Governo do Amapá e Sebrae anunciam realização da 51ª Expofeira

Governo do Amapá e Sebrae anunciam oficialmente nesta quarta-feira, 26, às 8h, no Parque de Exposições da Fazendinha, a parceria para a realização da 51ª Expofeira do Amapá. O evento foi reformulado para dar lugar a uma grande feira de negócios com ênfase no desenvolvimento econômico do Estado na produção florestal e de alimentos.

A Expofeira acontecerá no período de 30 de outubro a 8 de novembro.

Dos 120 mil metros quadrados do Parque de Exposições da Fazendinha, 116 serão utilizados na edição 2015, que virá a ser um dos maiores eventos realizados entre o Governo do Amapá e Sebrae. A expectativa é atrair empreendedores e expositores de diversos segmentos econômicos, turistas e o maior número de visitantes de todos os tempos.

As antigas baias – utilizadas nas últimas cinco edições como praças de alimentação – cederão espaço para o uma grande vitrine de negócios com ênfase em dois eixos: Produção de Alimentos e Produção Florestal. Os stands institucionais serão removidos e o espaço se tornará uma mini fazenda com demonstração de todos os processos de desenvolvimento do Setor Primário do Amapá.

As modificações conservarão a essência do evento e, ainda, colocarão a Expofeira do Amapá no padrão de modernização das mais conceituadas feiras de negócios do país.

Mobilidade urbana e segurança também serão adequações que propiciarão maior comodidade e conforto aos visitantes. O novo projeto contempla acessibilidade, regras de segurança e fiscalização do parque de diversão, áreas especificas para táxis e ônibus de Macapá e Santana.
As telhas, madeiras e estruturas metálicas, portas e janelas retiradas das antigas estruturas serão reaproveitadas nas obras do parque para a realização da 51ª Expofeira. Outros materiais serão reaproveitados nas obras do Centro de Treinamento do Rurap, o CD Rural, para montagem de abrigos e criação de animais.

Produção de Alimentos
A Produção de Alimentos vai dar visibilidade a Agricultura Comercial e Familiar, Pecuária, Pesca, Extrativismo Alimentar e as potencialidades do Setor Primário como os grãos, açaí, pecuária bubalina e bovina, piscicultura e mel.

Serão criadas áreas para a demonstração de atividades do campo com foco nas oportunidades e potencialidades de negócios no setor agropecuário. Este será um trabalho integrado dos setores econômicos e de pesquisa do Estado onde estão envolvidos a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap), Agência de Pesca do Estado do Amapá (Pescap), Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária do Amapá (Diagro), Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Estado do Amapá (Imap), Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Setec), Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Na área da agricultura de produção comercial, uma plantação de grãos com o cultivo de soja e milho demonstrará as técnicas de cultivo e beneficiamento. No espaço voltado para a agricultura familiar será criado um mini sítio com o cultivo de espécies como mandioca, feijão, milho, melancia, açaí, banana e hortaliças.

Também vai ser demonstrada a criação de pequenos animais como suínos e aves, e a produção de abelhas sem ferrão. Na área da psicultura, espécies de peixes criados em cativeiro vão estar em exposição. Em um espaço chamado “biofábrica” estarão expostas mudas de árvores frutíferas resistentes a doenças e pragas.

A produção de leite e seus derivados será apresentada pelo Projeto Balde Cheio, que em um espaço específico contará com a exposição de gado de corte em uma área de pasto, com toda a ambientação, que mostra desde a produção do leite até seu beneficiamento. O projeto é do Sebrae e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado.

Produção de Florestal
A Produção Florestal apresentará as potencialidades da madeira e oleaginosas como andiroba, pracaxi, copaíba, castanha do Brasil e as oportunidades que o setor pode oferecer na industrialização de produtos como alimentos, cosméticos e farmacêuticos.

Vitrine de Negócios
A nova estrutura da 51ª Expofeira apresenta uma área que será chamada de Vitrine de Negócios. O espaço será usado para a exposição de outros eixos econômicos: Mineral, Logística e Indústria e Turismo.

O Espaço do Setor Industrial vai valorizar os produtos que podem ser utilizados como base para a agroindústria. Destaque para o açaí, pesca, piscicultura, grãos, madeira, mandiocas e derivados.

No Espaço das Oportunidades vão ser apresentados protótipos, processos, tecnologias, produtos e soluções inovadoras que ampliem e melhorem a produção dos setores da Indústria, Mineração e Logística. Empresas estabelecidas no mercado irão demonstrar o funcionamento e a produção das fábrica instaladas de laticínios, de beneficiamento de pescado e de açaí.

No Espaço das Potencialidades serão apresentados produtos e serviços com fins de agregar, atrair e ampliar a capacidade produtiva e as possibilidades de geração de negócios. Também serão apresentadas as possibilidades ainda não exploradas no Estado como a produção de rochas ornamentais.

O Espaço de Produção Florestal apresentará a cadeia produtiva da madeira com uso de equipamentos modernos, usados no processo de beneficiamento da matéria prima. Agregado ao espaço vão estar a área de construção naval e construção civil.

O Espaço do Conhecimento é voltado para treinamento, palestras, seminários e mini-cursos. A estrutura vai ser contemplada com uma sala para 100 lugares e outras duas para 50 lugares cada. Uma cozinha industrial também vai ser implantada no espaço.

Gastronomia, shows e estacionamento

O Parque de exposições vai contar com diversos palcos. A arena principal vai ser destinada aos shows nacionais e rodeios. Outros palcos distribuídos pelo parque serão utilizados para apresentações de artistas locais.

Vários espaços serão destinados à gastronomia que terá como parceira a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

A Secretaria de Estado do Trabalho e Empreendedorismo (Sete) coordenará as praças de alimentação populares, shopping popular e o “açaisódromo” (local destinado a comercialização de açaí). Ao todo serão 500 empreendedores individuais que passarão por processo seletivo em edital com regras de participação e sorteio dos espaços, bem como capacitação de boas práticas e manuseio de alimentos.

A feira contará com estacionamento com capacidade para abrigar 20 mil veículos por dia. As empresas interessadas em explorar o serviço terão que participar de licitação.

(Secom-GEA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *