A amiga “estraga-prazer”

Matilde olhou-se demoradamente no espelho e sorriu. Um sorriso largo. Estava feliz, se achando linda, leve e bem mais jovem do que quando entrou naquele salão.
“Acho que rejuvenesci uns dez anos”, disse ao
cabeleireiro . “Sim sim. Cabelos curtos rejuvenescem. Agora você está linda e po-de-ro-sa. Aliás, linda você sempre foi, só faltava diminuir essas madeixas”, disse o serelepe cabeleireiro .
Matilde pagou, deu-lhe um afetuoso abraço, olhou-se mais uma vez no espelho e saiu jogando beijinhos. Feliz. Feliz.
Resolveu que linda como estava era um desperdício ir almoçar em casa sozinha. E tomou o rumo de um bem frequentado restaurante. Ali desfilaria seu novo visual.

No caminho foi lembrando da enorme quantidade de xampu e outros cremes que tinha que usar pelo menos duas vezes por semana, do tempo que perdia secando e escovando os longos cabelos que chegavam quase ao meio das costas. “Agora com esse corte chanelzinho basta um tantinho de xampu e só alguns minutos para secar”, pensou alto olhando-se no espelho do retrovisor.

Sorrindo entrou no restaurante. Estava folheando o cardápio, sempre sorrindo, e quando já ia chamar o garçom para pedir um filé com fritas e salada e um suco de laranja ouviu:
Matildeeeee!!!
Levantou os olhos. Era Concy, sua amiga.
-Senta aí, Concy. Vamos almoçar juntas.
Concy não se fez de rogada. Puxou a cadeira, sentou-se; na outra colocou sua bolsa… e antes de mais qualquer coisa olhou de um jeito tão sério para Matilde que assustou-a.

-Que foi? Perguntou Matilde já sem sorrir.

– Amiga, você cortou seus longos cabelos

– Ah, cortei sim. Cansei daquele cabelão, de horas para lavar, secar e escovar. Amei esse meu corte. É prático, leve e me deixou mais jovem. Não achas?

– Ah, amiga, posso ser sincera?
– Claro. Tudo que se espera de uma amiga é sinceridade.

– Não gostei. Tá muito curto, tá estranho, não combina com você. E quer saber mais? Não te rejuvenesceu um dia sequer, acho até que te envelheceu.

Matilde perdeu o apetite. Levantou-se, despediu-se da amiga e foi embora pensando “como tem gente estraga-prazeres neste mundo”.

Se a pessoa está feliz ela está bonita, pois felicidade é uma beleza que vem de dentro. Mas pessoas como Concy só tem olhos para ver a capa, o que está do lado de fora. Imagino que em Concy não existe beleza interior. É o tipo de gente que se você estiver deslumbrante dos pés a cabeça, ela é capaz de descobrir que um minúsculo botão do seu vestido está fora do lugar ou que tem um pelinho rebelde na sua sobrancelha.

A amiga estraga-prazer – por inveja ou por prazer – sempre vai descobrir ou inventar algo para tentar apagar teu sorriso, mexer com tua auto-estima, te colocar para baixo. Não é verdade?

E quem não tem ou nunca teve uma amiga assim levante as mãos para o céu e agradeça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *