Escritores paraenses são destaque na Feira Pan-Amazônica do Livro

De todos os 224 estandes da XVII Feira Pan-Amazônica do Livro, que ocorre no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, 60% são de expositores do Pará e três deles – Academia Paraense de Letras (APL), Escritores Paraenses e Secretaria de Estado de Cultura (Secult) – são exclusivos de autores locais. Há também o estande da Editora da Universidade Federal do Pará (Edufpa), que este ano homenageia o poeta Max Martins.

A variedade da literatura paraense tem agradado visitantes e escritores. “A feira está realmente a cara do Pará. Por onde a gente olha há um espaço que retrata alguma coisa do Estado. Isso nos dá orgulho e nos enche de esperança de que a nossa literatura será cada vez mais valorizada”, disse a escritora Sarah Rodrigues, membro da APL.

No estande da APL, os visitantes encontram mais de 100 títulos dos 40 membros da entidade. Há também um espaço para os escritores que vão lançar livros, como Roberto Carvalho de Faro. Membro da APL desde 2004, ele lançou na feira seu mais novo livro, intitulado “O guindaste amarelo”, referência ao equipamento que hoje decora a Estação das Docas. Ele já foi um aparelho mecânico de movimentação de carga, instalado na borda do cais do porto, na baía do Guajará.

O guindaste também é o ponto de referência, o início da digressão de acontecimentos remotos que marcaram a vida de Jonas Trindade, protagonista do romance. “É muito bom poder lançar um livro que conta uma história de um ícone paraense, dentro de uma feira que está homenageando este país que se chama Pará e principalmente para um público que ama e vive neste Estado maravilhoso”, ressaltou o escritor.

Cabana – Nos estandes com obras de escritores paraenses, também é possível encontrar uma ambientação diferenciada, com objetos e um cenário que leva o visitante a conhecer um pouco mais sobre a vida dos autores. É o caso do estande da Edufpa, onde foi montada uma réplica da cabana batizada de “Porto Max Martins”, que é uma reprodução da fachada da cabana construída pelo escritor Max Martins na praia do Maraú, em Mosqueiro.

“Resolvemos montar esse espaço para que o público possa conhecer e saber como o autor viveu, os lugares que ele gostava de frequentar, enfim, criar uma aproximação dos paraenses com os nossos escritores”, explicou o responsável pelo setor de criação e edição da editora, Alexandre Souza.

A iniciativa foi aprovada pelo público e tem despertado muito interesse, principalmente entre os estudantes. Larissa Gomes, 17 anos, levou os amigos para conhecer o estande em homenagem a Max Martins. “Quando passei por aqui fiquei muito curiosa para saber mais sobre esse autor, e chamei meus amigos para conhecerem também. É legal porque parece que a gente está dentro da casa dele, fazendo uma visita”, comparou.

Na programação do evento, que tem o Pará como destaque, estão incluídos também os Saraus Literários, Pan-Amazônica nas Escolas, Pan-Amazônica nos Municípios e Salões Regionais do Livro. Em 2013, serão três salões, no segundo semestre, em Santarém, na região do Baixo Amazonas, em Paragominas, na região do Capim, e em Tucuruí, na região do Lago de Tucuruí.

Fonte: Agência Pará de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *