AD Scientific Index 2021 – Amapaense está no ranking internacional de melhores cientistas

O amapaense professor doutor José Carlos Tavares Carvalho (foto) está entre os dez mil melhores cientistas da América Latina. É o que mostra o  ranking internacional AD Scientific Index 2021.

Membro da Real Academia de Farmácia da Espanha e da Academia Nacional de Farmácia, Tavares é autor  de livros sobre fitoterápicos, resultados de pesquisa que vem fazendo ao longo dos anos. Ele é considerado uma autoridade nessa área e seus livros são uma espécie de “Bíblia” para outros estudiosos do assunto.
Nascido em Macapá, no antigo bairro da Favela, Tavares fez faculdade no Pará e de lá partiu para outros estados (foi professor na Universidade de Minas Gerais) e depois para outros países, chegando a cursar pós-doutorado.
Apaixonado por sua cidade natal, há alguns anos decidiu que todo o conhecimento que adquiriu deveria trazer para Macapá e veio, abrindo mão de lecionar em renomadas universidades do Brasil e do Exterior. É professor na Unifap, da qual já foi reitor.

Além de Tavares outro professor da Unifap também está classificado no ranking internacional AD Scientific Index 2021: Agripino Alves Luz Júnior

O ranking é uma classificação que apresenta a produtividade total e dos últimos cinco anos desses pesquisadores, baseados em pontuações e no número de citações no Google Acadêmico. Por meio dessa classificação acadêmica, os cientistas e as instituições de ensino podem monitorar, temporalmente, a evolução desse desempenho em todos os campos e assuntos de interesse científico.

“Estou feliz pelo reconhecimento das bases de dados, que são todas informatizadas, para a obtenção do índex. O maior feito é ver a UNIFAP compor esse ranking”, comemora o professor Carlos Tavares.

AD Scientific Index

O índice analisa a produtividade total e os valores dos últimos 5 anos do índice i10 (número de publicações com, no mínimo, 10 citações), índice H (resultado do equilíbrio entre o número de publicações e o número de citações), baseados em pontuações e no número de citações no Google Acadêmico, envolvendo quase 1 milhão de cientistas de 11.940 instituições, em 195 países, classificadas em 11 regiões de interesse (incluindo América Latina e Brics).


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.