Justiça afasta Moisés Souza da presidência da ALAP

Em Sessão Judicial  que acabou agora há pouco, o Pleno do Tribunal de Justiça do Amapá decidiu pelo afastamento dos deputados Moisés Souza e Edinho Duarte dos cargos de presidente da Assembléia Legislativa e   1º secretário da Mesa Diretora da AL, respectivamente.
Esta é a segunda vez que os dois são afastados. A primeira foi em 26 de junho de 2012. Mas em 25 janeiro deste ano eles reassumiram os cargos amparados por uma liminar do Supremo Tribunal Federal.
O afastamento, tanto o de 2012 como o de hoje, foi pedido pelo Ministério Público Estadual que denunciou os dois parlamentares  por  formação de quadrilha, fraude em licitação, peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, com base no material apreendido durante a Operação Eclésia, deflagrada pelo MPE em maio de 2012 com o objetivo de desmontar um possível esquema de corrupção envolvendo a Assembléia Legislativa e empresas que prestam serviço ao Poder Legislativo.

  • Em uma democracia séria e sólida, esses deputados já estariam presos, com seus bens confiscados e o dinheiro desviado devolvido aos cofres públicos.

  • A justiça deveria fechar a assembleia. Seria um grande feito por esse estado. Não adianta afastar a ou b. Lá é como a história que se conta por Ali.

  • Alcinéa, isto é um sinal claro de que não estamos escolhendo bem nossos representantes. E o que é pior, ciente de todos os resultados das últimas investigações, ainda estamos mantendo maus elementos no cenário político, o que demonstra claramente que parte do nosso eleitorado ainda vende seu voto. Resultado de tudo isso: insegurança; aumento da criminalidade juvenil; saúde precária; educação sem credibilidade; saneamento e urbanização de péssima qualidade; desemprego e regresso das políticas socioeconômicas e de desenvolvimento do Estado. O dinheiro que deveria ser bem aplicado sai pelo ralo da corrupção (…)

  • As denúncias contra esses parlamentares e integrantes deste Poder Estadual são extremamente procedentes, legais, recheadas de evidências. Não conheço a realidade de Assembleias Legislativas de outros Estados. Provavelmente a AL AP é disparada como a mais corrupta do Brasil, pois, infelizmente ainda adota práticas patrimonialistas, clientelistas, características que já se tornaram anacrônicas, obsoletas em Estados democráticos, desenvolvidos. Além de se perceber certa conivência entre os deputados desta casa, porque, talvez sequer criaram uma comissão para apurar essas denúncias e punir os culpados conforme a CF e a Lei de Improbidade Administrativa, já que tanto o Poder Judiciário quanto o próprio Poder Legislativo têm competências para processar e julgar Deputados Estaduais. Enquanto formos “representados” por figuras como essas ( sem decência humana; honestidade; sem pudor;…) e prevalecer a impunidade a favor de agentes políticos, não sairemos da condição de Estado subdesenvolvido, com péssimas assistências a: saúde; educação, segurança; subdesenvolvimento econômico e social.

  • Parabéns ao TJAP por fazer valer sua decisão.Lamentável que o STF não siga a mesma linha e dê abrigo à esses politicos corruptos.O nosso país tá precisando de uma justiça mais rigorosa e comprometida com o povo honrrado deste Brasil.

  • Afastamento, bloqueio dos bens e posterior confisco, pois cassação, já estão condenados e o povo evangélico que são fies a Cristo e cristo em sua passagem pela terra pregou a justiça e a honestidade, ardentemente em suas pregações.

    • Então irmão Justo, estes dois gazetaram esta pregação, se bem que tem um que até dorme com bíblia debaixo do travesseiro, segui-la só para os outros irmãos.

  • Uma vergonha para nós amapaenses ter nossos parlamentares sendo afastados por corrupção. Um dinheiro que poderia servir para a coletividade.
    Tanta gente com fome por falta de alimento, doente tb por falta de alimentos e quanto dinheiro sendo desviado.

  • que penha que isto so aconteci no estado do amapa com os politicos a chegou a campanha politica por isto que esta acontecendo esta vergonha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *