Um poema de Arthur Marinho

Paisagem Amazônica
Arthur Nery Marinho

Para escrever
meu revoltado verso
jamais dei a volta
ao mundo, meu senhor.

Vim pelas margens dos igarapés
onde o sorriso é doentio e triste
e a ignorância há séculos persiste
e é pálida e mirrada
a própria flor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *