Praça Beira-Rio vira antro da bandidagem

Um dos mais belos cartões postais de Macapá – a Beira-Rio – virou antro de malacos, bandidos, menores infratores. Quem vai ali caminhar, tomar uma água de coco, comer um abacaxi geladinho, contemplar o maior rio do mundo, apreciar o nascer do sol ou da lua corre o risco de ser assaltado.
Todo dia, toda hora, alguém é assaltado ali.
Agora até crianças são vítimas da bandidagem.
Ontem à tardinha uma menina de 12 anos perdeu seu celular para dois malacos.
O delegado de polícia Sávio Pinto que curtia o final da tarde com seus filhos na Beira-Rio viu o assalto, perseguiu os malacos e conseguiu prender um.
No Twitter ele relatou assim:
“Ontem a tarde quando estava com meus filhos na Praça Beira Rio dois adolescentes realizaram um roubo de um celular de uma menina de 12 anos. Um dos adolescentes, na fuga, apontou uma “arma de fogo” para mim e para meus dois filhos. Na hora estava desarmado e só protegi meus filhos. Depois me armei e passei em perseguição aos dois envolvidos. Um deles conseguimos capturar, depois de vários muros pulados. O outro fugiu com o celular roubado. Isso tudo em plena Praça Beiro Rio, domingo, 17h. Depois fiquei sabendo que a arma era um simulacro. Ainda persegui o outro, entrei numa fábrica de gelo e quase fui pego por um cão hottweiler. O outro menor infrator fugiu. Esse é o retrato da nossa (in) segurança pública. É um cenário constante, ordinário, indicando que muita coisa tá errada, equivocada, distorcida. Lamentável!”

  • Tive a oportunidade de passar minhas férias em Fortaleza, considerada grande metrópole, violenta, com grande número de assaltos etc. Confesso que não sei onde tive mais medo, se naquela capital ou na minha própria cidade, Macapá. Pelo menos na orla de Fortaleza por exemplo, bastante movimentada, não vi casos de assaltos “em plena luz do dia” como na nossa cidade. Para eu ir a Beira Rio por exemplo, nem ouso usar meu telefone celular e muito menos carregar uma bolsa. Vou o mais simples possível! Desculpe-me fazer a comparação entre uma outra capital e a nossa, mas, tenho muitas vezes, a sensação que Macapá está mais assustadora que uma grande metrópole em termos de violência.

  • tem que se exonerar o secretario de segurança publica marco roberto e colocado um tecnico da pasta de segurança que possa integra as policias do estado

    • O Secretário de Segurança Pública não pode fazer milagres. Antes de exonerar o Secretário, que tal criar mecanismos para reduzir a produção de menores infratores? Como já disse antes, ninguém nasce bandido, mas, dependendo da situação em que a criança é gerada, já vem com alvará de funcionamento para a criminalidade. Não faltam policiais, o que falta é uma boa criação dos filhos, dentro de um seio familiar, o que evita que virem bandidos. Sabiam que 85% dos menores infratores são filhos de pais separados. As pessoas brincam de fazer filhos e depois reclamam da violência desses menores revoltados. Portanto, a culpa pelo aumento da violência não é do Secretário de Segurança Pública, mas dessas pessoas que brincam de constituir famílias, sem qualquer responsabilidade sobre as consequências.

  • E não há iluminação pública! Muita escuridão na Beira-Rio, o que só facilita a atuação dos malandros.

  • Certamente segurança pública e o caos instalado na saúde serão as pedras no sapato do Gov. Camilo para as eleições de 2014. Os hospitais mais parecem centro moveis comparados aos utilizados em tempo de guerra a ponto de empresas de grande porte do centro oeste perderem o interesse em concorrer à licitação para assumir essa bagunça, levando um técnico de uma delas, durante visita técnica, a dizer que “somente o exército para assumir porque imposto pela União como mandatária. Isso mais parece o Haiti depois do terremoto”. Uma vergonha para todos nós. É lamentável fazer política com a segurança e saúde do povo!

  • Alcinea, no domingo por volta das 20h também presenciei uma briga de gangs de menores(infratores) lá na praça Beira Rio. Na plateia atônita, impotente e assustada, todos nós que ali estávamos nos divertindo, pegando um vento do nosso rio Amazonas. Não havia simplesmente um policial/guarda(militar ou municipal) no local. Somente depois de 15 minutos da correria, a polícia do BPTRAN(!!!) chegou! Que lástima!

    • Antes de perguntar “cadê o policiamento?”, a pergunta correta é: CADÊ OS PAIS DESSAS CRIANÇAS? Nesta semana, a polícia de Natal prendeu dois menores assaltando uma loja. Um tinha 17 e o outro 9 anos. O repórter perguntou para o mais novo onde estavam seus pais e ele respondeu: “Meu pai não sei quem é e minha mãe é noiada”. Portanto, a culpa é da polícia que não impede esse povo de gerar filhos por meio daquilo que eu qualifico como natalidade irresponsável e inconsequente.

  • Fatos como este relatado são mais comuns do que os dados estatísticos mostram, pois muitas vítimas não registram os dados nas delegacias.
    Os policiais militares e os guardas municipais que estão nos gabinetes da vida, disposição de excelências ou ocupando cargos, fazem falta no policiamento das ruas e praças tucujus.

  • Alcinea,
    Soube que por volta da 22 horas ocorreu novo furto que acabou em violência. Cadê o policiamento na praça, em especial nos fins de semana?Com a palavra as autoridades que fazem parte do sistema de segurança!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *