Chá da tarde

Segredo
Neth Brazão

Aquele amor…
Que não era meu,
Ainda assim me pertencia.
Um amor nascido em abril,
Insaciável, louco, devorador…
Escondido em uma caixinha
De segredos proibidos.
Um amor tão forte,
Que se expandiu se mostrou…
Seria ele nosso segredo,
Nosso campo de fuga,
Fonte de vida,
Que de tanto amar
Perdeu-se no caminho.

(Poema extraído da coletânea “Poetas na Linha Imaginária”- Editora Scortecci, 2013)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *