Adeus, amigo Bi

Sua partida, nesta manhã de sol tímido, me deixou sem palavras, sem melodia…
Sem você o Amapá fica menos musical, menos alegre, menos terno

bitrindade2Meu querido Bi, meu amigo desde os tempos de adolescência no Grêmio Jesus de Nazaré

bitrindade3E agora como é que a gente vai cantar e dançar , hein Bi, sem você?

O velório será na Capela Santa Maria (Rua Hamilton Silva entre Mendonça Furtado e Presidente Vargas)

  • estou desnorteado ao tomar conhecimento através deste site da partida do amigo BI, mas antes viajar e entrar de ferias, tive o prazer de tomar uma cerveja e bater um bom papo no bar do louro com este grande amigo.

  • Amiga Alcinéia.
    Eu acabo de levar o maior susto pois somente agora, ao abrir o teu blog é que eu soube da morte do nosso amigo Benedito Trindade, o Nego BÍ da época do Grêmio Jesus de Nazaré. Poxa, quanta tristeza. Lembro que no ano passado Deus também levou um outro nosso amigo, o Pianola (Edmilson Bagundes), que à época do Grêmio, na transição dos anos 60/70, fazia dupla com o nosso BÍ, animando aqueles encontros jovens no Colégio Diocesano. O Bi foi um dos meus maiores amigos, aprendeu a tocar num violão Gianini que eu emprestei pra ele. De bela voz afinada e de bom gosto musical. O bairro Jesus de Nazaré e o bairro do Laguinho estão triste; o Amapá está triste; todos estamos tristes.

  • Uma das últimas aspirações do Bi era gravar um CD em francês com as músicas regionais. Vamos fazer de tudo pra transformar o seu sonho em realidade… Adorava viajar pra Guiane francesa. Tinha uma relação de cumplicidade muito forte com o povo daquele país.

  • JOEL ELIAS. EU ESTAVA EM MACAPÁ PARA DIVULGAR MEUS DISCO ‘LUA DÁGUA’ E FUI HUM DOS JURADOS DESTE FESTIVAL CONVIDADO SE NÃO ME ENGANO PELO FERNANDO CANTO.
    BI ERA ANTES DISSO NOSSO VIZINHO NO BAIRRO DO LAGUINHO PROXIMO DA ERNESTINO BORGES. ELE E O ASSUNÇÃO QUE TOCAVA PISTON NOS ‘COMETAS’ LI A NOTICIA DAQUI DE SÃO PAULO E MEU CORAÇÃO VESTIU-SE DE NEGRO.

  • BI Trindade, um amigo…fomos vizinhos por vários longos anos em Santana, me acostumei em vê-lo passar nos fins de tarde, quando regressava de sua jornada de trabalho na Escola Augusto Antunes, sempre com o sorriso no rosto, fazia uma paradinha na banca de tacacá de minha mãe para se deliciar com uma cuia da iguaria que tanto apreciava. Vá em Paz amigo!!

  • Lágrimas caem e minha lembrança vai até 1986 num show de Bi Trindade no ex-cine João XXIII. Fui assistir o show do BI a convite do meu amigo Paulo Roberto Távora de Mendonça. Bi, foi o primeiro artista local que aprendi a admirar. Passaram os anos e viramos companheiros de luta por uma sociedade mais justa, humana e fraterna!

  • Não poderia receber uma notícia mais triste do que essa. Conheci o Bi nos festivais de música. Em 1984, no Festival Oscar Santos, promovido pelo Trem Desportivo Clube, ele ficou em primeiro lugar com a música “Cara Velhas Sombras São”, uma parceria com o Manoel Bispo, e eu em segundo lugar com “Marajoara”, composição feita em parceria com o Moacir Sandim, e interpretada pelo Manoel Leonan. Era comum a gente se encontrar pelas noites “macapescas”, no Berro D’água, Carinhoso, no antigo Lennon, Xodó, Bar do Abreu, e tantos outros lugares que nós notívagos buscávamos para nos refugiar junto com a boêmia. Não sei o que expressar nesse momento, mas com certeza o Amapá fica mais pobre culturalmente com a partida do BI.

  • Meu amigo BiTri, que assim eu chamava-o, carinhosamente, faz parte agora do estrelado celestial, brilhando mais ainda com toda sua alegria contagiante.

  • Bi Trindade, amigo de longas datas, da Rádio Difusora, da Imprensa Oficial, dos palcos da vida, segue para o Pai vom sua alegria

  • Pô Bi ! Por que tanta pressa ??? Será a tua partida uma busca de inspiração ? Então vai Bi , brilhar ainda mais o céu o teu sorriso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *