Chá da tarde

Cisão ao Riso
Vicente Cruz

Perdoa, amor, minha cisão ao riso.
Há uma guerra, um motim, um holocausto à vista,
um barulho (pasmem!) silente e inciso
recomendando um coração autista.

Andarei, assim, em trote firme,
como corcel a empinar a crista.
É batalha insana há quem afirme
E o amor, guerreira, um pouco dista.

Estou em guerra, em batalha dura,
coração de pedra e face austera
de lirismo ausente, em ruptura,
alma em frangalhos, desacelera.

  • Gostei muito, concisa e emocionante. É do Vicente parceiro do Eduardo Dias? Enfim, excelente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *