Corpo de Bombeiros faz simulado no rio Amazonas

bomb2

O treinamento simulado promovido pelo Corpo de Bombeiros Militar na manhã de quarta-feira, 10, na orla de Macapá, mostrou toda a preparação dos grupamentos de salvamento aquático.

A simulação, que ocorreu ao lado do Trapiche Eliezer Levy, atraiu dezenas de curiosos, que puderam conferir a atuação dos militares do 4º Grupamento e do Grupamento de Proteção e Combate a Incêndio Florestal.

Ao todo, 30 militares participaram da simulação aquática.O principal objetivo do treinamento é aprimorar o salvamento para as ações reais na orla de Macapá e no distrito de Fazendinha – locais frequentemente escolhidos pelos banhistas da capital. Segundo o capitão Matheus Almeida, a técnica trabalhada na simulação é uma das mais empregadas atualmente.
“O trabalho com uso do pranchão é de uma importância muito grande e é bastante usado em todo Brasil. Hoje, nossos salva-vidas puderam mostrar na prática as técnicas ensinadas”, avaliou o oficial.

O salvamento individual com equipamento foi a primeira atividade a ser desenvolvida. Os salva-vidas utilizaram dois equipamentos: nadadeira e flutuador. “Esse procedimento é o mais comum, porém, deve ser executado de forma bastante cautelosa. O bombeiro deve fixar o flutuador à vítima e trazê-la até a margem. Após isso, os primeiros socorros são prestados”, explicou o capitão Matheus.

bomb1
Técnicas de salvamento em dupla com equipamento e com a vítima inconsciente foram demonstrados no simulado.Em seguida, o procedimento de salvamento em dupla com equipamento e com a vítima inconsciente. A demonstração chamou atenção de quem estava prestigiando o simulado, como da universitária Rosana Costa, de 23 anos. “Prestei muita atenção. Eu fico muito feliz em saber que os oficiais estão aperfeiçoando as técnicas de salvamento. A população ganha com isto porque aqui, onde está acontecendo esse treinamento, muitas pessoas tomam banho, mas apesar de divertida é sempre uma brincadeira perigosa e os bombeiros tem que estar preparados”, pontuou a estudante.

O salvamento aquático com uso de pranchão foi simulado com a vítima consciente e inconsciente. Segundo o soldado Edivan Silva, neste caso, os salva-vidas precisam ter um excelente condicionamento físico. “Após a vítima ter sido resgatada e colocada sobre a prancha, o procedimento torna-se delicado, pois o bombeiro deverá ter o total equilíbrio sobre a situação”, informou o soldado.

O salvamento aquático com uso de pranchão exige do salva-vidas um excelente condicionamento físico. A simulação com uso da prancha foi a mais difícil do treinamento. Nela, os militares tiveram que fazer uma manobra de reanimação respiratória da suposta vítima ainda dentro do rio. A coordenadora do simulado de salvamento, capitã Denise Alves, explicou o procedimento. “O bombeiro deve verificar se a vítima está respirando; se não estiver, o salva-vidas deve fazer a manobra de reanimação respiratória, realizando cinco ventilações boca-máscara. Em seguida, o procedimento será realizado de forma cautelosa até a margem onde será recebido o apoio da ambulância”, pontuou.

Atualização do manuseio dos equipamentos de salvamento e aperfeiçoamento profissional também foram algumas das metas atingidas pelo simulado.

(Texto e fotos: Secom/GEA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *