto e setembro o Sebrae por meio do Projeto de Atendimento Setorial de Indústrias de Macapá e Santana, do Segmento de Confecção investe em atividades de inovação com resgate da identidade cultural do estado inserida no mercado da moda do Amapá para a criação de uma Coleção Maracá Cunani. Os profissionais de design, Lídia M. Pereira Abrahim, do Pará, e Cristiano Sales de Oliveira, da Paraíba, são os facilitadores e condutores do processo criativo.

Seis empreendedores amapaenses do universo da moda participam do projeto. Eles firmam o compromisso de produzir uma moda que carregue a identidade cultural do estado. Continue lendo

Imperdível – Show de Emília Monteiro na Fazendinha

emiliaApós três anos, a cantora Emília Monteiro (foto) retorna às origens familiar e musical, e faz show nesta quinta-feira, 21, no projeto Estação Lunar, no balneário de Fazendinha. Com carreira consolidada, Emília mora em Brasília e leva  os sons amapaenses no repertório de shows, que também estão impressos no CD Cheia de Graça, lançado com sucesso em Macapá, Brasília e outras capitais. A artista promete muito marabaixo, batuque, lundu e carimbó nesta noite de lual na praia.

Considerada pelo Festival Cena Contemporânea, representante do Norte na capital do Brasil, Emília Monteiro canta a Amazônia, dos ritmos amapaenses ao lundu e carimbó, e ainda sons caribenhos, o que torna seu trabalho dançante e colorido. O álbum Cheia de Graça tem a presença de Aldo Sena, mestre da guitarrada, dona Onete, do percussionista quilombola amapaense Nena Silva, Zeca Baleiro, com a música Coisinha, e de Joãzinho Gomes e Val Milhomem, autores de Mão de Couro e Mal de Amor.

Emília Monteiro chega em Macapá após sucesso em Recife, quando cantou no Galo da Madrugada, e em Brasília, onde sempre está nos palcos, e animou o carnaval com o bloco Bora Coisar, com ritmos amazônicos. Na passagem por Belém, cantou com Gaby Amarantos e Nelsinho Rodrigues na temporada de verão da Lambateria.

Nesta quinta-feira, 20, a partir das 21h, a artista levanta a areia de Fazendinha na programação do Macapá Verão, com os ritmos dançantes.  Após Macapá, Emília segue com turnê do Cheia de Graça no Rio de Janeiro e São Paulo, patrocinada pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC), do Distrito Federal.

(Mariléia Maciel)

Nesta quinta-feira tem Estação Lunar na Fazendinha

Acontece nesta quinta-feira, 21, a segunda edição do projeto Estação Lunar, que faz parte da programação do Macapá Verão 2016. A praia de Fazendinha receberá mais uma vez um seleto grupo de artistas que renderá homenagens à tradicional Banda Placa.

O show de verão inicia às 19h com a contação de histórias de Elmeraldina dos Santos, filha da tia Chiquinha do Bolão, do quilombo do Curiáu.  Cley Lunna abre o repertório musical às 20h, em seguida tem Marabaixo com o grupo da Favela, Dica Congó, depois mais música com Nonato Santos, Lolito do Bandolim, Ariel, Emília Monteiro e, para fechar a noite, o especial da Banda Placa.

Banda Placa
O grupo musical genuinamente amapaense foi fundado em 09 de março de 1983 com o nome Placa Luminosa, teve como fundadores os irmãos Carlitão e Álvaro Gomes, passando por várias formações com Joaquim França, Joãozinho Batera, Osmar Júnior, Pintinho, Raimundão, entre outros. De fato, uma geração de bons e talentosos Continue lendo

Um poema para os amigos

 

Poema para o Amigo
Alcinéa Cavalcante

É possível que eu te conte
uma história de príncipes e fadas
que escutarás com o olhar perdido na infância.
Ou que te conte uma piada tão engraçada
que rolaremos de tanto rir.
Nossas gargalhadas contagiarão os passantes
e de repente todo mundo estará rindo
sem nem saber por que.

É possível
que eu faça um café com tapioca e te chame
pois café, tapioca e amigo tem tudo a ver.

É possível que eu chegue na tua casa sem avisar
só pra te ofertar uma rosa que acabara de nascer
e te oferecer um Johrei.

É possível que eu te ofereça uma música no rádio
ou te mande, pelo Correio,
uma carta numa folha de papel almaço.

É possível que eu te ligue
no meio da noite
no meio do dia
a qualquer hora
– mesmo na mais imprópria –
só pra dizer:
Amigo, eu amo você.

c4

30 anos de saudade

 

mae20 de julho é Dia do Amigo e há exatos 30 anos  minha mãe, professora Delzuite Maria Carvalho Cavalcante, pioneira do magistério amapaense, partiu ao encontro do maior e melhor amigo: Deus.
A saudade é imensa. E ainda dói.

Paraense, Delzuite Cavalcante veio para o Amapá ainda jovenzinha, a convite de Janary Nunes,  tão logo foi criado o Território Federal do Amapá. Lecionou em diversas regiões do interior, às margens de rios e estradas, desenvolvendo seu trabalho no Araguari, Aporema, Cajari e Campina Grande. Sob a luz de lamparinas preparou uma geração de jovens.
Em Macapá, lecionou no Alexandre Vaz Tavares. Fez parte do primeiro quadro de professores das escolas Coaracy Nunes e José de Anchieta. Trabalhou também com educação de adultos no Centro de Ensino Emílio Médici.

Poetisa, amante da cultura e da educação, ao deixar a sala de aula continuou seu trabalho em outros setores de formação da juventude, como a Divisão de Assistência ao Estudante e o Departamento de Assuntos Culturais (hoje Secult).

Delzuite Cavalcante era filha de um português, Domingos Pereira de Carvalho, com uma negrinha linda de cabelos lisinhos, Jacinta Alves Carvalho.

Casou-se em 1953 com o poeta e jornalista Alcy Araújo Cavalcante com quem teve quatro filhos: Alcione, Alcinéa, Alcilene e Alcy Filho. Teve duas filhas adotivas: Genassuema e Adélia.
Delzuite e Alcy conheceram-se em Belém e lá começaram a namorar. Ele foi a primeiro a vir para Macapá para trabalhar como redator do governo do Território Federal do Amapá. Meses mais tarde ela veio e aqui casaram-se.

Hoje, pela passagem dos 30 anos de seu falecimento, nossa família manda celebrar missa às 19h no Santuário  Nossa Senhora de Fátima.

Mãe, na saudade dos que te amam descansa na paz de Deus.

A Lua agora

Este slideshow necessita de JavaScript.