Carnaval – Viva o Piratão

SALVE 31 DE MARÇO – VIVA O PIRATÃO
Alcione Cavalcante

Muitos anos de paixão
No bairro do Trem nascia
A minha maior alegria
Piratas da Batucada
Num 31 de março, surgia

Há exatamente 49 anos brotava aquela que viria a se tornar uma das instituições mais adoradas e respeitadas do carnaval amapaense.

Nascida no bairro do Trem, Piratas tem como principal missão levar entretenimento, felicidade e alegria a todos que reconhecem no carnaval uma das mais importantes expressões da cultura popular do Estado.

Essa característica ímpar se impôs e, ocupando todo o bairro, se espraiou para Zona Sul e extravasou pra toda a cidade. Daí a imensa, diversificada e apaixonada torcida a se emocionar e a emocionar por ocasião dos desfiles sempre concebidos e executados com zelo e criatividade nas passarelas do samba. Incialmente na Avenida FAB e a partir de 1997 no Sambódromo da Ivaldo Veras.

Com diz nosso Samba-Exaltação, Piratas da Batucada surgiu em 31 de março de 1973. Nossos registros indicam que Estatuto da Escola foi aprovado em outubro do mesmo ano, tendo como relatores Jeconias Alves de Araújo, Euclides Campos de Moraes, Antônio dos Santos Pinheiro e Walber Damasceno Duarte, este que foi o primeiro presidente da Escola. Destacamos, entretanto, que desde o carnaval de 1962 já havia grupo de desportistas e carnavalescos do Trem, entre os quais o Pancho e o destacado artista plástico R Peixe, que conceberam o que viria a ser o embrião de Piratas.

Desde seu nascimento a Associação tem como um de seus princípios a valorização de nossa cultura, nossos costumes e nossas personalidades, daí a geração da espetacular empatia entre a Escola e a comunidade, entre a torcida e os espectadores, que num crescendo contínuo explode em energia e emoção do dia do desfile.

Este atributo conduziu a enredos e desfiles memoráveis, como” Biroba, o Maquinista do Trem da Alegria “(1987), O Negro que Veio da Várzea – Açaí (1993), “Corpo de Mani, Dádiva de Tupã (1997) e Da Fortaleza de Macapá ao Cristo Redentor – Piratão e Beija-Flor: Uma Maravilhosa História de Amor (2009), entre muitos outros não menos memoráveis.

Esse conjunto de qualidades, inspirou a composição (por solicitação do Matta e do Manoel Torres) de um dos mais belos sambas-exaltação do Brasil, capaz de competir pau-a-pau com o Samba-exaltação Portela (Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro) e, Sei lá, Mangueira (Paulinho da Viola e Hermínio Bello de Carvalho)

Assim, não há como não distinguir o papel importante de Piratas da Batucada para o carnaval e seu incontestável reconhecimento como “O Rei do Carnaval”.

PARABÉNS CAMPEÃO!

Nesse mar de amor
Vai meu coração
Seja aonde for
Sempre será campeão
(Ademar Carneiro, Admir do Cavaco, Dio e Magé)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.