MPF/AP apura causas do naufrágio

Procedimento extrajudicial aberto pelo Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) vai  apurar as causas do naufrágio do barco “Reis I”. O acidente ocorreu no último sábado, 12 de outubro, após a procissão fluvial pelo Círio de Nazaré, no Rio Amazonas. A Capitania dos Portos do Amapá deve prestar esclarecimentos.
A 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, que trata dos direitos do consumidor, quer saber se a embarcação estava com número de passageiros acima da capacidade. As condições de uso do barco e a regularidade da documentação junto à Capitania dos Portos também são interesse do MPF/AP.
A instituição requisitou ao órgão informações sobre os procedimentos adotados antes da saída do barco da área portuária de Santana, a cerca de 20 km da capital, Macapá. A Capitania dos Portos deve apresentar documentos do proprietário e da embarcação, informar detalhes sobre a capacidade máxima permitida de pessoas no barco e fornecer relação nominal de passageiros e tripulantes.
Responsabilidades – Após o recebimento e análise das informações, o MPF/AP vai adotar medidas para eventual responsabilização civil, penal e administrativa.
(Assessoria de Comunicação Social/Procuradoria da República no Amapá)
  • Infelizmente as providencias sempre são tomadas quando acontecem tragédias, agora vão revirar tudo para achar um culpado, e daqui a uns meses fica tudo como era antes.
    Já tivemos muitas tragédias e a gente nunca aprende, sempre queremos ganhar mais e mais, sempre damos o jeitinho Brasileiro e os órgão responsáveis nada fazem ou fingem que fazem, como são órgãos públicos trabalhar pra quê ! . Esqueci… eles são Federais….Por isso que os que vem de fora gostam do Brasil, pois aqui não tem regras.
    Peço a Deus que de força as estas famílias!
    E um pouco de racionalidade aos responsáveis, que não são poucos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *