Polícia Pará prende homem que vendia combustível clandestino para navio Anna Karoline III

Na tarde de ontem,  terça-feira (3), o Grupamento Fluvial (GFLu), vinculado à Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), que presta apoio às ações de resgate no naufrágio do navio Anna Karoline III, prendeu um homem – Manoel do Carmo dos Reis -, que confessou ter comercializado combustível clandestino para a embarcação em ocasiões anteriores ao acidente. O navio submergiu no Rio Jari, no município de Laranjal do Jari, no território do Amapá, na madrugada do último sábado (29). Ele saiu de Santana, no Amapá, com destino a Santarém, no oeste do Pará.

Policiais civis do Gflu e da Delegacia Fluvial chegaram ao acusado após ouvirem depoimentos de vítimas, relatando terem visto uma embarcação denominada “Albatroz” atracada ao navio Ana Karoline III fazendo transbordo ilegal de combustível. A atividade, aliada ao mau tempo, teria ocasionado o naufrágio.

Os agentes do sistema de segurança do Pará foram à casa de Manoel do Carmo dos Reis, conhecido por “Tá Legal”, onde encontraram o barco pertencente ao acusado atracado em frente à residência, localizada na localidade Santa Maria, no município de Gurupá, na margem oposta do rio onde ocorreu o naufrágio.

“Nós chegamos até a casa do indivíduo, que confessou vender combustível e mostrou aos policiais o porão do barco, onde foram encontrados três tambores de 200 litros, totalizando 600 litros de diesel, além de uma motobomba usada para abastecimento. Verificou-se, também, que o barco estava com resíduos de óleo diesel derramado pelo porão. No local, Manoel disse que vende combustível em seu barco adquirido das embarcações que passam pela região, e que já teria vendido combustível, várias vezes, para o navio Ana Karoline III. Porém, ele afirmou que no último sábado não estava vendendo combustível ao referido navio, e que teria ido buscar mercadoria. Ainda segundo ele, como o mesmo afundou na hora da atracação, nem chegou a pegar a mercadoria que foi buscar porque o navio foi a pique”, informou o diretor do Grupamento Fluvial, delegado Arthur Braga, integrante da força-tarefa que trabalha no local do acidente.

Em depoimento, acrescentou o delegado, Manoel disse ainda que prestou socorro às vítimas, pois estava ao lado no momento do acidente, e que o combustível comercializado não tem nota fiscal porque foi desviado de embarcações que navegam pela região.

Nesta terça-feira, a Polícia Técnico-Científica (Politec) do Amapá liberou o corpo da primeira vítima paraense – um homem de 76 anos, que residia no município de Monte Alegre (na região oeste). A esposa da vítima estava em Gurupá e foi conduzida até Macapá, para providenciar o traslado do corpo para Monte Alegre.

Integração – A atuação integrada dos órgãos de segurança do Pará, por meio do Grupamento Fluvial (GFlu), Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Pará (Graesp), Delegacia Fluvial, Companhia Fluvial e Grupamento Marítimo Fluvial, além do apoio de policiais militares do município de Afuá (no Arquipélago do Marajó) e de bombeiros militares de Santarém, totalizando 35 agentes, começou logo no dia seguinte ao naufrágio.

A equipe está ouvindo relatos das vítimas, apoiando mergulhadores e a comunidade, e participando de buscas e investigações. Todo o trabalho é realizado em conjunto com a Marinha do Brasil e o Corpo de Bombeiros Militar, grupamento de Macapá.

O Graesp continua dando apoio, com duas aeronaves, e o GFlu com a embarcação “André Luiz”, para transporte de pessoas, e mais duas lanchas.

(Texto e foto: Secretaria de Comunicação do Estado do Pará)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *