Os deputados do Amapá que disseram não à PEC 37

Dos oito deputados da bancada amapaense,  cinco  votaram contra a PEC-37.

Segundo o Congresso em Foco foram Davi Alcolumbre, Evandro Milhomem, Bala Rocha, Fátima Pelaes e Vinicius Gurgel.

Os demais não votaram nem contra nem a favor, muito pelo contrário.
Acho que estavam ausentes na hora da votação.

Atualização às 23h25 – A deputada Dalva Figueiredo disse agora ao blog: “Infelizmente não consegui embarcar para Brasília por problemas de saúde.”  Seu voto seria pela derrubada da PEC-37

O deputado Luiz Carlos também justificou sua ausência. Como Dalva Figueiredo, Luiz Carlos disse que por problemas de saúde não pôde embarcar para Brasília. Se estivesse lá votaria contra a PEC 37. Na caixa de comentários, ele postou o seguinte: “Estive ausente na votação de ontem, destacada pela apreciação e rejeição da PEC 37, por nao ter embarcado para Brasília por motivos de saúde.
MInha posição no tangente à PEC 37, caso pudesse ter votado, seria contra.
Mesmo com posição de contrariedade, acho importante destacar pontos que acredito foram desnecessários ao debate como taxar as polícias Federal e Estadual de promover a impunidade levando a discussao como um embate maniqueista. Também acredito que a PEC se prestou para que o próprio MP tomasse conhecimento da insatiscação de muitos quanto a ausência procedimentos no curso da investigaçao promovida pelo órgao.
Assim, garantido o poder de investigação criminal do MP e estando em curso projetos que estabelecem rito à investigação do Orgao, ganha a sociedade em ver-se assistida de entes embuídos em combater o crime no país.”

  • Podemos identificar a bancada do AMAPÁ como a dos AUSENTES OU DOENTES, considerando a precariaedade da saúde pública em nosso ESTADO e a COVARDIA.

  • É importante lembrar que Davi Alcolumbre, Dalva Figueiredo, Bala Rocha e Evandro Milhomem assinaram a favor para que a PEC 37 fosse levada à pauta. Com a pressão sofrida pelas manifestações, vêm com o “migué” de que foram contra. Quem é contra impede desde o nascedouro. Não foi o caso dos quatro parlamentares. Confiram as assinaturas deles no endereço: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=0AC4AB5F7389B04AB4C0774466FC4EFE.node1?codteor=886679&filename=Tramitacao-PEC+37%2F2011

  • Vamos ficar de olho nestes três parlamentares que não votaram contra a PEC 37. Acho que os mesmos ficaram em cima do muro. 2014 está praticamente batendo a nossa porta é será o momento, será a hora do povo mudar pelo menos 50% da Câmara e Senado, além da Assembléia em Macapá. Estamos de olho.

  • Huummm…estranho,todos com problemas de saúde.É…. pode ser,doença não dá em poste e como por estas bandas a saúde anda precária mesmo,vou dar esse crédito aos nobres.

  • Cara Alcinéa,
    Estive ausente na votação de ontem, destacada pela apreciação e rejeição da PEC 37, por nao ter embarcado para Brasília por motivos de saúde.
    MInha posição no tangente à PEC 37, caso pudesse ter votado, seria contra.
    Mesmo com posição de contrariedade, acho importante destacar pontos que acredito foram desnecessários ao debate como taxar as polícias Federal e Estadual de promover a impunidade levando a discussao como um embate maniqueista. Também acredito que a PEC se prestou para que o próprio MP tomasse conhecimento da insatiscação de muitos quanto a ausência procedimentos no curso da investigaçao promovida pelo órgao.
    Assim, garantido o poder de investigação criminal do MP e estando em curso projetos que estabelecem rito à investigação do Orgao, ganha a sociedade em ver-se assistida de entes embuídos em combater o crime no país.
    Desde já agradeço.

    • Deputado Luiz Carlos, recomendo que você vá se tratar na rede pública de saúde do Amapá. Comece na UBS e termine, no bom sentido, no HCAL.

      O dia em que todos tiverem que utilizar o SUS teremos o melhor serviço de saúde do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *