Bons tempos de magistério

eim1Eu e meus queridos alunos no laboratório da E.I.M. Na primeira foto, o inicio da carreira. Na segunda, 10 anos depois

Me formei com 21 anos, portanto, bastante jovem eu já estava na sala de aula e nos laboratórios da Escola Integrada de Macapá (antigo GM), hoje Escola Antonio Cordeiro Pontes,  dando aulas de Tecnologia Mecânica, Desenho Técnico e Fabricação Mecânica (o que me permitiria aposentadoria aos 46 anos de idade).
Conciliava o jornalismo e o magistério. Jornalismo eu fazia nas horas vagas, pois o magistério era a minha prioridade, minha paixão.
Lecionei durante muitos e muitos anos com dedicação e amor e tive meu trabalho reconhecido. Todos os anos, fosse qual fosse o diretor, recebi portaria de elogio da direção da escola pelo meu desempenho e até da Câmara de Vereadores recebi  diploma de “Honra ao Mérito” pela “grande contribuição dada à educação amapaense”.
Foram anos inesquecíveis dos quais guardo boas lembranças.
As amizades que fiz permanecem até hoje. Meus alunos eram mais que alunos. Fiz deles meu amigos.
Por eles até hoje tenho imenso carinho e afeto. De vez em quando encontro alguns deles por aí e vocês nem imaginam a felicidade que toma conta de mim quando recebo o abraço deles, o carinho e me chamam com orgulho de “minha professora”.
Como amanhã é o Dia do Professor, desde já  parabenizo todos os professores amapaenses e registro aqui minha gratidão a todos meus professores (desde o jardim da infância aos cursos de pós-graduação) e aos meus queridos ex-alunos.

  • Quando você descreve as disciplinas do curso de mecânica retorno aos meus tempos de faculdade, onde tive grandes mestres, como mestre Neco, de desenho mecânico, Fernando Sá, de tecnologia mecânica e muitos outros que ainda continuam na ativa e outros que estão na lembrança.

  • Bons tempos que não voltam mais. Vendo está foto deu saudade das aulas dos professores Bernardo, Alcinea, Rubens, Leonardo, Armindo, Antunes, entre outors mestres que tinham o compromisso na formação de seus alunos. Saudade dos tempos dos desfiles da Avenida FAB, onde a população aguardava ansiosa a passagem da EIM. Desculpem os estudantes de outras escolas da época, mas não tinha quem superasse os alunos do GM em cadência no desfile. A banda musical era outro diferencia da Escola. Infelizmente não vemos mais o mesmo sentimento de civismo nos alunos da atualidade. Na época de Território existia o respeito absoluto com os professores, infelizmente hoje em dia presenciamos até agressões contra os mesmos.

  • Parabéns pelo belo currículo. Também fui professora de Inglês no G.E. Alexandre Vaz Tavares, à noite (concurso público anos 78 e 79) e professora de Francês particular quando era solicitada. Mas, como também era Bibliotecária na CEPA, depois na Sec de Agricultura, etc, quando engravidei tive que optar por um emprego e criar a criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *