Forest Science publica artigo sobre florestas do Amapá

Um artigo publicado na importante revista internacional – Forest Science foi desenvolvido e liderado pelo professor de Engenharia Florestal da Universidade do Estado do Amapá – Robson Borges de Lima. O estudo também contou com outros pesquisadores locais como os professores Perseu Aparício e Cinthia Oliveira também do curso de Engenharia Florestal da Universidade do Estado do Amapá, professor Diego Silva do IFAP – Laranjal do Jari, pesquisadores Marcelino Guedes e Eleneide Sotta da Embrapa e professores da Universidade Federal Rural de Pernambuco – Rinaldo Caraciolo Ferreira e José Antônio Aleixo da Silva. Fizeram parte da pesquisa também dois pesquisadores estrangeiros – Ervan Rutishauser e Bruno Herault.

Os autores da pesquisa liderado pelo professor Robson Lima desenvolveram uma equação de volume de madeira como subsídio para os planos de manejo florestal para o Amapá. Atualmente, mesmo antes da paralisação das explorações florestais no Estado do Amapá, os gestores florestais usam em seus planos de manejo uma metodologia já ultrapassada para estimar o volume de madeira disponível para corte, conhecido como fator de forma.

Os autores relatam que o uso indiscriminado desse fator de forma (que para a Amazônia é um valor igual a 0,7 e pode variar a partir de 0,55) pode gerar sérios erros nas estimativas de volume por hectare e até mesmo por espécie apta para corte.

Nesse sentido, o professor Robson Lima desenvolveu uma equação de volume para os planos de manejo, usando um banco de dados disponível de aproximadamente 1300 árvores caídas naturalmente na Floresta Estadual do Amapá. O estudo comparou diferentes metodologias de estimativas de volume, inclusive testando o fator de forma usado localmente nos planos de manejo e equações genéricas de outras regiões da Amazônia com condições bioclimáticas similares as do Amapá.

Os resultados mostram que o volume de madeira pode ser estimado de forma mais acurada a partir da equação desenvolvida no estudo e que o fator de forma pode levar a estimativas viesadas devido alta heterogeneidade da floresta.

Por fim, a equação final gerada foi obtida a partir do modelo estatístico de Schumacher-Hall ([Log(Volume) = = β0 + β1.Log (DBH) + β2.Log (Hc) + ε]), amplamente conhecido na ciência florestal como um dos mais eficientes na medição da floresta. Assim, a equação que recomenda-se para estimar o volume de madeira no Amapá é: Log(Volume) = –8.889 + 1.881 * Log(DAP) + 0.875 * Log(Hc). Bastar entrar com as medidas de diâmetro a altura do peito (DAP) e altura comercial da árvore (HC), ambos em escala logarítmica para obter o volume comercial com casca de qualquer árvore viva no Amapá. Segundo os autores, esta equação possui intervalos de confiança válidos e pode ser utilizada por gestores florestais na região visando o controle e exploração sustentável de madeira conforme é definido na atual resolução CONAMA Nº 495/2020

A versão final do artigo pode ser acessada em https://academic.oup.com/forestscience/advance-article-abstract/doi/10.1093/forsci/fxaa032/5918274

Ou para consultar a versão final em pdf, bastar enviar um email ao autor principal Robson Lima ([email protected])

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.