Um poema de Arthur Marinho

Paisagem Amazônica
Arthur Nery Marinho (1923-2003)

Para escrever
meu revoltado verso
jamais dei a volta
ao mundo, meu senhor.

Vim pelas margens dos igarapés
onde o sorriso é doentio e triste
e a ignorância há séculos persiste
e é pálida e mirrada
a própria flor.

  • Eu conheci pessoalmente o Arthur Nery Marinho. À época, ele trabalhava no Gabinete do Governador Janary Nunes. Entre seus defeitos e virtudes, era feio, era poeta, funcionário público, e tinha respeito e apreço do Alvaro da Cunha, poeta como ele. Cada vez que leio poema dele, lamento muito que o autor não tivesse o reconhecimento do seu trabalho na dimensão que merecia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *