Ministério Público denuncia empresário por corrupção

Nesta sexta (9), o Ministério Público do Estado do Amapá (MP-AP), por meio da Promotoria de Justiça de Investigações Cíveis, Criminais e Defesa da Ordem Tributária (PICC), deu entrada em duas denúncias contra o empresário Luciano Marba Silva, sócio majoritário da empresa LMS – Vigilância a Segurança Privada Ltda.

As denúncias são decorrentes de filmes apreendidos, no dia 23/10/2013, por ocasião das buscas realizadas na casa de Luciano Marba e na sede da empresa LMS. No primeiro vídeo, filmado pelo próprio empresário, no final de maio de 2011, ele aparece entregando R$ 100.000,00 (cem mil reais) para Edilberto Pontes Silva, esposo da então secretária de Educação do Estado, Miriam Alves Correa Silva, para tentar impedir que o Governo do Amapá colocasse em prática um estudo realizado pela Secretaria de Estado da Educação (SEED), que previa uma economia de R$ 800 mil reais, por mês, com a contratação dos serviços de vigilância nas escolas, o que implicaria na não renovação do contrato com a LMS.

O outro filme, também feito por Luciano Marba, em fevereiro de 2012, durante o procedimento licitatório da SEED para a contratação de serviços de vigilância das escolas da rede estadual, ele aparece entregando R$ 15.000,00 (quinze mil reais) para Bruno da Costa Nascimento, assessor jurídico da Comissão Especial de Licitação da secretaria. Neste filme, o empresário, juntamente com o sócio de sua empresa, Admar Barbosa da Silva, negociam com Bruno Nascimento a alteração de cláusulas do edital,  objetivando favorecer a LMS e, ainda, a necessidade do Presidente da CPL, Eliomar Sosinho Ribeiro, rejeitar um recurso apresentando pela empresa Vigex – Vigilância e Segurança Privada Ltda.

No primeiro caso, os vídeos foram utilizados por Cleobernaldo Ribeiro Leite, que além de Policial Civil, trabalha na LMS, para a prática de extorsão contra os funcionários públicos filmados.

Para os Promotores de Justiça responsáveis pelas investigações, Luciano Marba Silva praticou, como autor ou co-autor, vários crimes dentre os quais: corrupção ativa, corrupção passiva, extorsão, afastar interessados à licitação e formação de quadrilha.

(Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá)

  • ALCINÉA FICO INDGNADA QUANDO O ADVOGADO DO MARBA APARECE DANDO ENTREVISTAS DIZENDO QUE O SEU CLIENTE NÃO SABIA DE NADA,QUE ELE NA VERDADE ERA A VÍTIMA DE TODA ESSA SACANAGEM.SÓ FALTA O PAPA FRANCISCO CANONIZAR O MARBA PARA ELE VIRAR SANTO.

  • NONATO,O NOBRE DEPUTADO APRESENTA UM PROGRAMA AOS SÁBADOS NA 102 FM NO HORÁRIO DE 8:00 ás 12:00 CHAMADO EDINHO DUARTE COM UNICA,MAS DÚVIDO QUE O MESMO VÁ APRESENTÁ-LO ESTE SÁBADO,POIS HOJE O QUE CAI BEM É FICAR CALADO E ASSIM MESMO AINDA ESTÁ ERRADO.

  • O MP tem que chamar o advogado que denunciou a chefe do esquema de propina, ele denunciou e assinou em baixo, isso feito por uma pessoa que era da confiança da denunciada é muito grave, o que quer o MP? E o promotor vem dizer que não ha indícios do comprometimento dela. Doutores, tem um documento assinado pelo denunciante é só chamar e ouvi-lo, ou existe algum medo nisso?

  • POR FAVOR, POSTEM UM COMENTARIO INFORMANDO O HORARIO E A SINTONIA DO PROGRAMA DO DEPUTADO/RADIALISTA EDINHO DUARTE. QUERO OUVIR SUA VERSAO DO FATIDICO EPISODIO REPORTADO NO PROGRAMA FANTASTICO.

  • E a gente ainda tem que ler gente fazendo essas matérias de palanque político deste ou daquele candidato. Nenhum deles liga pro povo, que se degladia por votos para eles ficarem mais quatro anos sem fazer nada. Lamentável.

  • Em ano eleitoral as “MS” são jogadas no ventilador.Muito estranho mesmo a atitude do MP.
    O empresário pensou……..”antes mal acompanhado,dq só”,e tomá-lhe filmagem…kkk

  • O problema é que corrupto e corruptor são farinha dos mesmo saco. Um não existe sem o outro. São como irmãos siameses. A pena para um, é a mesma para outro.
    Além do mais, dizem que no filme bondiano, o dinheiro é separado para cada um dos destinatários. Será que isso vai aparecer no fantástico, ou na denuncia do MP?

  • Este Advogado, Bruno Nascimento, é filho de um Delegado aposentado e teve vários cargos em comissão, por vários governos e prefeituras. Resta saber se estes cargos foram oriundos de méritos pessoais ou pela influência do pai. Ao que tudo indica, foi pelo segundo. Se comprovadas as denúncias, resta ao MP verificar se foi apenas este seu “legado” ao serviço público. E mais uma vez teremos provado que o “Q.I.” não é o meio mais indicado para escolha de cargos em comissão.

  • Eu quero que as denuncias sejam apuradas mas realmente soa no minimo estranha e oportunista a atitude do MP em somente agora denunciar o empresário.

  • Égua náo! Égua não! O Amapá tá arruinado mesmo. Corrupção pra todo lado. Agora porque o ministerio publico deixo pra entra com pedido só agora que o fantastico vai publicar tudo?/? Pra mim tá tudo dominado!!!

  • Muito interessante essa denúncia agora, dois anos após o escândalo que culminou com a saída da secretária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *