Abrem-se as cortinas do céu para receber Carlos Lima

A plateia ficou atônita, depois uma cachoeira de lágrimas invadiu o teatro  e sob intensos aplausos e choro as cortinas foram cerradas no palco deste plano.
Abrem-se as cortinas do céu para receber o ator, diretor, dramaturgo, professor, declamador Carlos Lima, meu amigo-irmão de uma vida inteira, que faleceu na noite desta quinta-feira  vítima de Covid-19. Uma das pessoas mais importantes do setor cultural no Amapá.
Eu fiquei sem palavras, deixei que as lágrimas corressem livremente pelo meu rosto nesta madrugada em que Júpiter e Saturno dão um espetáculo no céu como que para recepcionar meu amigo.
Carlos Lima fez parte do Movimento Poesia na Boca da Noite. Na foto, Carlinho declamando um poema meu no Pano da Poesia na edição que contou com a participação especial do poeta mineiro Jayme Tijolin

Um pouco da intensa vida de Carlinho é contada neste texto do blog Santana do Amapá:

Um amapaense graduado e apaixonado pelo teatro 
Carlos Alberto Silva Lima era professor de Artes, dramaturgo, ator, diretor de teatro e administrador. Era graduado em Educação Artística pela Universidade Federal do Amapá (Unifap). Desde a década de 1980 que vinha se dedicando ao teatro no Amapá, tendo por base seu trabalho que havia iniciado na cidade de Santana, da qual era residente.
Em função de sua dedicação à arte, foi convidado para dirigir por um período o Teatro das Bacabeiras em Macapá quando na ocasião desenvolveu vários projetos: “Cine ao Meio Dia” onde com entrada franca, pessoas do comércio aproveitavam sua hora do almoço para apreciarem numa das salas do teatro, os mais diversificados filmes; Projeto “Seis e Meia” que acontecia às quarta-feiras; “Projeto Escadaria 2007” que acontecia uma vez ao mês, com várias atividades culturais, mais precisamente no dia de lua cheia; e “Projeto Café da Manhã” que acontecia sempre às segundas feiras, onde além do café se discutia as futuras atividades e pautas do teatro.

Nascido na cidade de Serra do Navio no dia 17 de janeiro de 1961 e foi lá que, ainda criança começou a participar na escola da mineradora ICOMI em dramatizações no âmbito da própria instituição.

Também participava do “canto coral”. Seu 1º personagem foi uma mesa, como ele próprio descreveu certa vez: “Quando eu comecei a fazer teatro, fui uma mesa e jogavam só uma toalha em cima de mim e o ator ficava sentado na mesa. Eu não podia fazer nada, Aí! Eu ficava pensando: Poxa! É muita humilhação para um ator”.

De Serra de Navio mudou-se para a cidade de Belém (PA) onde obteve experiências na área do teatro com o professor e diretor Cláudio Barradas. Na capital paraense fez curso de Teatro na Escola Técnica do Pará. O teatro era algo constante na vida de Carlos Lima. Este ator era tão apaixonado pelo teatro quando afirmou: “Eu brinco de teatro 24 horas por dia, vou para o restaurante com teatro porque sem arte não consigo viver”.

Em 1980 retornou ao Estado do Amapá para fixar residência, instalando-se dessa vez na cidade de Santana onde deu continuidade ao trabalho no Teatro na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, na histórica Vila Maia, juntamente com João Porfírio (o conhecido “Popó”) entre outras atrizes como: Fátima Trindade, Roberto Prata e Sílvio Romero. Em Macapá conheceu a professora Nazaré Trindade que era atriz reconhecida no Amapá, com quem muito aprendeu sobre teatro.

Além de se dedicar ao palco propriamente dito, Carlinhos como era conhecido pelos mais íntimos, quando ainda era aluno da Escola Augusto Antunes, resolveu enveredar pela linha dramatúrgica e foi nos bancos escolares que escreveu “A Raposa Espertalhona”, seu 1º texto teatral que tinha como personagem principal uma raposa.

“Seu Portuga” 
A sua obra prima seria “Seu Portuga e a Língua Portuguesa” que foi criado em 1994, que é um espetáculo premiado e uma das montagens emblemáticas da arte cênica amapaense. O trabalho foi exibido em vários estados do Brasil e no exterior.

Em mais de duas décadas de existência, com o objetivo de incentivar o estudo da língua portuguesa, o grupo fez muitas apresentações em escolas públicas e particulares. O espetáculo era uma “aula” de português – repleta de humor e elegância. O texto, a produção e a direção sempre assinadas pelo próprio ator Carlos Lima (Seu Portuga).

Ao lado das atrizes Sueli Matos e Josiane Ferreira, Carlos Lima interpretaria o personagem principal (“Seu Portuga”). Com um passeio pela história do nosso idioma, fala das classificações gramaticais e das reformas ortográficas. Vai da “fonética à sintaxe, através da personificação de elementos da gramática, como o gerúndio e o pronome pessoal”. Tudo isso numa representação teatral cheia de grandes surpresas artísticas e muito riso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *