Violência – A bandidagem tomou conta de Macapá

A bandidagem tomou conta do Amapá, principalmente de Macapá. A violência impera qualquer hora do dia ou da noite. Os casos de assassinatos se multiplicam. Só ontem, por exemplo, dois assassinatos de grande repercussão foram registrados. À tarde, num local movimentado em plena 3 horas da tarde, bandidos mataram a tiros um jovem de 19 no estacionamento do Super Fácil. O rapaz – que era acadêmico de Direito, ator de teatro e fazia parte da Comissão de Frente de Piratas da Batucada – foi morto dentro do próprio carro. Testemunhas dizem que ao ser abordado pelos bandidos que queriam assaltá-lo, Luan Lurrick (este é o nome do jovem) engatou uma ré para livrar-se dos bandidos, mas estes sem dó nem piedade tentaram pará-lo na marra disparando vários tiros, o que foi fatal.

À noite, no bairro do Muca, um professor foi assassinado com 10 tiros  por assaltantes.

Os crimes acontecem em todo lugar e a toda hora. Ninguém pode mais sentar-se na frente da casa para uma roda de conversa, pois os bandidos estão à espreita. Eles vão chegando botando a família pra dentro, roubando tudo e se houver reação espancam e matam.
Não se pode mais frequentar as praças nem caminhar na orla, pois os bandidos estão de olho. Nas lanchonetes e restaurantes é um olho no prato e outro em quem entra, já que está se tornando comum assaltos nestes locais.
Os bares da orla estão fechando mais cedo por causa dos arrastões. Quinta-feira passada, por exemplo, apenas um estava funcionando no Araxá. E só até às 23h.

Já se perdeu a conta dos assaltos em ônibus e já está pra se perder a conta dos assaltos em escolas e nas frentes das faculdades.

Até as igrejas são alvo dos criminosos. Delas roubam imagens, as ofertas em dinheiro e assaltam os fiéis na saída das missas ou cultos.

O número reduzido de policiais, a falta de armas e munições da polícia, o sucateamento das viaturas, aliados a outros fatores,   contribuem enormemente para que os bandidos tomem conta da cidade.
As ações do poder público para conter a violência são tímidas, quase inexistentes. É triste constatar isso, mas é a verdade.

 

  • Eu não diria que a causa é “O número reduzido de policiais, a falta de armas e munições da polícia, o sucateamento das viaturas, aliados a outros fatores, contribuem enormemente para que os bandidos tomem conta da cidade”.
    A causa de toda essa violência é o contingente de marginais que é gerado todos os dias num processo que eu qualifico como natalidade irresponsável e inconsequente.
    Ninguém nasce bandido, mas, dependendo da situação, a criança já vem com alvará de funcionamento.

  • Tá dificil viver em Macapá, a violencia imperou de tal maneira que não podemos sair e nem ficar em casa. Qualquer hora e em qualquer lugar somos surpreendidos por bandidos violentos sem um pingo de piedade. Nos assaltam, nos humilham e final nos matam. Misericórdia Jesus! Paz para o Amapá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *