Bala Rocha diz que o Amapá desperdiça recursos federais

O deputado federal Sebastião Bala Rocha (Solidariedade-AP) continua criticando o tratamento que tem sido dado às emendas ao orçamento geral da União pelo governo e algumas prefeituras do Amapá. A gota d’água dessa vez é o valor de 900 mil reais que terá que ser devolvido pelo governo do estado do Amapá, em razão de que a Secretaria de Desenvolvimento Rural-SDR demorou pra licitar ocorrendo a defasagem dos valores e, em decorrência disso o Calha Norte, alegando que não há mais prazo e condições pra executar o convênio, está exigindo a devolução dos recursos, com a devida correção.
O referido convênio tem como objeto a aquisição e a instalação de equipamentos para o Armazém de Grãos (SILOS), construído pelo governo do estado (SEINF) com emenda do deputado Bala Rocha e que só precisa dos equipamentos para inaugurar e funcionar, passando a ser o principal depósito para a produção de soja, arroz e milho no estado do Amapá. A devolução dos recursos atrasará o funcionamento do Armazém e prejudicará a o setor agrícola e a produção de alimentos.
Ao lamentar o ocorrido, Bala Rocha afirma que a saída agora é o governo aplicar recursos próprios do estado, recursos esses que poderiam ser utilizados em outras obras importantes para a população. “É inconcebível que nosso estado continue desperdiçando recursos federais e onerando os cofres do estado”, frisou Bala Rocha.
Outro exemplo citado pelo deputado é uma emenda sua de 2012, no valor de 9 milhões de reais para a saúde que seriam destinados a construir o Pronto Socorro da zona norte de Macapá e que, até agora, a SESA sequer definiu onde aplicar os recursos. “Tudo indica que irão jogar fora esses 9 milhões também, e logo na área crítica da saúde que tanto precisa de atenção”, arrematou Bala Rocha.

(Texto: assessoria de comunicação do deputado Bala Rocha)
  • Mais isso não é nenhuma novidade. Trabalho em um órgão federal e vejo quanto de recursos federais e de emendas parlamentares são desperdiçados por falta de projetos e ou projetos e licitações mal elaboradas.
    Até acho que essa questão melhorou bastante na gestão do atual de Governo do Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *