Despedida – Ferreira Gullar

Eu deixarei o mundo com fúria.
Não importa o que aparentemente aconteça,
se docemente me retiro.

De fato
nesse momento
estarão de mim se arrebentando
raízes tão fundas
quanto estes céus brasileiros.
Num alarido de gente e ventania
olhos que amei
rostos amigos tardes e verões vividos
estarão gritando a meus ouvidos
para que eu fique
para que eu fique.

Não chorarei.
Não há soluço maior que despedir-se da vida.

(Extraído do livro “Barulhos”, que reúne a produção poética de Ferreira Gullar entre 1980 e 1987)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *