Leandro Távora – Saque extraordinário do FGTS e a oportunidade de se livrar do rendimento pífio

Saque extraordinário do FGTS e a oportunidade de se livrar do rendimento pífio
Leandro Távora

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS – foi um fundo criado com o objetivo de proteger o trabalhador celetista em eventual demissão sem justa causa, ou seja, uma maneira de criar uma reserva caso o esse trabalhador venha a perder seu emprego de maneira “injustificada”. Os empregadores, automaticamente, depositam um %, que pode variar de 11,2% a 2% sobre o salário em contas em nome dos empregados na Caixa Econômica Federal.

O trabalhador não pode movimentar esses valores depositados a título de FGTS, salvo sob algumas condições, como: na demissão sem justa causa; no término do contrato de trabalho; na rescisão por acordo; em caso de acometimento por doenças graves; aquisição da casa própria ou amortização e liquidação de saldo devedor referente a prestações decorrentes de sistemas imobiliários de consórcio, dentre outras.

Ocorre que há algumas semanas, o governo federal, como medida para movimentar a economia, anunciou um saque extraordinário do FGTS, ou seja, os trabalhadores não precisam necessariamente atender as hipóteses pré-estabelecidas para saque, basta que tenham saldo na conta e podem sacar até o limite de R$ 1.000,00. As consultas a esse limite, iniciariam no dia 08/04 e os saques se iniciam a partir do dia 20/04 com data limite em 15/12.

Uma boa parte da população, muito provavelmente, sacará, caso haja limite, esse dinheiro para atender suas necessidades básicas como forma de complemento da renda, o que se faz necessário diante do atual cenário e o preço dos produtos nas alturas, esse dinheiro vem em um momento delicado e útil.

Mas, há quem possa não necessitar do dinheiro no momento e provavelmente deixará passar a oportunidade de saque, mas será que essa é realmente uma boa opção? É nesse momento que o conhecimento em educação financeira e investimentos fazem a diferença. Hoje, o FGTS nas mãos do governo rende 3% + variação da TR a.a., a projeção que essa rentabilidade total fique em 4,21% em 2022, ou seja, o FGTS tem um rendimento pífio e é o pior comparado a todos os outros, tem retorno pior que a poupança e infinitamente menor que a inflação acumulada dos últimos 12 meses, ou seja, além de render pouquíssimo, o trabalhador ainda perde poder de compra.

O trabalhador que optar por efetuar esse saque extraordinário e for muito conservador, pode, pelo menos, colocar esses R$ 1.000,00 na renda fixa, caso do Tesouro SELIC, por exemplo. Hoje com a SELIC em 11,75% a.a., há títulos pagando quase ou mais que os famosos “1% a.m.”**, o que a grande maioria não sabe é que, deixando na conta do FGTS ou investindo no tesouro, o dinheiro continuará nas mãos do mesmo tomador, no caso, o governo federal, ou seja, tomando o mesmo risco. No fim das contas é muito mais rentável emprestar o dinheiro ao investimento que te pagará mais, mas é obvio que eles não te contarão isso.

Portanto, há uma gama infinita de investimentos em que o trabalhador poderá alocar seu dinheiro em detrimento da conta do FGTS, mas para tanto, ele precisa estudar, analisar e então decidir o que poderia lhe trazer um retorno melhor. Inclusive, esse dinheiro que ele não contava, pode ajuda-lo a adquirir produtos que possam esclarecer os investimentos, pois se tem uma coisa que ninguém nos tira, é o conhecimento adquirido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.