Estado certifica 24 empresas com o Selo Amapá

O Selo Amapá – Produto do Meio do Mundo foi entregue, nesta segunda-feira, 30, a representantes de 24 empreendimentos que atuam na produção de itens de origem amapaense.

A certificação objetiva permitir que os produtos locais, especialmente os produzidos com incentivos da Zona Franca Verde (ZFV), sejam reconhecidos e valorizados em âmbito estadual, nacional e internacional. A solenidade aconteceu no Museu Sacaca, em Macapá, e foi acompanhada por uma degustação na qual os participantes puderam conhecer alguns dos produtos fabricados pelas empresas certificadas.

O Selo Amapá foi lançado em janeiro de 2018 pela Agência de Desenvolvimento Econômico do Estado do Amapá (Agência Amapá) e, até o momento, já atendeu 51 empreendimentos locais. A diretora-presidente do órgão, Tânia Miranda, explicou que há diversidade entre as 24 empresas credenciadas: alguns empreendimentos são pioneiros e outros atuam mais recentemente. Há empresas instaladas na capital e também em cidades do interior, como Mazagão e Laranjal do Jari.

“O Selo Amapá é uma forma de fomentar a economia em todo Estado e, ao mesmo tempo, de valorizar, qualificar e mostrar produtos do meio do mundo para o mundo”, explicou Miranda.

A empresária Larissa Guimaraes, uma das donas do Chopp da Vovó, recebeu a certificação. O empreendimento comercializa uma iguaria conhecida no Amapá como “chope” – espécie de picolé artesanal comercializado em sacolas plásticas. A empresa procura destacar ingredientes naturais do Amapá como o cupuaçu e açaí.

“Estamos muito felizes em receber este selo que, para nós, representa a qualidade do nosso produto e que com certeza vai valorizá-lo aqui no Amapá e além das nossas fronteiras” disse Larissa.

A produtora Amora Filmes também recebeu o Selo Amapá. O empreendimento foi um dos contemplados pelo 1º Edital de Audiovisual do Amapá, publicado em 2017, para fomentar o cinema local.

O produtor Tomé Azevedo representou a Amora Filmes. “Nos sentimos prestigiados ao receber o Selo Amapá porque garante mais competitividade ao que é produzido em nosso Estado. Essa certificação vem valorizar ainda mais um setor que já está em amplo crescimento em âmbito local e nacional”, registrou Tomé.

Outro empreendimento que recebeu o Selo Amapá foi a Empresa de Energia Solar de Minas Gerais (Minasol). A empresa foi instalada no Amapá em julho de 2018 e deve começar a funcionar em agosto deste ano.

O clima equatorial e os incentivos fiscais oferecidos pela Zona Franca Verde atraíram a empresa ao Estado. “Estamos iniciando as atividades no Amapá e receber este selo já é uma forma de agregar mais valores a nossa empresa”, disse o empresário Cleverson Rosa, que é um dos sócios da Minasol.

(Secom)

  • Eu gostaria sinceramente de assistir pelo menos uma entrevista da senhora diretora presidente da Agência Amapá, que faz esses lançamentos e manda Aspone dá entrevistas. Ela é daqui é?

  • Se o Estado quer se desenvolver com esse Selo, iremos esperar mais cem anos para que isso ocorra, não justifica por exemplo o picolé, se o nome a ser usado for ( chope) e ganhar o mundo vamos passar por ridículos, já que chope conhecido no mundo é cerveja, no nordeste é sacolé.
    A incompetência é tanta que esqueceram do nosso Ouro, esse sim que deveria ganhar um selo para que o mundo todo soubesse que aqui tem essa riqueza, que é explorado a mais de 150 anos e não se sabe quanto sai de ouro daqui e os nossos governantes não fazem nada, que adiante está sentado em cima da riqueza e ter um povo passando fome?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *