Sobre a exposição “Jango – a nossa breve história”

jango1Depois de cinquenta anos do golpe militar a Prefeitura de Macapá,  apresenta, na sede do IPHAN na capital do Amapá, a exposição “Jango: a nossa breve história”,produzida pelo Arquivo Nacional com cerca de 80 fotografias, reproduzidas ou projetadas, um vídeo de 32 minutos e cinco vitrines contendo 20 documentos originais e publicações dos anos 1960.
Composta exclusivamente com o acervo da instituição, a mostra é dedicada ao governo de João Goulart, sem esquecer sua trajetória pessoal, chegando até as imagens de exílio.
O circuito da mostra divide-se em cinco módulos, começando pelo desfecho, em 1964: uma série fotográfica com os eventos tidos como detonadores da crise militar, os conspiradores como Lacerda e Magalhães Pinto, as lideranças de Brizola e Arraes; o dia após dia de março daquele ano que continua nos meses seguintes com a leitura do AI-1, as prisões, as invasões de residências, os inquéritos, o deputado cassado Rubens Paiva a caminho do exílio; e ainda, lembrando e homenageando a agitação cultural de então, cenas de Deus e o diabo na terra do sol, o show Opinião, e já em 1965 uma manifestação estudantil contrária ao regime.

A trajetória de Jango é retomada a partir de seu mandato de deputado federal, da posterior ocupação da pasta

da Justiça no segundo governo Vargas, do cargo de vice-presidente no governo JK, de sua eleição como vice-presidente no governo Jânio Quadros, até se tornar presidente em 1961, no sistema parlamentarista.
Dos palanques de campanha à renúncia de Jânio, até a crise em torno da posse de João Goulart, chega-se ao terceiro módulo, voltado para os anos de seu governo, incluindo a campanha pelo retorno ao presidencialismo.
Esses breves anos são retratados pelo gabinete parlamentarista, sobretudo, o do primeiro-ministro Tancredo Neves, a assinatura de importantes atos como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a Estados Unidos com a chuva de papel picado em Nova Iorque e com Kennedy na Casa Branca.
No Brasil, a agenda política alterna encontros com trabalhadores e estudantes; com líderes como o governador Arraes, o economista e responsável pelo Plano Trienal, Celso Furtado, o sempre lembrado embaixador norte-americano Lincoln Gordon; a seleção bicampeã de 1962, essa, uma das poucas notas festivas em meio a muitas greves e conflitos.
Há lugar também para lembrar as inaugurações de grandes obras que seguiam a trilha do desenvolvimentismo de JK.
Personagens da cena cultural e política do início da década de 1960 dão o tom da inovação radical que se anuncia na música, no teatro de Nelson Rodrigues, no Cinema Novo. E no mundo, Lennon, Martin Luther King, manifestações pacifistas contra a bomba atômica, o 1º de maio na Praça Vermelha, a construção do Muro de Berlim, a Guerra Fria.
O quarto módulo é voltado às manifestações e protestos nos quais eclodiu de fato a campanha pelas reformas de base: trabalhadores rurais armados, famílias de posseiros, o líder das ligas camponesas, Francisco Julião discursando na assembleia da UNE, as greves, as multidões; o cenário da cidade do Rio de Janeiro, ainda uma capital em sua centralidade; no Recife as faixas que gritavam “o Brasil não é quintal de Kennedy”. Não faltou o protesto de estudantes e trabalhadores contra a proposta de Jango de decretar estado de sítio para viabilizar as reformas.
Esse clima de inédita e expressiva participação popular se apresenta pelos filtros da Agência Nacional, órgão do governo e do jornal Correio da Manhã, além de outros fundos de natureza privada como a Campanha da Mulher pela Democracia (Camde), o Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (Ipes), Santiago Dantas. Arquivos de imagens em movimento como da TV Tupi do Rio de Janeiro e César Nunes foram pesquisados para a edição do vídeo que acompanha a mostra.
O último módulo, Exílio, projeta imagens dos primeiros banidos do regime, ainda em 1964. Mostra também, inclusive com retratos do arquivo privado de João Goulart o exílio de Jango e sua família. Documentos do SNI se mesclam nessa projeção e estão ainda em vitrines, nas quais serão expostos originais como a minuta de carta de João Goulart a Kennedy sobre a crise de mísseis em Cuba, de 1962, ou o Aviso do chefe do SNI encaminhando informe sobre as atividades do ex-governador Miguel Arraes no exílio, de 1972.
A exposição oferece ao público, além de registros do golpe militar de 1964, a oportunidade de conhecer o perfil de João Goulart, uma janela de acesso à política brasileira das décadas de 1950 e 1960, chave para acompanharmos rumos partidários, movimentos sociais, o papel dos estudantes, o cenário do pós-guerra, o clima de irreversível mudança que se respirava no país, de bossa nova e democracia.

O Instituto Presidente João Goulart, a Prefeitura de Macapá, o Arquivo Nacional, o Senador Randolfe Rodrigues, o IPHAN brindam esta oportunidade histórica aos estudantes, sociedade civil e demais integrantes da comunidade macapense a conhecerem um pouco melhor a trajetória deste homem, que sendo presidente do Brasil, morreu no exílio para não provocar no país uma sangrenta guerra civil.

(Texto transcrito do portal do Instituto João Goulart)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *