Procurador do Trabalho diz que reforma trabalhista é bomba

“Bomba relógio”, assim o procurador do Trabalho Paulo Isan Coimbra, que ocupa a vice chefia do Ministério Público do Trabalho PA/AP (MPT), classifica o PLC 38/2017, que propõe a reforma trabalhista e altera mais de 100 itens da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Segundo o procurador, a reforma afeta as relações micro e macro, ao impactar fortemente o mercado consumidor com o achatamento da remuneração do trabalhador.

No início desta semana, representantes de diversas entidades que participaram da audiência pública no início de junho se reuniram para assinar o Consenso de Belém, documento que expõe as principais conclusões acerca do debate, a ser encaminhado aos senadores da República do Pará e do Amapá e ao presidente do Senado Federal.

De maneira geral, o documento coloca que “ao invés de estimular a produção de emprego e a atividade empresarial, o resultado imediato da aprovação da proposta será o aumento do desemprego e a precarização das relações de trabalho, com redução da renda, quebra do mercado interno e agudização da crise econômica”. Ao final, o Consenso conclama os senadores da República a retirar o projeto de pauta e iniciar ampla discussão para a reforma da legislação trabalhista “em bases minimamente jurídicas, que impeçam o retrocesso social”. Caso não seja viável a profunda rediscussão e reestruturação do projeto, o documento pede a rejeição integral proposta.

Assinaram o Consenso de Belém representantes da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, do Ministério Público do Trabalho – PA/AP, da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará, da Associação de Magistrados Trabalhistas da 8ª  Região, do programa em Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Pará, da Pós-Graduação Lato Sensu em Direito do CESUPA, do Curso de Graduação em Direito da Universidade Federal do Pará, do Curso de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Pará e do Observatório Paraense do Mercado de Trabalho/Curso de Economia da Universidade Federal do Pará.

Derrota no Senado

Ontem (20), o PLC 38/2017 sofreu derrota no Senado ao ser rejeitado pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS). O texto sobre a reforma trabalhista teve 10 votos contrários e nove a favor na CAS. A matéria precisa ser apreciada por mais duas comissões – Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e  Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) – antes de seguir para votação em Plenário.

(Fonte: Ministério Público do Trabalho)

  • Sou a favor da reforma trabalhista. Sou a favor, também, da incorporação da justiça trabalhista à justiça comum, acabando com esse privilegio judiciário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *