No Amapá, Hospital da Criança está revestido de mofo

Uma visita técnica do Ministério da Saúde, no dia 8 de abril, ao Pronto Atendimento Infantil e ao Hospital da Criança e do Adolescente – que são fisicamente interligados – constatou que os dois estabelecimentos de saúde são insalubres, ou seja, não são o melhor lugar para um doente ir em busca de tratamento e ainda coloca em risco a saúde dos funcionários. Aliás, segundo informou a direção do PAI aos técnicos do MS, boa parte dos funcionários encontra-se afastada por motivo de doença.

O relatório da visita técnica destaca que todos os ambientes, tanto do PAI como do HCA, encontram-se revestidos de mofo.

Problemas como esses, mais a falta de leitos, remédios e equipamentos, e a precária organização dos processos internos, se acumulam há anos. E a situação só tende a piorar.

Na semana passada, mais precisamente dia 8 (dois meses após a visita dos técnicos do MS), o promotor André Araújo, da Promotoria de Defesa da Saúde de Macapá, após receber denúncias de pais de pacientes, esteve no PAI e afirmou que aquele hospital não tem a menor condição de prestar atendimento adequado. “Imagino que os médicos estão tendo que escolher quem irá sobreviver”, disse ele. Ele constatou que falta, inclusive, coisas tão básicas como máscaras para nebulização, monitores e respiradores e remédios como azitromicina, solução de glicerina, dimeticona, entre outros.

Ontem, 15, foi a vez da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Amapá visitar o PAI. Formada pelos deputados Jaci Amanajás, Dr. Furlan, Jory Oeiras, Max da AABB e Maria Goés, a Comissão percorreu todos os setores do hospital, conversou com servidores e familiares das crianças internadas. E viu que 80% dos pacientes estão “internados” nos corredores

O PAI funciona de forma improvisada em salas e corredores e devido a obra inacabada de reforma e ampliação, desde 2014 aquilo mais parece um hospital de guerra.
“Até o final do ano será inaugurado à obra do Hospital da Criança, desafogando o atendimento no PAI”, prometeu o secretário estadual de Saúde (SESA), Pedro Leite.

É esperar e esperar. E fazendo promessa pra Santo Antônio, São Pedro e São João.

  • O que esses deputados podem fazer? Nunca fizeram nada e agora querem aparecer. Só gastam o dinheiro público, poderiam diminuir seus gastos e destinar para a saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *