MPF/AP denuncia ex-governador Pedro Paulo e sua mulher por invasão de terras públicas e estelionato

A Justiça Federal recebeu, na última semana, denúncia contra Pedro Paulo Dias de Carvalho, governador do Amapá em 2010, e Denise de Nazaré Freitas de Carvalho, ex-primeira-dama. Os dois são acusados pelo Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) de uso de documento falso, invasão de terras públicas e estelionato. A instituição quer a condenação dos dois pelos crimes.

Durante investigação, o MPF/AP constatou que, em 1995, a médica e funcionária pública Denise Carvalho declarou-se agricultora para obter terras destinadas à Reforma Agrária. Pela área, localizada no Distrito do Coração – distante cerca de 15 quilômetros de Macapá – ela pagou pouco mais de R$ 4 mil, em quatro parcelas. A propriedade era administrada pelo Incra no Amapá.

Além de identificar-se falsamente como agricultora, a médica afirmou ser solteira. Entretanto, conforme informação do Cartório Val-de-Cans, de Belém do Pará, Denise Carvalho e Pedro Paulo Carvalho casaram-se em 1989, portanto, seis anos antes da aquisição fraudulenta da área.

Invasão – No ano passado, cerca de 700 famílias invadiram a propriedade. Denise Carvalho, então, recorreu à Justiça para ter reintegrada a posse da área. Para o MPF/AP, ao manifestar-se como possuidora do terreno, agindo como se as terras da União a ela pertencessem, confirma ter cometido o crime de invasão de terras públicas.
Após ter reconhecida a posse, o casal resolveu vender o imóvel a um empresário. A negociação teria custado R$ 900 mil, valor mais de duzentas vezes maior que o de compra. Há indícios, porém, de que o preço final tenha sido muito superior a esse.

Estelionato – Ao vender a área pertencente à União, o casal cometeu o crime de estelionato. Tal crime teve como vítima o comprador do imóvel, que desconhecia a fraude envolvendo a aparente aquisição do terreno pelo casal – utilização de documento falso e invasão de terras públicas.
Além da denúncia, na esfera criminal, os dois vão responder civelmente. Em Ação Civil Pública, o MPF/AP pede a nulidade do título das terras. O objetivo é que a área seja devolvida à União.

(Assessoria de Comunicação Social/Procuradoria da República no Amapá)

  • Essa Carmen é mesmo muito curta das idéias, quem tá denunciando é a justiça e não qualquer um como você diz. Outra coisa, o que a Dra. Denize fez chamá-se falsidade ideologica, você sabe o que é isso? É crimeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee.

  • O MEU OVO VOMOS TIRAR ESSA CORJA QUE COLOCOU O AMAA NA LAMA, VOMOS DA UMA LIÇÃO TIRNDO ESSES PARASITAS DE PERTO DE NOS, FORA, FOR C ELES…..

  • Fernando,Ocupada!! Eu? Imagina!! Meu amor, eu sou batalhadora, acredito eu, igual a você, mas falar das pessoas que você não conhece a não ser de pela boca dos outros, afff…Quanta falta de respeito em!!

  • Meu caro Fernando, o que adianta ser do Estado e não morar nele, em relação ao fato de defender ou não, acredito que não seja da tua conta, da mesma forma que não sou eu que pago tuas contas,você também não paga as minhas, mais pelo fato de conhecê-lo e saber de onde veio seus principios que posso afirmar que muita coisa que estão falando e fizeram não são verdades. Santo eu sei que ele nunca foi, mas sei que ele não é esse bandido todo que estão pintando.
    Ah, outra coisa não estou em momento nenhum desrespeitando sua opinião, eu e você temos todos os direitos de expressar nossas opiniões, afinal, estamos em um país livre, onde podemos dizer e expressar o que achamos, não é!! O que não podemos e afetar nossas amizades com isso. Beijinhos e estou adorando, discutir e defender meu ponto de vista com você acho você super inteligente.

  • “em 1995, a médica e funcionária pública Denise Carvalho declarou-se agricultora para obter terras destinadas à Reforma Agrária”

    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

  • Mais uma falcatrua do pessoal da harmonia. Ainda bem que um de seus principais representantes vai ser colocado pra fora da administração municipal através do voto popular. A única alternativa e montar um puxadinho ao lado da sede do governo paralelo e criar a prtefeitura paralela.

  • Waldez Góes e Pedro Paulo, figuras ímpares na história do Amapá. Como diz o Lula, nunca na história do Amapá se roubou tanto quanto no período Waldez/Pedro Paulo. E ainda querem voltar ao poder!

    Ah tenham dó do povo amapense!

  • A MÉDICA Denise se passou por “AGRICULTORA” para se inscrever no Incra e conseguir o terreno em questão, nunca plantou nada (Quem puder passe por lá e veja se existe um pezinho de mandioca por lá) e depois vendeu por uma grana altíssima. Se ela tivesse declarado que era médica não teria conseguido o terreno.
    Se você conhece algum “agricultor” que não é agricultor (semelhante ao caso) encaminhe uma denúncia anônima para o site: http://www.prap.mpf.gov.br/servicos/denuncia/denuncia.php

    • O problema não é ser médica, mas ser funcionária pública. Isso sim invalida a aquisição direta de terras da união. Não quer dizer que um médico ou qualquer outro profissional liberal não posso adquirir um lote de terra, para plantar ou apenas para seu lazer. Já pensou um eng. Agronomo ou um Florestal ou um veterinario não poder lavrar a terra apenas por ter uma faculdade?
      Minha gente, não estamos na ex-URSS, já caiu o muro de Berlim e Havana está quase virando capitalista, como PEQUIM virou.

  • Grave !!
    A procuradoria não aceitaria uma denuncia desta magnitude, sem ao menos analisar os documentos apresentados.
    Como dizem: Onde tem fumaça, ha fogo!

    Carmem, o tempo vai mostrar se é falso ou verdadeiro esta denuncia …mais uma Ca… de politicos que se sente inatingivel.

    • Concordo com você amigo, espero que provem mesmo e que justiçã seja feita, espero que cada paguem realmente pelo o que fez e não pelo o que os outros estão tentando fazer com eles. Afinal amo meu Estado do Amapá!!

  • na verdade existem requisitos cujo os quais eles não cumpriram por exemplo e vedada para este tipo de aquisição que o requerente,seja funcionario público,pior disse ser o que não e agricultor,mas a todos cabe o direito da ampla defesa.Esqueci declarar um valor menor da venda tambem e crime

    • Verdade Eduardo, comcordo plenamente com você, espero realmente que não seja um cunho politico, espero que o Ministerio Público seja Justo.

  • Gente, isso é ridículo, quer dizer agora, que se eu comprar um terreno pelo INCRA, no valor de R$ 4 mil reais e daqui a dez ou quinze anos a área que eu comprei for valorizada, eu jamais em hipótese alguma vou poder vender, pelo valor que eu e o comprador achar conveniente. É isso? Quer dizer também que se eu casar vou ser ‘’obrigado’’ a trocar meu nome é?
    Nessas horas, chego à conclusão que falta o que fazer para essas pessoas que vivem tentando acabar com a vida do outro, por pura falta de ter o que fazer ridículo, ainda ter de ficarem mexendo, procurando o que não têm, depois de tanto tempo tentando incriminá-lo por alguma coisa. Deus é justo, e uma hora a verdade de tudo isso vai chegar, ai eu quero ver a cara é a consciência de todos que atiraram pedra no telhado do vizinho. Como diz o ditado popular (que tem telhado de vidro não joga pedra no telhado do outro), principalmente quando não se sabe de toda a verdade. Pois, o grande pecado de algumas pessoas é falar, inventar e espalhar inverdades por ai é julgar o outro sem se quer conhecer sua vida, sua historia, seus princípios.
    Espero eu, que essa denuncia não seja mais uma barganha politica, o que eu não duvido muito, mais que a verdade e justiça sejam feita, pelas injustiças que algumas pessoas estão passando, porque acabar com a moral das pessoas é muito fácil né.

    • Meu lindo não fale o que não sabe de fato, pois nem aqui você mora você só sabe a realidade daqui através de noticias. bjinhos!

      • Cara Carmem,

        será que vc é quem eu estou pensando que é? Se for, entendo seus motivos para reagir de forma tão “dedicada” a uma informação tão clara e a qual nem fiz menção! No mais, não é da sua conta se eu moro aí, aqui, acolá! Você não paga as minhas contas tampouco tem o direito de constranger minha opinião (que é o pouco que tenho, conquistado a peso de renúncia e muito estudo, ao contrário das posses de muitos, conquistada a peso de corrupção). No mais, minha carteira de identidade é válida em todo o território nacional e meu título de eleitor ainda é amapaense. Eu estou falando o que eu não sei? Será mesmo? Pense bem!

        • Meu caro, o que adianta ser do Estado e não morar nele, em relação ao fato de defender ou não, acredito que não seja da tua conta da mesma forma que não sou eu que pago tuas contas, mais pelo fato de conhecê-lo e saber de onde veio seus principio que posso afirmar que muita coisa que estão falando e fizeram não são verdades. Santo eu sei que ele nunca foi, mas sei que ele não é esse bandido todo que estão pintando.
          Ah, outra coisa não estou em momento nenhum desrespeitando sua opinião, eu e você temos todos os direitos de expressar nossas opiniões, afinal, estamos em um país livre, onde podemos dizer e expressar o que achamos, não é!! O que não podemos e afetar nossas amizades com isso. Beijinhos e estou adorando, discutir e defender meu ponto de vista com você acho você super inteligente.

      • Só um adendo ao teu desrespeitoso comentário! Justiça Federal e MPF devem ser mesmo constituídos por um bando de desocupados. Ocupadíssima deve ser você, só você! No mais, leio notícias. Teve também um certo inquérito… Algo a ver com ascepsia das mãos. Familiar?

        • Ocupada!! Eu? Imagina!! Meu amor, eu sou batalhadora, acredito eu, igual a você, mas falar das pessoas que você não conhece a não ser de pela boca dos outros, afff…Quanta falta de respeito em!!

  • Tio Waldeeeeezzzz!!!!!!!!!!o Sr por aqui novamente!!!!!!??????
    É verdade que o sr ta se preparando pra voltar??????!!!!!!!Ebaaaaa!!!!! Vamos terminar de vender o Amapá!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *