Nota da CNBB

Ouvir o clamor que vem das ruas

Nós, bispos do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunidos em Brasília de 19 a 21 de junho, declaramos nossa solidariedade e apoio às manifestações, desde que pacíficas, que têm levado às ruas gente de todas as idades, sobretudo os jovens. Trata-se de um fenômeno que envolve o povo brasileiro e o desperta para uma nova consciência. Requerem atenção e discernimento a fim de que se identifiquem seus valores e limites, sempre em vista à construção da sociedade justa e fraterna que almejamos.

Nascidas de maneira livre e espontânea a partir das redes sociais, as mobilizações questionam a todos nós e atestam que não é possível mais viver num país com tanta desigualdade. Sustentam-se na justa e necessária reivindicação de políticas públicas para todos. Gritam contra a corrupção, a impunidade e a falta de transparência na gestão pública. Denunciam a violência contra a juventude. São, ao mesmo tempo, testemunho de que a solução dos problemas por que passa o povo brasileiro só será possível com participação de todos. Fazem, assim, renascer a esperança quando gritam: “O Gigante acordou!”

Numa sociedade em que as pessoas têm o seu direito negado sobre a condução da própria vida, a presença do povo nas ruas testemunha que é na prática de valores como a solidariedade e o serviço gratuito ao outro que encontramos o sentido do existir. A indiferença e o conformismo levam as pessoas, especialmente os jovens, a desistirem da vida e se constituem em obstáculo à transformação das estruturas que ferem de morte a dignidade humana. As manifestações destes dias mostram que os brasileiros não estão dormindo em “berço esplêndido”.

O direito democrático a manifestações como estas deve ser sempre garantido pelo Estado. De todos espera-se o respeito à paz e à ordem. Nada justifica a violência, a destruição do patrimônio público e privado, o desrespeito e a agressão a pessoas e instituições, o cerceamento à liberdade de ir e vir, de pensar e agir diferente, que devem ser repudiados com veemência. Quando isso ocorre, negam-se os valores inerentes às manifestações, instalando-se uma incoerência corrosiva que leva ao descrédito.

Sejam estas manifestações fortalecimento da participação popular nos destinos de nosso país e prenúncio de novos tempos para todos. Que o clamor do povo seja ouvido!

Sobre todos invocamos a proteção de Nossa Senhora Aparecida e a bênção de Deus, que é justo e santo.

Brasília, 21 de junho de 2013

Cardeal Raymundo Damasceno Assis
Arcebispo de Aparecida
Presidente da CNBB

Dom José Belisário da Silva
Arcebispo de São Luís
Vice-presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB

  • Com pequenos adentros, assino em baixo desse Post na Página Vermelha:….”Recomendo aos manifestantes de partidos como o PT, PSB, PCB, PSTU, PCdoB, PSOL, PCO e as organizações sociais e sindicais vistas na manifestação que SE UNAM contra baderneiros e gangues de extrema-direita que tem atacado grupos de esquerda nos últimos dias.

    Embora divirja com veemência a ideologia e a prática do PSTU, é bom notar que vários grupos só não tem atacado outros partidos “por falta de rima”. Eis aqui o comentário de um indivíduo de extrema-direita incitando à violência contra manifestantes de esquerda:

    Alexandre Assemany: PESSOAL, aqui em Salvador ontem tomamos Bandeiras do PSTU, PSOL, PCdoB e cia, NÃO QUEREMOS ESTES PARTIDARISTAS COMUNISTAS EM NOSSAS MANIFESTAÇÃO, PARA QUEM NÃO ENTENDEU essa MOVIMENTAÇÃO É CONTRA A CORRUPÇÃO, GASTOS COM A COPA EXAGERADO, CONTRA A PEC37, PELO TRANSPORTE PÚBLICO E GRATUITO. Ou seja se vcs encontrarem pessoas com camisas do PSTU, PSOL, REDE, PCdoB, PCB, PCO, PT e outros BAIXEM A PORRADA NELES, JUNTEM UM GRUPO, E QUEBREM ELES NO PAU, TOMEM E LASQUEM AS CAMISAS E BANDEIRAS.
    Like · Reply · about an hour ago

    Partidos como PT, PSB, PCdoB, PSOL e PSTU têm, em maior escala integrado várias lutas populares a favor do transporte público de qualidade. Enquanto muita gente sonha que “o Brasil acordou”, ele já está acordado há muitos anos, só que quando esses partidos e o povo iam à rua protestar, eles preferiam dizer que se tratava de “malandros e baderneiros que não tem o que fazer”, ou mesmo ainda diziam “se acha o transporte caro, compra um carro, anda a pé”.

    TODO APOIO A ORGANIZAÇÕES DE ESQUERDA QUE ESTÃO NA MANIFESTAÇÃO, RETIRAR-SE É FAZER O JOGO DA DIREITA, É FAZER O QUE O FASCISMO QUER! A HORA AGORA É DE UNIÃO, NÃO DEIXEM A EXTREMA-DIREITA RASGAR SUAS BANDEIRAS, NEM QUEBRÁ-LAS, A MENOS QUE SEJA PARA QUEBRÁ-LAS NA CABEÇA DE UM FASCISTA !!! NO PASARÁN!”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *