Justiça manda prender secretário de saúde do Amapá

O desembargador Agostino Silvério, do pleno do Tribunal de Justiça do Amapá, mandou prender na manhã de hoje o secretário de estado da saúde por desobediência judicial.
Desde abril, a Justiça vem notificando a Secretaria de Saúde (Sesa) para que proceda a compra de um medicamento prescrito por médico da rede pública para um paciente de câncer.
Depois de notificar quatro vezes o secretário de saúde, o desembargador Agostino Silvério decidiu expedir um mandado de prisão contra o secretário por desobedecer ordem judicial.
O mandado foi cumprido na manhã de hoje, por volta das 10h, por um oficial de justiça e dois policiais da Casa Militar do TJAP. Nunes foi levado para o Tribunal de Justiça onde assinou um termo circunstanciado e comprometendo-se a cumprir a ordem judicial. Depois de alguns telefonemas, o governo comprou o medicamento que imediatamente foi levado para o paciente e o secretário liberado.

mandado1a

  • Eu tou até certo ponto horrorizado de ver pessoas que defendem o atual governo dizendo que pq a Justiça não fez isso no governo passado. E ai fico pensando que falta de amor pela vida humana, não importa se tal governo é amarelo, azul, verde, rosa o que importa é o bem estar da população. E é um direito constitucional o acesso a uma saúde de qualidade, então foi totalmente correta a ação desse magistrado. E que nosso grande pai celestial ilumine o povo amapaense, pra se livrar dessas oligarquias (Capiberibes, Góes, Favachos, Gurgeis, Borges, Duartes, Dias e outros) que tão mal fazem ao nosso pobre Amapá.

  • entao porque os secretarios de saude da epoca do waldez goe e companhia nao foram presos toda vez que morria criancas recem nascidas n amaternidade mae luzia, me polpem desembargador (…)

    • Um erro não justifica o outro,amigo.Cai doente em um leito e precise de atendimento médico,mesmo que não seja de qualidade,mas que alivie o sofrimento náquele momento,dai me diga se é justo oque acontece na rede pública de saúde.Que lida com vidas tem que ter pelo menos “bom senso”.É inadimissível que um secretário de saúde trate com descaso vidas humanas.O juiz foi muito “bonzinho” em não mantê-lo preso e o GEA mais ainda em não demiti-lo do cargo e quiça dos quadros funcionais. Camilo quer ser reeleito,como? A arma que ele tem deve estar com defeito vertical,apontada direto p/o pé.

      • Quanta hipocrisia, o problema da saúde passa por questões muito maiores que apenas umas caixas de remédio. Fosse apenas essa pessoa nesta situação até faria sentido. Ninguém quer olhar para a origem do problema: Legislativo. Tudo passa por lá. Orçamento, controle, fiscalização dos recursos. Quantos médicos mesmo temos na assembleia? Ah, sei.

  • Infelizmente temos que ler uma notícia dessa. Independente de qualquer aspecto politico que queiram dar, o fato que originou toda essa celeuma, é que um paciente necessitado precisou entrar na justiça para ter direito a um medicamento que ele precisava. A justiça concedeu o direito do paciente de receber o medicamento, visto que é dever do Estado dar saúde, educação, segurança ao cidadão. O pior de tudo, os gestores negaram, postergaram a compra, no final das contas, não resolveram o problema. Incompetência ou desleixo com vidas que precisam? Onde nós chegamos? Não é política, não é governo amarelo ou azul ou vermelho ou verde. É o povo que precisa, e isso independente de cor partidária, de política, de conchavos, precisa ser respeitado. Se o governo atual independente de sua ideologia, de sua cor, cuidasse melhor do povo que o elegeu legitimamente, que estivesse mais perto desse povo, sanando as suas necessidades, dando prioridade a esse povo que o elegeu, esse mesmo povo o reconduziria, com altos índices de aprovação, para uma reeleição tranquila. Mas diante de tanta mesquinharia, confusões, disputa de poderes, de famílias, de cargos, o povo sofre, e paga por ter eleito e acreditado naqueles que só pensam em tudo pelas suas terras e tudo pelas suas famílias. Oligarquias amapaenses, Capiberibes, Goés, Favachos, Gurgéis, Borges. E o povo? Nem tchum.

    • 1ª vez que leio um texto tão bem redigido e articulado,de um leitor deste blog.Perfeito onde diz “que govero não tem cor,nem raça”,tem compromisso.Compromisso com o povo que o elegeu e confiou em suas palavras de campanha e que hj tem o dever de cumpri-las, independente de promessas feitas lá atrás.O respeito aos cidadãos(ãs) pagadores ou não de impostos,deve ser priorizado.É “absurdo” um paciente ter que recorrer à justiça p/ver seus direitos cumpridos,é de causar total indignação.De dar nojo dessa politicagem barata que corroe com a vida do povo brasileiro.Familias se perpétuam nos poderes e fazem “barganha” com vidas humanas.Que horror!

  • O mesmo magistrado prende o secretário de estado da saúde por causa de um remédio que poderia ser adquirido com o sequestro do valor correspondente e solta o empresário Marba envolvido em graves acusações de corrupção. Alguém aí pode explicar pra gente como é que o critério da justiça funciona por aqui?????

  • IMAGINEM SE TIVESSE ACONTECIDO ISSO NO GOVERNO DO SR. WALDEZ GÓES , QUEM SABE HOJE ESTARIA BEM MELHOR , ACONTECE QUE AQUI NO AMAPÁ , O PAU QUE BATE NO FRANCISCO , NÃO BATE EM CHICO¨, LEMBRAM DO H C DO MARBA .

  • A única ressalva do atual governo, é que não foi por corrupção ao erário, mas ainda assim, é uma corrupção ao ao direito a vida.

  • Excelente atitude, está de parabéns o tribunal, o cidadão comum cumpre a risca a ordem judicial, por que os abonados não?

    • Em se tratando da nossa justiça,realmente foi uma atitude “nobre”,dentre tantas “escabrosas” que se tem visto no dia à dia,no país das impunidades.O GEA deveria ter esta mesma atitude e demitir quem não tem competencia p/administrar a simples compra de um medicamento,alvará uma secretaria.

  • Não tem nada a ver com o assunto!!

    CNMP julga representação contra MP/AP
    Publicado em 10 Junho 2014

    O Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) julgou, nesta segunda-feira, 9/6, durante a 12ª Sessão Ordinária, representação de servidores do Ministério Público do Estado do Amapá (MP/AP) contra a Administração da instituição. Eles alegaram irregularidades no MP/AP. Ao final, prevaleceu o voto-vista do conselheiro Jarbas Soares, no sentido de determinar que, no prazo de quatro meses, a contar do trânsito em julgado, caso não tenha sido ainda adotada essa medida, o MP/AP devolva os servidores cedidos que não ocupem cargos comissionados ou funções gratificadas.

    Estão excluídos dessa determinação os militares e os cedidos ocupantes de cargo em comissão ou função gratificada. Foram vencidos o relator, conselheiro Leonardo Carvalho, e o conselheiro Alexandre Saliba. O Plenário entendeu, também, que não cabe, no caso, qualquer questionamento disciplinar na conduta da procuradora-geral de Justiça, Ivana Cei.

    O Plenário tomou a decisão ao analisar procedimento de controle administrativo que requereu a verificação de irregularidades quando ao provimento de cargos de analista ministerial por servidores comissionados e cedidos no âmbito do MP/AP, em detrimento dos candidatos aprovados em concurso público para o provimento do referido cargo.

    Processo: 352/2013-98 (conexo: PCA 1462/2013-77)

  • Parabens pela ação energica da Justiça, pois é nessessario que todo ato de negligencia deve ser punido.

  • Pronto, já descobrimos como fazer funcionar a saúde no Amapá, basta prender o Jardel toda vez que faltar medicamentos (cirurgias, equipamentos etc).
    Deixa ele no Iapen despachando direto de lá, a saúde vai dar um salto de qualidade tremendo, tenho certeza.
    Desculpem a piada, não deu para resistir.

    • kkkkk….piada p/lá de boa.Só rindo mesmo p/não ter que chorar da triste história que vivenciamos neste estado.Taí uma ótma “dica” (despachar direto do IAPEM) p/a nossa justiça fazer valer sua autoridade,mandar junto com a notificação judicial a ordem de prisão do descumpridor da lei.Pronto, a qualidade de vida dos cidadão(ãs) amapaenses irá dar um “UP” bacana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *