Moradores de rua conhecem pontos turísticos de Macapá

Os usuários do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua vivenciaram uma experiência única, na quarta-feira, 19. Eles conheceram o Museu Sacaca. A ação foi ofertada pela Prefeitura de Macapá, que ofereceu aos 20 moradores em situação de rua uma manhã de lazer, diversão e resgate da dignidade.

O passeio faz parte das atividades de férias do Centro POP e tem o objetivo de inserir os usuários aos espaços públicos da cidade e proporcionar o resgate da cidadania. A pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2013 revela que muitos dos moradores de Macapá não conhecem o plano piloto de sua cidade, seus monumentos, pontos turísticos. Na quarta-feira, 26, moradores em situação de rua conhecerão o Curiaú.

Bernardo de Melo, 55 anos; Elcio Ribeiro, 44 anos; e Claudia Silva, 42 anos, ficaram encantados com o museu. Os três adoraram a oportunidade e garantem que irão guardar para sempre a lembrança desse dia, cada um com seu local favorito. “O lugar que mais gostei foi o barco e a estátua do Sacaca. Fiquei muito feliz de meus companheiros estarem aqui”, disse Bernardo de Melo.

“Essa foi uma boa oportunidade para os nossos usuários descobrirem a importância do Museu Sacaca e sua inserção como Patrimônio de Cultura do nosso estado”, explicou a assistente social do Centro POP, Maria Martins.

O Centro POP
A Prefeitura de Macapá dispõe de um equipamento denominado Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro-POP). É uma unidade pública e estatal de referência em atendimento especializado à população adulta em situação de rua, de ambos os sexos, acima de 18 anos, que perderam os vínculos familiares, suas raízes, sua dignidade, que estão em alto nível de vulnerabilidade social, degradação física, moral e emocional, que, na sua grande maioria, são dependentes de álcool e outras drogas, principalmente o crack.

A política pública executada pela gestão municipal tem o objetivo de possibilitar condições de acolhida na rede socioassistencial; favorecer a inclusão social, possibilitando condições de acesso à rede de serviços e aos benefícios socioassistenciais; e promover ações para a reinserção pessoal, familiar e comunitária, garantindo a essa população condições básicas de socialização. O atendimento funciona da seguinte forma: recepção, acolhida, atendimentos social e psicológico.

O centro funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h, na Avenida Aurino Borges, n° 388, bairro São Lázaro, na rua que fica o Diário Oficial. São oferecidos encaminhamentos para a retirada de documentos e para inscrição nos programas sociais. Os usuários ainda contam com espaço para higienização e oficinas de incentivo à autonomia pessoal e familiar.

(Lilian Monteiro -Assessora de comunicação/Semast)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *