Saudade

Poeta Alcy Araújo Cavalcante, meu pai

Num dia de tristeza me faltou o velho
E falta lhe confesso que inda hoje faz

(…)

Eh, vida voa
Vai no tempo, vai
Ai, mas que saudade
Mas eu sei que lá no céu o velho tem vaidade
E orgulho de seu filho ser igual seu pai
Pois me beijaram a boca e me tornei poeta
Mas tão habituado com o adverso
Eu temo se um dia me machuca o verso
E o meu medo maior é o espelho se quebrar
(Trechos de “Espelho”, de João Nogueira e Paulo César Pinheiro)

E sinto uma grande saudade também do meu sogro Moacyr Monteiro Costa. Ele foi como um pai para mim por isso sempre digo que foi um privilégio tê-lo como sogro.
Sei que neste segundo domingo de agosto, Alcy e Moacyr – que  estão lá no céu,   bem pertinho de Deus – sorriem para nós e nos abençoam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *