Artigo – Ascensão de Pedro DaLua anima especulações para 2018

Com vitória de Caetano Bentes e Clécio Luís, ascensão de Pedro DaLua anima especulações para 2018 e intriga as “velhas raposas” da política

Por José Marques Jardim*

 Do ponto de vista analítico, Pedro DaLua, deputado estadual pelo PSC é hoje um dos parlamentares mais comentados nos bastidores da política no Amapá. Eleito em 2014 com mais de 4 mil votos o deputado vem colocando em prática uma atuação que deixa intrigadas até as mais velhas “raposas” do meio político que ainda insistem nas velhas fórmulas que só vêm perdendo efeito.

 DaLua tem um discurso de renovação e aposta na força do povo, que segundo ele, não pode ser decepcionado. Para ele, o político é um instrumento da vontade popular. “Fomos eleitos pelo cidadão. Ele confiou em nós. Somos servidores do povo”, considera.

 Já no primeiro ano de mandato, estes pensamentos foram colocados em prática. DaLua mostrou em poucos meses que não chegou ao parlamento estadual para brincar. Apesar de estreante revelou-se um deputado de discurso forte, polêmico e contundente.

Sem faltar nenhum dia às sessões da casa de leis e apresentar centenas de projetos de lei de extrema defesa e interesse do povo e também denunciar situações duvidosas na Alap, chegou a ser alvo de retaliações.

 Teve o mandato ameaçado por um pedido de cassação que o Tribunal Regional Eleitoral julgou improcedente. Fortalecido com a vitória continuou com a mesma atuação combativa.

 A avaliação do povo quanto à imagem de DaLua como parlamentar veio com as eleições municipais. Ele lançou, coordenou e conseguiu a eleição do antigo companheiro Caetano Bentes, dos tempos de movimento estudantil. Bentes foi eleito como um dos candidatos a vereador mais bem votados do pleito.

 Ainda no lançamento da candidatura ocorrido na quadra esportiva do bairro Santa Inês, zona Sul de Macapá, o poder de articulação e mobilização de DaLua impressionou muitos políticos de carreira, entre eles o prefeito Clécio Luís, que concorria à reeleição.

 DaLua e o Coletivo Um, nome com o qual batizou seu mandato parlamentar foram para as trincheiras de Clécio encampando a batalha pelo segundo mandato. A vitória veio tanto no primeiro quanto no segundo turno contra o candidato do governo do estado.

 Com notada e comentada ascensão política, Pedro DaLua é hoje o nome que anima inúmeras especulações quanto ao pleito de 2018. Entre elas a de que o deputado pode lançar o nome a uma candidatura ao Senado.

 Afirmando não ter adquirido qualquer vaidade com os acontecimentos positivos nas eleições deste ano, ele diz que tudo precisa ser muito bem pensado e que toda decisão de sua carreira política será tomada juntamente com os que o elegeram.

 Declarações
Conhecido pela combatividade e posicionamentos firmes dentro da Assembleia Legislativa do Amapá, o deputado estadual Pedro DaLua (PSC) causou polêmica no começo da semana após declarações dadas à imprensa local.

 A primeira delas foi direcionada ao também deputado Ericláudio Alencar (PDT), que deixou a Alap para assumir a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sejusp). O parlamentar assumiu a pasta na segunda-feira, 07, no lugar do militar reformado Gastão Calandrini.

 Para DaLua, o secretário já assume tendo pela frente um peso colossal, que seria tirar o Estado do Amapá da condição de 6º colocado no rol de índices de estupros no Brasil. Somente em 2015 as estatísticas revelaram mais de 37 casos para cada grupo de cem mil habitantes. As informações estão no 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública e vieram do Ministério da Justiça.

 Em modo geral a população amapaense tem vivido uma onda de total insegurança que chega não só às residências, mas também ruas e escolas. Ainda segundo o deputado, controlar os furtos e roubos a estabelecimentos de ensino da rede pública será outro desafio. O parlamentar declarou também que a Polícia Civil está praticamente “engessada” para investigar caso a caso com a falta de veículos, pessoal e equipamentos. Reverter o quadro a curto prazo é outro problema sério.

 Operação
Outra situação ocorrida durante a semana foi a Operação Rescisória colocada em prática na segunda-feira, 08, pelo Ministério Público Estadual e Polícia Civil. O objetivo foi a investigação de fraude em supostos pagamentos feitos pela Alap onde cheques para pagar indenizações estariam sendo emitidos em horário fora do expediente.

 Incisivo, DaLua disse que os parlamentares vão investigar o caso a fundo. Uma auditoria será feita para apurar os fatos. O primeiro passo, segundo o parlamentar é procurar saber se os funcionários que estavam com o nome nos cheques, de fato trabalharam e se o valor foi de fato calculado. DaLua ainda declarou querer saber se houve divisão de valores entre tais funcionários e alguém de dentro da assembleia.

*José Marques Jardim é escritor e jornalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *