Madrugada

Madrugada
Eliade Cristina

Madrugada silenciosa
Espinhosa que traz à memória
Arquivos outrora deletados…
Madrugada serena…
Fria, que não tem dó
De quem nela se enfia…
Madrugada traiçoeira
Que tira o sono… A paz
E faz zoeira no coração
De quem nela espreita
Madrugada vá dormir!
E me deixe descansar
Que daqui a pouco
Tenho que levantar
E a vida continuar.

(Da coletânea “Poemas, poesias e outras rimas” que será lançada em fevereiro em Macapá)

  • Triste madrugada foi aquela em perdi meu violão.
    Não acordas meu amor sereno da madrugada.
    No silencio da madrugada, sou poeta.
    A madrugada se foi, um novo dia raiou
    Madrugada, substantivo abstrato, que encanta os poetas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *