Artigo dominical

O pássaro com duas cabeças
Dom Pedro José Conti, Bispo de Macapá

Certa vez, num lugar deste mundo, nasceu um pássaro com duas cabeças e um corpo só. A cabeça direita era sempre faminta, muito esperta em encontrar comida e devorava tudo o que encontrava com uma velocidade extraordinária. A cabeça esquerda era também faminta, na mesma proporção da outra, mas era desajeitada nos movimentos e, na hora de comer, chegava atrasada. Dificilmente sobrava alguma coisa para ela. Desse jeito, a cabeça direita conseguia sempre satisfazer a sua fome; a esquerda, nunca, por isso morria de inveja e cansou de ficar para trás, assim elaborou uma estratégia assassina. Um dia falou à cabeça direita:

– Conheço, aqui por perto, um lugar onde existe uma grama muito gostosa; não queria experimentar?

Na realidade, a cabeça esquerda tinha feito uma pesquisa detalhada para ter  certeza de que aquela grama era venenosa e mortal. Assim a cabeça direita logo que viu as verdes plantinhas caiu sobre elas e, como sempre, comeu rapidamente e à vontade. A cabeça esquerda não teve tempo de ver as consequências da sua jogada, porque o único corpo morreu, poucos minutos depois, junto com as duas inseparáveis cabeças.

Bem sabemos que as palavras e as atitudes de Jesus deixavam incomodados muitos daqueles que não aceitavam ser questionados sobre a própria religião e a maneira de vivê-la. Em lugar de fazerem um autojulgamento, era muito mais fácil, para eles, acusar aquele pregador, que vinha de fora, de ser “possuído por um espírito mau”, por Belzebu, “o príncipe dos demônios”. Sendo assim, nada de bom podia vir de Jesus, tudo o que ele fazia e dizia era obra do “diabo” e, por consequência, errado, “mau”. Jesus respondeu com a comparação de um reino dividido. Inevitavelmente, divisões e disputas internas são causa de fraqueza e de derrota. As palavras dele devolveram a acusação: onde estava o “espírito mau”? Nos acusadores ou nos gestos dele, que libertavam e curavam as pessoas? Se o que Jesus fazia era um bem, não podia ser obra do “príncipe dos demônios”, somente podia ser obra de Deus, mas isso significava admitir e reconhecer que o próprio Deus estava agindo nele! Então Jesus era “possuído” pelo Espírito de Deus, não pelo demônio.

A nossa reflexão, porém, não pode parar por aqui. Se é verdade que toda cura, que seja ou não extraordinária, é algo de bom e desejável – e, portanto, devemos agradecer ao Senhor pela sua bondade quando as curas acontecem – não podemos deixar de lembrar que Jesus não quis ser um simples curandeiro ou milagreiro. Os gestos dele são sinais para nos apontar algo que está além e que é mais precioso. Não devemos procurar o Senhor somente pelas curas físicas ou psicológicas, para que ele preencha as nossas carências emocionais ou afetivas. A grande doença da qual Jesus quer nos curar é o pecado, o mal que cega os nossos olhos e o nosso coração. A busca individual do nosso bem-estar e do nosso sucesso pessoal é a causa de tantos males, mesmo quando não queremos admiti-lo, porque enxergamos somente o que nos interessa.

A oração que Jesus nos ensinou é sempre e toda no plural. O Pai é “nosso”, não “meu”. O Reino é para todos nós. O pão de cada dia, também, é “nosso”, porque todos precisamos nos alimentar. Por fim, o perdão ao irmão é o fruto do perdão de Deus oferecido a todos. O demônio nos conduz a pensar no “meu” de cada um. Assim nascem os conflitos e as disputas. Assim Caim matou Abel. O Filho que o Pai enviou nos quer  irmãos, porque todos somos amados e podemos aprender a amar. A fé que Jesus praticou e ensinou foi a de amar a Deus amando também o próximo. Com a sua vida doada nos curou da doença mortal do não amor. Quem sabe amar o seu próximo ama o Pai, cumpre a sua vontade e entra a fazer parte da nova “família” de Jesus.

Ela não tinha tempo nem para comer. A cabeça comilona não deixava nada para a outra. Assim nasceu a inveja que levou as duas à morte. O “milagre” da partilha teria salvado o corpo inteiro.

  • Obrigado D. Pedro por mais esta catequese.O Estado do AMAPÁ é o pássaro que nasceu com duas cabeças. A cabeça direita são aqueles(las) que praticam a corrupção, devorando tudo com uma velocidade extraordinária. A cabeça esquerda é o povão amapaense, desajeitado na hora de votar, e por isso, na hora de comer, sempre chega atrasado. Destarte, o pássaro chamado Amapá, está seriamente ameaçado de morte. No evangelho, Jesus nos adverte que divisões e disputas internas são causa de fraqueza e de derrota.Só o milagre da partilha pode salvar o corpo inteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *