Gitas e gitinhas

Contra burguês …
O PSTU não ficará fora da disputa pelo governo do Amapá. Nos próximos dias deve apresentar seu pré-candidato ao governo. Trata-se de Genival Cruz, que é uma das lideranças da categoria dos rodoviários.
O partido deve lançar também candidatos ao Senado e a deputado federal e estadual.
Vem com chapa pura.
Sozinho, como sempre, e fazendo o maior barulho.

Prefeito Roberto Góes inaugura amanhã,  quarta-feira, às 9 horas, a Subprefeitura da Zona Norte, a primeira administração regional de Macapá, que irá atender a demanda dos 21 bairros situados naquela área da Capital. No local, a população poderá solicitar a execução de serviços de responsabilidade da administração municipal. O prédio está localizado no quilômetro 02 da BR-210, em frente à entrada do Bairro Infraero II.
A nova estrutura administrativa vai funcionar tendo como base um tripé de atendimento, composto por Ouvidoria, Monitoria e Zeladoria.

O PTB – que tem como pré-candidato ao governo o ex-deputado Lucas Barreto – faz convenção dia 27, a partir das 9h, na quadra da escola Alexandre Vaz Tavares, no bairro do Trem.

Sindicato dos Taxistas faz reunião hoje, às 19 horas, para tratar do edital de licitação de cem novas concessões de taxi. A reunião será na sede do Sindicato, na rua Rio Javari nº 14 Perpétuo Socorro.

Os tucanos realizam hoje, a partir das 18h,  um seminário sobre saúde. Este será o terceiro Seminário realizado pelo PSDB, os dois primeiros abordaram Segurança Pública e Educação. O próximo   irá discutir o desenvolvimento regional. De acordo com a assessoria de comunicação do PSDB, o objetivo é montar junto com a sociedade, o plano de Governo do pré-candidato Jorge Amanajás. As discussões serão no auditório do espaço DM, localizado na Avenida Desidério Antonio Coelho, Nº.  1867, no Buritizal, entre as ruas Hildemar Maia e Santos Dumont.

Em entrevista coletiva hoje, marcada para às 9h, PT e PSB  anunciam oficialmente o que todo mundo já sabe: a coligação PSB/PT tendo como candidato ao governo o deputado estadual Camilo Capiberibe (PSB) e ao Senado o ex-governador e ex-senador João Alberto Capiberibe (PSB) e professor Marcos (PT).

Tem um jabuti subindo devagar num pau de sebo. Quando ele chegar ao topo – o que deve acontecer mais tardar terça-feira que vem – eu conto pra vocês.

  • Rafael, não esquenta, deixa que falem mal do Capi, deixa esse povinho sofrendo por mais 4 anos com a turma do harmonia, e pede pra eles começarem logo a rezar pra não cair no HE, pq não terá remedios, pra eles não precisarem fazer tratamento fora do Estado – TFD, pq vão morrer aqui mesmo, e se forem funcionarios Estaduais, que rezem mais ainda p os seus salarios não atrasarem, pq campanha politica bancada com a “maquina”, é nisso q vai resultar. CADA POVO TEM O GOVERNO QUE MERECE.

  • sub prefeitura sendo inalgurada para ser curral eleitoral da mae do roberto goes kkkkkkkkkk ela tem que estudar porque não sabe nem falar sera que ela passa na prova do T.R.E prefeito deixa de pagar mico poe a sua mae numa escola que tão dando cafe, almoço,e jantar.

  • Desculpe atrapalhar os comentários políticos. Gostaria de saber quantos acidentes mais serão necessários para que a Engenharia de trânsito da Prefeitura se sensibilize com a necessidade URGENTÍSSIMA de semáforo na rua Manoel Eud[oxio com Mendonça Furtado. Ontem foram três veículos, sendo uma moto, e um dos carros capotou. Eu já presenciei três acidentes ali e nada se resolve. Quantas pessoas precisam se machucar ou morrer? A propósito, onde estão os guardas de trânsito da capital? Alguém poederia dizer onde esses “trabalhadores” se escondem? Dona Alcinéa, a sra. saberia dizer se existe guarda de trânsito em Macapá? Aqui “no meio do mundo” ainda existe isso? Incrível! Nunca vi um guarda de trânsito para AO MENOS inibir as loucuras causadas por motoristas inconsequentes. OTORIDADES acordem!!!!

    • Uma grande coincidencia,pq hj tb fiquei sabendo isto,pq simplesmente encontrei(após longa data) com os pais do Rafael,pessoas hiper simpáticas e de boa indole. A mãe dele é uma pessoa adoravel,a qual tive o prazer de conhecer através de amigos dela.

    • Acho que ele nem sabe disso, mas também tenho parentesco com o Capi, e nem por isso deixo de adotar uma postura crítica com relação à escolha do meu candidato na hora do voto.

      • kkkkkkk….queria dizer que tb é parente do CAPI e aproveitou p/detonar com a postura do cara.Fala sério! O Rafael nunca mencionou aqui ser sobrinho do Capi,mas algumas pessoas como eu é que ficamos sabendo por terceiros,não por ele.Isto sim é ter postura,seu Roque.

        • Nunca precisei de influência política pra crescer. Se hoje tenho alguma coisa, foi por esforço próprio. Meu primeiro emprego, meus cursos superiores, minhas conquistas. Só que às vezes sinto-me meio desnorteado por ter nascido ético.

    • ficou sabendo, porque nao uso pseudonimos, sou quem sou.. e nao me escondo atras de apelidos. Se tdos fossem assim, o nivel do debate elevaria e os comentarios teriam mais credibilidade. Abraco!

      • Mas o Capi não é Guedes Rafa. Descobrimos meio por acaso. Mas isso não é demérito para você. Também não te condeno porque defendes o Capi. Afinal somos livres. Mas não vá sair candidato porque já tem muito capiberibe na fila.

      • Menos,né Rafa.Ninguém aqui tá te criticando pq és sobrinho do Capi.Muito pelo contrário,acho bacana vc expor seus pontos de vistas e conhecimentos à respeito do mesmo e de outras coisas da politica local.Quanto aos PSEUDOS,eles existem p/serem usados e vc sabe que muitas pessoas podem até incorporá-los ao nome(ex.Lula),pq isto jamais vai mudar a personalidade de quem quer que seja.Leva à mal não,mas isto não eleva nem diminue o teor do debate.Quem te garante que me chamo Mara?Alguns blogueiros vivem reclamando disto,mas nãs mãos deles esta o endereço(IP,email,etc), de quem posta comentários,dai cabe à estes postarem ou não.

        • Nao querida, me refiro a aqueles que usam pseudonimo com o intuito de ofender, caluniar e desnivelar o nivel, no seu caso e da maioria aqui, nao ha problema em usar pseudonimos, pois seus comentarios sao comedidos e coerentes, mas vc ha de convir que tem muita gente que extrapola os limites aqui, como eu mesmo ja extrapolei, porem extrapolei mas usei meu nome. Vc eh uma Lady, educada assim como a maioria aqui, eu me referi no texto acima a excessao. 🙂

  • é porque ele é o grande guru da familia, o semi deus mago e detentor de toda a sabedoria do mundo, o dono da verdade! te cuida capi porque o povo quer algo novo, afinal é hora do novo: RANDOLFE SENADOR 500!!!

    • Pows Kósta,

      só falta repetires também, como alguns gostam de fazer também, que o Lucas é algo “novo” no Amapá! É… pensando bem, com o Ponte Preta, “Ou restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos!”. Como tá dificil restaurar com a matéria-prima que temoa aí, fique a vontade, então.

      Menos.

      • Pô Fernando ! E o Capi é novo ? O Camilo é novo ? Bom, novo ele é na idade mental e por isso não faz nada na Assembléia. Nem cobra o Jorge para ele publicar pelo menos os assessores dele. As contas nem se fala. Fala séria cara ! Na política não tem novo, não tem esquerda. Tem gente querendo chegar no poder. Porque você acha que tem um bando de puxa-sacos do Camilo e do Capi querendo que ele seja eleito ? Porque estão urrando há uns quantos anos por ai. Só o Camilo que tem uns carguinhos na Assembléia. Um cala boca, digamos.

        • Mundico, eu concordo em gênero, numero e grau contigo. E acho mais, o Camilo deveria pelo menos terminar um mandato. E acho mais, esse pessoal deveria fazer ao menos um concurso público. Não trabalham, vivem de mandato e campanhas luxuosas, cujas fontes de financiamento ninguém explica. Qual é o funcionário público probo, assalariado, que padece dia a dia e sabe das consequências da ganância dessa turma, que consegue fazer uma campanha como eles inexplicavelmente fazem?? E agora vem três de uma vez, e ninguém fala nada?? Concordo em gênero número e grau com vc, repito!

          • Caro Fernando, campanhas caras são todas. Sobre sairem 3 da mesma família, se vc usar de imparcialidade, verá que nos outros partidos, existem essa mesma prática. Faz parte do jogo político nacional. E muitos do que tem mandato, antes de entrar na política eram pobres e hoje são ricos,são donos de emissoras de radio, jornais, tem muitos imóveis luxuosos aqui e lá fora, por que esse patrulhamento em cima do Camilo? AO pai foi prefeito, governador por 2 mandatos, Senador por mais dois. E para concluir ele vai terminar um mandato sim, como vc sabe, se ele ganhar, só assume em 2011, n’outra leigislatura. Uma boa noite e estamos aí, para um bom debate, sem ofensas, na troca de idéias.

      • nao falei em nenhum momento em lucas, ele nao representa o novo e sim o velho, as velhas politicas da direita no estado, prova disso é seu envolvimento proximo com o ex presidente sarney nos atos secretos. falei do novo de verdade, falei de RANDOLFE SENADOR 500…

        • Kósta, força pra ti.
          Elson, a crítica permanece. Não cedo à prática, já bastante contumaz no país de, prego em contradição, apontar o dedo pra todo o universo, bem como de se declarar patrulhado ou ofendido. O PT é em escala industrial o que o Amapá já foi em piloto. NÃO COLA MAIS!
          Já que “nos outros partidos, existem essa mesma prática. Faz parte do jogo político nacional”, não há diferença, certo?

          • O Elson tá certo em suas observações.Oque não “cola mais” meu caro é ficar detonando a familia Capi,como se só eles tivessem a prática das ramificações familiares, na política nacional.Dê uma olhadinha por ex. na do WG,Borges,Amanjas,Sarney e outras tantas p/ai.É fato.

          • Ok, Mara. Façamos assim: concordo com você e e com o Elson e um ponto implícito na fala de vocês dois! Não tem diferença não. Devo reconhecer que um dos poucos, senão o único, partido que não faz uso dessa prática monárquica, de fazer sucessores dentro do grupo familiar é o PT. De resto, tivemos sim tentativas com o Sérgio Barcellos e o Alexandre, no PFL. Temos (ou tivemos) uma série de Góes nos postos e denúncias comprovadas de nepotismo no governo. os Borges já tiveram deputado federal, vice-governador e senador: isso influenciou decisivamente para a condição de empresário que ostentam. Os Dias também, em menor grau. Querem vir aí os Amanajás. Alcolumbres.

            Você completa em relação àqueles que tanto arrotam princípios de esquerda, mas não fazem o que dizem.

            Pergunto a você, qual o reflexo desse estado de coisas para para a melhoria coletiva do estado? Se teve prática que não mudou ao longo destes governos, foi fazer com que as pessoas continuassem a depender da caneta do manda chuva de plantão para poderem manter seu padrão de vida.

            O próprio ZEMA, comentarista aqui do blog, fez menção a isso com dados. Com isso, se explica o show de subserviência, puxa-saquismo e indignidade de muitos aqui. Eu não tenho o direito de lamentar esse estados de coisas? Acho que quem prega coerência tem de agir com ela. Quantos não foram os próceres do próprio PSB que condenaram esse dirigismo na campanha passada para prefeito? Ora bolas. Muito normal que os outros preconizem as famílias, afinal, nunca prestaram, são afilhados do Sarney, são de direita, não é isto?

            Relembro: “nos outros partidos, existem essa mesma prática. Faz parte do jogo político nacional”

            Impossível não fazer tais críticas e resvalar em suscetibilidades (e bolsos) familiares. Para mim, isso é um problemão. Uma pena.

        • Colegas comentaristas. Não existe lado bom, lado mau, o que existe são interesses e tenho observado isso lendo os blogs, principalmente os locais, que tratam da nossa realidade, é que defendemos interesses pessoais, politicamente falando, pois sabemos que não existem santinhos, honestos, probos, etc…., defendemos aqui as pessoas que nos interessam politicamentea Essa história de de que fulano é melhor que beltrano não existe, haja visto, todos serem “amiguinhos” fora dos holofotes. Aqui não existe crianças pois sabemos que no final todos estão interessados em si dar bem, em estar no poder, os Capis, os Amanajás, Os Borges, os Góes, e por aí a fora, ninguém tá preocupado com o povo, afinal todos estão milionários, vivendo em mansões, com carrôes do ano, apartamentos de luxos espalhados pelo Brasil e fora dele, e não tem exceção. Cada um que escrevi aqui, tem também um interesse pessoal para apoiar A ou B, embora digam que não. Na vcerdade defendemos o nosso quinhão, pois também fazemos parte desse processo. Mas devemos fazer isso com respeito um pelos outros, é assim o processo democrático.

          • Não, não Max, fale por você. Tem gente que não depende disso. Não existem “santinhos”? Tem gente que não acredita nem mesmo em santos. Mas gente honesta e proba, tem sim, aos montes. Podem não se prestar aos esquemas, mas “que los hai, hai”. Tem muitos que fizeram seu concurso, ganham o seu salário sem CDS, DAS, ou o que quer que valha, e dão muito mais contribuição que dezenas. E tem gente que se mandou daí por não querer subserviência. Errado é generalizar para promover um nivelamento por baixo, e justificar o atual modus operandi político. Fale por você, se for o caso. Não tome como geral o que quer meramente servir para eximi-lo.

            Encerro por aqui, e mil desculpas se alguem se sentiu ofendido e tal… Todos moramos aí ou aí temos o coração enraizado. Não é compreenssível tanta VAIDADE para viver num lugar tão abandonado, tão feio e mal cuidado. PRA QUE tanto dinheiro, chega de desabafo.

          • Fernando, concordo com vc quando cita que tem muito gente que passa em concurso e que e competente e boa, quando generalizo, falos dos políticos, pois realmente não existem santos e nem improbos, pelo menos não aqui no Amapá, pois sei de casos de muitos que aparentemente são assim, mais que no fundo não são.

  • “O PSTU não ficará fora da disputa pelo governo do Amapá. Nos próximos dias deve apresentar seu pré-candidato ao governo.”

    EBA!!! Eleição sem os maluquetes comunistas não tem a menor graça! Até porque a turma do PSOL já virou “burguesa”…

  • Rafael Capiberibe. Você abusa do direito de ser chato. Vocês vao perder mais uma vez por que são muito chatos.Ninguem suporta mas essse tipo de vocês.

    • Sou chato? mas nao fico aqui xingando os colegas “comentaristas” como vc passa o dia fazendo. Sou chato e vc ofende. O que eh pior? reflita. Pena vc sujar o nome do grande bussunda com essa sua pequenez nos seus comentarios.

  • WIKIPEDIA-

    Biografia

    Infância e adolescência
    João Capiberibe nasceu em Afuá, na ilha de Marajó, no ano de 1947. Seu pai, poeta e músico, trabalhava em Belém como condutor de bonde. Depois de casado, seu pai resolve se embrenhar na floresta com toda a família.

    O menino cresceu às margens do rio Xarapucu, uma região isolada, sem eletricidade nem escola. Aos sete anos João sabia nadar, subir no açaizeiro, pescar. Nesta época seu pai já o considerava pronto para a vida, mas a mãe queria que as crianças estudassem. Pouco depois a família muda-se para um bairro pobre de Macapá. Enquanto cursava o primário, João trabalhava como vendedor de jornal, loteria e frutas para ajudar seus pais.

    Aos 10 anos entrou para um seminário de padres italianos, onde recebeu formação religiosa e humanista, interessando-se pela Bíblia e pela vida dos santos. Estudou em Macapá até os 17 anos. Na Escola Normal conheceu Janete, posteriormente professora e deputada federal, com quem viria a se casar. Passaram a militar no movimento estudantil.

    [editar] Início da carreira política
    Em 1966 João partiu para Belo Horizonte, e ali começou a estudar Economia. De volta a Belém, na Faculdade de Economia teve contato com a Ação Libertadora Nacional, e foi ao Rio de Janeiro encontrar-se com Carlos Marighella.

    João e Janete partiram para uma região de extrema pobreza na divisa do Pará com o Maranhão, a fim de organizar um grupo de guerrilha, mas foram presos. Torturado, João precisou fazer uma greve de fome para que lhe permitissem ver a filha recém-nascida. Doente, pesando 51 quilos, foi transferido para a Santa Casa, de onde conseguiu fugir, pela porta da frente do hospital, vestido com um avental de médico. Viajou clandestinamente por Manaus, Porto Velho, Guajará-Mirim no Brasil e Cochabamba na Bolívia, rumo a um longo exílio que duraria dez anos.

    [editar] Período do exílio
    Os primeiros tempos do exílio foram passados entre a Bolívia, o Peru e o Chile. João conviveu com povos ribeirinhos, operários, camponeses, índios, caminhoneiros, artesãos; com diversas situações de pobreza, de miséria, de injustiças, de devastação do meio ambiente, conhecendo por dentro problemas da Amazônia e da América Latina. Mas, também, deparou-se com a grande força da floresta, e percebeu as fabulosas possibilidades de um desenvolvimento não destrutivo. Com a queda do presidente do Chile, Salvador Allende, os Capiberibe foram para o Canadá, onde João formou-se em Zootecnia. Depois mudaram-se para Moçambique, onde foi cooperante internacional. Dali retornaram ao Brasil, em 1979, após a anistia.

    [editar] Perseguições políticas
    No Amapá, João Capiberibe sofreu perseguições políticas, e teve de mudar-se novamente, indo residir com a família em Pernambuco, onde se ligou a Miguel Arraes. Em seguida foi para o Acre, organizando ali sociedades agrícolas no Vale do Juruá.

    [editar] Eleições municipais, estaduais e federais
    Em 1988, foi eleito para a prefeitura de Macapá, e em 1994, governador do estado, por dois mandatos. Criou um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia, unindo política, economia e questões ambientais. Teve uma atuação moralizadora, até mesmo extinguindo a aposentadoria para governadores do estado. Foram anos de crescimento sustentável no Amapá, e o êxito de sua política o consagrou Senador da República, em 2002.

    Durante sua intensa vida político-administrativa, João Capiberibe combateu projetos predadores e modernizou a gestão do Amapá, descentralizando o dinheiro, que passou a ir diretamente para a comunidade a ser beneficiada. A partir de 1999, criou um programa para extrair informação de receitas e despesas do orçamento do Estado. Todos os gastos eram publicados via internet, em dados simplificados, para que o contribuinte pudesse acompanhar o uso do dinheiro público. Em sua vida legislativa, a luta mais importante é a aprovação de uma lei que obriga os governos a divulgar pela internet seus orçamentos, melhor forma de evitar desvios e mau uso do dinheiro público.

    [editar] Cassação do mandato de senador da República
    João Capiberibe teve seu mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral, após o Ministério Público do Amapá ter recusado, por falta de provas, denúncia contra o senador e sua esposa, relativa a compra de dois votos no valor de 26 reais.

    Na época, ambientalistas e políticos simpatizantes dos Capiberibe – dentre eles a então ministra Marina Silva, o Governador Jorge Viana, o então ministro Cristóvão Buarque, Chico Buarque, Chico César, Zuenir Ventura, Márcio Moreira Alves, e o próprio presidente Lula, entre outras pessoas dignas e notórias – vieram em sua defesa. O então presidente do PSB, Miguel Arraes, soltou nota em que dizia: “…surpreendendo o país, os fatos apontados como irregulares carecem de fundamento e são incompatíveis com a história pública de seriedade, respeitabilidade e combate ao abuso do poder econômico que distinguem as atuações e militância política do ex-governador João Capiberibe e da deputada Janete Capiberibe.” João e Janete Capiberibe, nas palavras do advogado Dalmo Dallari, são duas figuras públicas do mais alto nível, por sua integridade, por seu espírito público, por seu respeito pelas instituições, assim como por seu compromisso com os valores fundamentais da pessoa humana.

    [editar] Experiência administrativa
    Experiente e sensível às causas populares, João Alberto Capiberibe foi o primeiro governador do País a adotar o desenvolvimento sustentável como programa de governo. Aberto a novas idéias de desenvolvimento, Capiberibe surpreendeu o mundo com o tratamento dispensado à população mais carente, tratando lideranças indígenas como chefes de estado. Descentralizou o orçamento estadual e a responsabilidade de fiscalizar a aplicação dos recursos em vários setores.

    Seu modelo de Administração chamou a atenção de organismos governamentais e não-governamentais tanto do Brasil quanto de outros países da Europa, em primeiro plano a França, com quem mantiveram parcerias institucionais. Aliás, o Amapá é o único estado brasileiro que faz fronteira terrestre com a União Européia, através da Guiana Francesa, que na época de seu governo teve excelentes projetos comuns na área de energia, saúde, educação, pesquisa científica, meio ambiente e turismo ecológico. Entre os vários parceiros estiveram o Unicef e a Anistia Internacional. Internamente manteve parcerias com sindicatos, clubes de serviços e outras organizações não governamentais, além de órgãos federais e municipais.

    Sua administração já inovou na segurança pública com a implantação do Susp (Sistema Unificado de Segurança Pública) e da polícia interativa, onde os policiais passam por cursos de segurança e cidadania. Na área de educação, melhorou o ensino público, criando a bolsa escola e o caixa escolar. Por falar nisso, na época de seu governo, todos os anos mais de 50% dos aprovados no vestibular da Universidade Federal do Amapá (Unifap) saíam das escolas públicas. Ainda na área da educação, criou a escola bosque, localizada no arquipélago do Bailique, que durante seu governo a grade curricular mantinha disciplinas adaptadas à realidade da região e com cursos especiais sobre pesca, carpintaria naval, meio ambiente e outros.

    [editar] Economia
    Na economia, Capi deu um grande passo de inovação. Implantou na agricultura os sistemas agroflorestais que garante que ao agricultor uma produção diversificada, possibilitando a colheita de produtos o ano inteiro, aumentando a variedade de produtos nas feiras e mercados e assegurando mais renda ao agricultor. Mas a movimentação da economia não se resumia a isso.

    [editar] Educação
    Na área de educação, o governo criou mecanismos de fortalecimento de economia local. Com a merenda regionalizada o governo passou a adquirir alimentos nas feiras de produtores rurais. O mesmo aconteceu com móveis escolares, depois que o governo passou a investir nas movelarias através do Promob (Programa de Modernização Tecnológica do Setor Mobiliário). Com isso gerou-se renda e emprego. O investimento no beneficiamento da castanha do Brasil e o incentivo para sua exportação também ajudou no crescimento econômico do estado. Uma mini-indústria de beneficiamento da amêndoa foi montada no município de Laranjal do Jari que passou a exportar o produto para a França.

    Mas foi o açaí uma das principais fontes de renda e emprego do estado. O pesquisador francês Denys Poulet, com apoio do Iepa (Instituto de Estudos e Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá ), desenvolveu um estudo sobre a importância do açaí para a economia local e descobriu que o mercado do açaí movimenta no estado mais de R$ 20milhões/ano, sendo que R$ 18,2 milhões é só do fruto e R$ 2,1 do palmito.

    Este modelo de desenvolvimento surge num momento em que o mundo questiona e cobra uma solução para o desenvolvimento predatório do meio ambiente, que gera pobreza e desequilíbrio ecológico. Ao contrário de tudo isso, o Amapá, um pequeno estado amazônico, mostrou ao mundo como se gerava riqueza sem destruir a natureza.

    [editar] Cargos públicos
    Assessor do Ministério da Agricultura – Governo de Moçambique, em Maputo (20/01/1978 a 1º/01/1980)
    Subsecretário do Desenvolvimento Agrário, em Cruzeiro do Sul (10/01/1984 a 15/05/1985)
    Secretário de Agricultura, em Macapá (15/07/1985 a 15/07/1987)
    [editar] Homenagens recebidas
    Diploma Defensor da Causa Indígena – Aldeia Indígena do Manga (1996); Diploma de Consagração Pública – Embrapa (1996); Ordre National du Meritè – Grand Officier (1997); Medalha da Ordem do Mérito da Inconfidência – Minas Gerais (1997); Medalha da Ordem do Mérito de Rio Branco – Grande Oficial – Ministério das Relações Exteriores; Medalha de Ouro “Professor Moacyr Álvaro” – Universidade de São Paulo e Escola Paulista de Medicina – Ordem des Palmes Académiques – Officier – Ministério da Educação Nacional, da Pesquisa e da Tecnologia – França; Prêmio Gestão Pública e Cidadania – Fundação Getúlio Vargas e Fundação Ford; Prêmio Taxi – UNICEF (1999); Prêmio Gestão Pública e Cidadania – Fundação Getúlio Vargas e Fundação Ford – Amapá (1999); Prêmio HABITAT 2000, Dubai, ONU (2000); Prêmio Gestão Pública e Cidadania – Fundação Getúlio Vargas e Fundação Ford (2000); Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade – IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Ministério da Cultura – Categoria Proteção do Patrimônio Natural e Arqueológico; Prêmio “Os Melhores da Administração Pública Brasileira” – Brasmarket, Revista Isto é, SBT; Prêmios Gestão Pública e Cidadania – Fundação Getúlio Vargas e Fundação Ford (2001); Ordem do Mérito dos Palmares (2002); Colar do Mérito Judiciário – Tribunal de Justiça do Amapá (2002); Brasão da Cidade de Montpellier – França (2002); Medalha Visita ao Presidente da França, M. Jacques Chirac; Brasão do Conselho da Guyana; Brasão da Bienniale du Marronnage – Matoury, Guyane Française, Maior Comenda do Acre-Dez/2006.

    [editar] Biografia recente
    Em 2002, João Capiberibe e sua mulher Janete Capiberibe, que era deputada federal, foram acusados da comprar dois votos por 26 reais cada. Eles foram absolvidos pelo TRE do Amapá do processo movido contra eles pelo PMDB do senador José Sarney, mas acabaram tendo o mandato cassados pelo TSE. Em seu lugar assumiu Gilvam Borges.

    Em 2006 concorreu ao governo do Amapá pelo PSB, mas perdeu em primeiro turno para Waldez Góes, do PDT.

    • Pô cara (Rafael), olha que eu sou Capi, mas esses posts enormes enchem o saco…te manca, cara!Não quer fazer comentário? Não faça! Agora não dá uma de publicitário, porque tu acaba tirando voto e melando as coisas para o Capi.

      • Cuidado, vocês dando ibope para esse garoto podem estar iludindo esse chatonildo, no final das quantas o mínimo que vai pensar é que é FORMADOR DE OPINIÃO.

    • Cara vc é um chato, ninguém quer saber dessa babozeira de Capí, Deus que nos livre dessas familias que arrasaram o Pobre Amapá. Acredite em um novo tempo, onde eu e vc seremos respeitados como cidadões, pode Acreditar……….

    • Po galera,o pouco espaco que temos para divulgar os fatos do capi eh na internet, e vcs ainda se doem? Vcs andam muito nervosos, um simples post gera toda essa raiva em vcs? quem dera essa ira de vcs qnd os radialistas pagos com dinheiro publico ficassem o dia todo puxando o saco do waldez, PP, jorge, etc. So acho que nao ofendi nenhum de vcs aqui para defenestrarem sobre mim tamanha ira. E garanto, a raiva de vcs ou a insatisfacao nao vai afetar em nada a minha vontade de escrever aqui o que eu acho certo ou nao. Abraco a todos!

      • so para constar, pois eu acho que nao devo me explicar aqui, eu ia copiar apenas os premios do capi, e sem querer copiei todo o historico dele, no blog da lene saiu certo, aqui errei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *